Garantia de atraso e desigualdade

O ataque feito pelo filho de Bolsonaro às universidades públicas vai além de uma vingança contra um público que...

O ataque feito pelo filho de Bolsonaro às universidades públicas vai além de uma vingança contra um público que majoritariamente votou contra o pai. Ela embute um modelo de nação, que pode ser analisado em dois aspectos: a dependência tecnológica e a elitização do ensino.

Basicamente, quatro setores no Brasil desenvolvem tecnologia de ponta: petróleo, aeronáutico, universidade pública e agrícola. O primeiro é baseado na Petrobras, trazendo a reboque centros de pesquisa instalados aqui frutos da política de conteúdo local e desenvolvimento científico. O enfraquecimento da estatal, a venda de áreas de exploração e a ausência de regras de investimento em pesquisa e produção no país debilita este setor.

O segundo é ancorado na Embraer, que está sendo vendida para a norte-americana Boeing. Nem a Velinha de Taubaté, viva ainda fosse, acreditaria na manutenção de um centro de inovação forte no Brasil.

Na área acadêmica, não há desenvolvimento de pesquisa no setor privado, raras exceções. No ranking QS das mil melhores universidades do mundo aparecem apenas 22 brasileiras: 19 públicas e três católicas. Portanto, nem mesmo as instituições da elite conseguem se destacar; pesquisa não cabe no modelo de negócios delas.

Sobra a área agrícola, em que o Brasil se destaca com Embrapa e congêneres. O que finaliza a visão de Nação: um país exportador agrário e consumidor de alta tecnologia estrangeira. Nenhum país se desenvolveu assim.

Um dos mantras da elite é que o Brasil só vai se desenvolver se investir na educação. Mas as belas palavras são embaçadas pelas práticas. A privatização das universidades públicas, noves fora abrir a porteira para negociatas, seria o caminho para elitizar o ensino. A história de que os pobres receberiam um voucher entra para o lado cômico das campanhas.

 

Mito

A política de cotas mudou o perfil dos alunos das universidades federais. Hoje, mais da metade dos estudantes vem das classes C, D e E (exatamente, 52,11%). Da classe B são 40,2%; 7,7% vêm da A. Os dados são de 2014. Nova pesquisa está em andamento este ano, e, com certeza, estes percentuais vão mostrar maior proporção das classes socioeconômicas menos favorecidas.

 

Ameaça

Nota na Folha aponta que uma ala do Centrão considera Jair Bolsonaro imprevisível e vê risco de um esgaçamento rápido nas relações entre Planalto e Congresso, caso ele seja eleito –o que essas siglas julgam provável.

Traduzindo o politiquês: se o candidato do PSL for eleito e não distribuir cargos, o Centrão vai sabotar seus projetos.

 

R$ 10 bi voando

A Becomex, consultoria especializada na área tributária e operações internacionais, e a FH Advogados, conseguiram recuperar cerca de R$ 25 milhões em créditos do Reintegra para uma empresa do setor automotivo e outra de óleo e gás, com alíquota integral, definida em sentença favorável.

O Governo Federal havia cortado a alíquota do benefício em 2015 e em 2018. Segundo os levantamentos da Becomex, as empresas de diversos setores ainda podem resgatar mais de R$ 10 bilhões referentes a essa diferença.

Em 2015, empresas foram penalizadas pela redução da alíquota de 3% para 1%. Já este ano, para viabilizar a diminuição em R$ 0,46 do preço do litro do diesel e colocar fim à greve dos caminhoneiros, novamente o governo cortou de 2% para 0,1% a alíquota do Reintegra a partir 1º de junho de 2018.

 

Rápidas

Em 19 e 20 de outubro, acontece no Rio o Encontro de Chefs (Enchefs RJ 2018), no campus Realengo da Universidade Castelo Branco. Confira a programação em http://portal.castelobranco.br/wp-content/uploads/2018/09/programa%C3%A7%C3%A3o-Enchefs.png *** A Universidade Veiga de Almeida realiza dias 17 e 18, no campus Tijuca, a 3ª Mostra de Publicidade. Os interessados devem se inscrever em http://uva.edu.br/link/4bv *** O Dia das Crianças no Caxias Shopping se estende pelo sábado e domingo. A Escola Firjan Sesi realizará oficinas de pintura artística, jogos educativos com Lego e experiências de robótica, das 14h às 20h *** Nos mesmos dias, o Carioca Shopping promove o Clubinho do Panda para animar as crianças *** A Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas realiza o Seminário de Ética, em 25 de outubro. Inscrições: http://abevd.org.br/eventos/seminario-de-etica-em-vendas-diretas/ *** Está aberto o Programa de Estágio 2018 da Goodyear. O prazo de inscrições se encerra em 16 de novembro, em http://recrutamento.ciadeestagios.com.br/goodyear/

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Sonho da casa própria fica mais distante

Contratação de moradias com recursos do FGTS cai ano após ano.

Moeda chinesa na mira dos bancos centrais

Participação como reserva internacional ainda é baixa… por enquanto.

Bolsonaro comanda pior resposta à pandemia da AL

Para formadores de opinião, Brasil foi pior até que a estigmatizada Venezuela.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

S&P aumenta nota de crédito da Petrobras

A agência de classificação de risco S&P Global Ratings (S&P) elevou a nota de crédito da Petrobras. A nota de crédito stand-alone (risco intrínseco)...

Movida supera as expectativas e ações sobem 8%

A Movida, empresa de locação de veículos, gestão e terceirização de frotas e vendedora de semininovos, reportou lucro líquido ajustado de R$ 174 milhões...

Como empresas familiares sobreviveram à pandemia

As empresas familiares da América do Sul foram significativamente afetadas durante a pandemia, sendo duas as variáveis mais afetadas: receitas de vendas e folha...

BNDES financia Norflor no combate ao efeito estufa

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) concederá financiamento será concedido à Norflor Empreendimento Agrícolas no valor de até R$ 27,4 milhões,...

Uma criptomoeda 100% brasileira

Uma parceria entre as startups Stonoex e AMZ viabilizou o lançamento da criptomoeda brasileira ZCO2. É uma criptomoeda que prevê a proteção da Amazônia...