Garotas antenadas em tecnologia não abrem mão do livro de papel

Segundo pesquisa, as mulheres leem mais que os homens.

Elas são jovens estudantes, conectadas à tecnologia, atuantes nas redes sociais, alegres, criativas, bonitas, simpáticas que gostam de estudar e entendem o quanto a leitura enriquece o vocabulário, mostra novos horizontes e transforma pessoas. Larissa Abrahão, 21 anos, Letícia Benincasa, 18, moram na Zona Norte do Rio de Janeiro, curtem música, dança e são apaixonadas por livros físicos. Até aceitam ler e-book de vez em quando, mas a preferência é ter o bom e velho companheiro livro em mãos e sentir o perfume de um livro novo. As garotas, inclusive, concordam com a frase: “cheirinho de livro novo é melhor do que o cheirinho de carro zero quilômetro”.

Moradora em Irajá, a estudante de Fisioterapia da UFRJ Larissa Abrahão, conta que o interesse pela leitura começou no início da adolescência, aos 11 anos, com o livro O Diário de Um Banana, de Jeff Kinney, escritor e cartunista norte-americano. “Para mim, o encontro com a leitura foi muito importante, porque ampliou os meus conhecimentos gerais, melhorou minha gramática e também turbinou a minha forma de escrever, o que ajudou bastante na redação do ENEM, até mesmo por ter um amplo repertório sociocultural”, avalia. Letícia Benincasa mora em Ricardo de Albuquerque e já está se preparando para o ENEM de 2022. Ela ingressou no mundo dos livros com 12 anos. De lá para cá, não largou mais a leitura. “O primeiro que eu li não lembro bem, mas o que mais me marcou e fez com que eu me apaixonasse pelo mundo literário foi A Palavra Não Dita, de Walcyr Carrasco. Hoje, estou lendo Novembro 9, da norte-americana Colleen Hoover”, disse Benincasa.

Quanto ao gênero de livro preferido, Larissa Abrahão diz que sempre leu os estilos fantasia e infantojuvenil, mas, segundo ela, atualmente, está se interessando por obras que abordam temas sociais. Quando o papo é a questão da importância do livro físico, Larissa destaca que ele é melhor que o digital, porque dá, realmente, a sensação de estar lendo. “Eu já não sinto isso pelo celular ou aparelhos digitais, pois você já está ali o tempo todo conectado e também pode desviar a sua atenção por conta das notificações do aparelho. Então, sair um pouco do celular e se conectar somente com a leitura do livro físico se torna fundamental”, opina a estudante de fisioterapia.

Letícia Benincasa gosta do gênero romance. Para ela, a relevância do livro tem um ponto especial. “Eu comecei a ler em um momento em que estive muito sozinha, então, além de significarem uma grande viagem em novas realidades, são uma boa companhia para mim”, revela, em tom emocionado, Benincasa. O ritmo de leitura da garota de Ricardo de Albuquerque é acelerado. Ela prova que gosta de livros lendo de 20 a 25 obras por ano. “A quantidade depende muito, com o ritmo de estudos e aumento de responsabilidades a média diminuiu, mas voltei a ler com mais frequência em 2020 e li cerca de 20/25 livros”, afirma.

Por que a tecnologia não consegue derrubar o afeto das leitoras com o livro físico? Para a escritora, crítica literária, consultora e curadora de feiras literárias, jornalista e professora de Arte e roteirista, Geórgia Alves, as sensações presentes em cada instante de nossas vidas e de memória guiam nossas escolhas e nossas existências.

“Não é possível abrir mão dos afetos bons e vimos, durante a pandemia, o quanto a ausência do toque, este fator, nos faz tristes e doentes. Carentes de afeto. Todas as sensações presentes e despertas de memória são importantes. A palavra, aliás, é o recurso – signo – que nos conduz e por isso é tão importante entender que ser escritor é entender afetiva e tecnicamente dessa arte. Mas não são apenas as palavras, o modo de ler faz toda diferença na hora de chegar ao conteúdo, por tão diversificadas que são as figurações cognitivas e a natureza de cada leitora e leitor”, explica Geórgia Alves.

Segundo a pesquisa “Retratos da leitura no Brasil”, do Instituto Pró-Livro em parceria com Itaú Cultural, as mulheres leem mais que os homens. A universitária Larissa Abrahão, diz que ainda não havia parado para pensar nisso, mas, entretanto, faz sentido, afinal, minhas amigas gostam de ler sim. De acordo com a escritora Geórgia Alves, o feminino é sempre mais exigido e mais livre, num certo sentido, para experimentar as sensibilidades.

Geórgia Alves acredita que mais uma força se agrega ao talento, empenho e resiliência das mulheres fortes. “A intuição e a sensibilidade. Sem isso é impossível ler o mundo. E estar mais próxima dos livros significa ler, com tudo isso, e mais, algo raro, caro e precioso, a humildade”, filosofa.

“Talvez o que entendemos como ‘dado à natureza feminina’, ainda nos permita em doses maiores viver sem estar atrás das emoções. Aquela frase, tão velha e tão perversa com o masculino, de que ‘homem não chora’ pode ter nos levado a isso. Se ainda nos mantém nisso, com todas as reconfigurações que nos trouxe a pós-modernidade, pode ser um traço da ‘Natureza Feminina’. Mas é tão arriscado falar nisso quanto dizer que o livro virtual vai acabar com o livro físico… Há tantos experimentos sendo feitos sobre a natureza das coisas que o mais indicado é menos afirmar e, cada vez mais, dar liberdade e observar as singularidades”, opina Geórgia Alves.

Sobre o resultado da pesquisa que aponta que as mulheres leem mais que os homens, Larissa olhou para o horizonte e disse: “Nunca parei para pensar nisso, mas faz sentido. Minhas amigas gostam de ler sim”. Letícia foi rápida no gatilho: “minhas amigas próximas não curtem muito, mas acabei conhecendo grupos de meninas pela internet que gostam de ler tanto quanto eu, que fizeram leitura coletiva durante a Pandemia”.

Jovens da chamada Geração Z – definição sociológica para a geração de pessoas nascidas, em média, entre a segunda metade dos anos 1990 até o início do ano 2010 – Larissa e Letícia falam se a turma digital está tão antenada em redes sociais, jogos eletrônicos quanto em livros. “Acredito que não. Observo que os adolescentes e as crianças valorizam mais jogos e as redes e não em desenvolver o hábito de leitura”, destaca Larissa. Já Letícia pensa diferente. ” Eu acredito que sim. Claro, a atenção não é a mesma, mas ainda assim há um pouco de interesse.  Apesar de ser difícil concentrar-se na leitura depois de tanto super estímulo dos jogos, com a popularização dos e-books e aplicativos como o wattpad, há bastante atenção”, avalia Benincasa.

Será que elas, que gostam tanto de livro físico, sentem ciúmes deles? Tanto Leticia quanto Larissa negam o sentimento. “Não sinto ciúmes, mas não costumo emprestá-los, porque as pessoas não têm cuidado e, às vezes, não os devolvem”, dispara Larissa, que guarda e zela por 40 livros, o descontentamento com o comportamento de algumas pessoas. Com 130 livros em casa, Letícia Benincasa não admite que tem ciúmes dos companheiros, porém não gosta de emprestá-los. “É difícil eu emprestar, confesso que não gosto tanto, pois tenho muito cuidado com os meus livros que, às vezes, algumas pessoas não têm”, justifica.

Perguntadas sobre qual é o escritor ou escritora que mais desperta o interesse delas, Larissa disse que recentemente leu e gostou muito de As Crônicas de Gelo e Fogo – série de livros de fantasia elaborada pelo romancista e roteirista norte-americano George R. R. Martin. Por ser uma série muito complexa que ainda não teve seu fim, eu diria que é ele, George R.R. Martin”, avalia. Fã de carteirinha da jornalista e escritora Thalita Rebouças, que escreve livros direcionados ao público adolescente, Letícia abre um sorriso para afirmar que curte muito o trabalho da Thalita Rebouças. “Eu tenho um carinho muito grande pela Thalita Rebouças e pela Paula Pimenta, porque foram as primeiras autoras que eu li. Depois de A Palavra Não Dita, de Walcyr Carrasco, os livros direcionados a adolescentes me fizeram muito bem na época”, destaca.

Larissa considera tarefa difícil apontar qual é o livro que ela mais gostou de ler, mas não deixa a questão em branco. “Um que gostei muito foi a série de livros da Kiera Cass, A Seleção”, define a estudante de Fisioterapia, com os olhos brilhando. Letícia também não achou simples apontar um, mas, com um sorriso discreto, foi objetiva: “É difícil escolher um só, acho que tenho um favorito por ano. Mas os últimos que gostei muito são Teto para dois, de Beth O’Leary, e É assim que acaba, de Colleen Hoover.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Teatro Fashion Mall.com promove evento Summer Festival

Programação inclui show de Toquinho, peças infantis e stand up comedy.

Abeoc Brasil faz 45 anos

Entidade faz campanha contra o #nãocancelamento dos eventos corporativos.

Tati Delícias: Doces com afetividade

Doceiras da Tati Delícias são adeptas da cozinha artesanal.

Últimas Notícias

Empresa brasileira de produtos médico-hospitalares cresce 20% em 2021

Faturamento foi de R$ 28 milhões.

Brasileiro buscou mais crédito para compra de veículo

Veículos pesados e motos se destacam

Varejo, petrolíferas e bancos puxam Ibovespa

Siderúrgicas e Vale ficam na contramão do mercado

Uso de cheque cai ladeira abaixo

Avanço tecnológico mudou hábito arraigado da clientela

Covid-19 fecha 478 agências bancárias em SP

500 bancários foram confirmados com covid-19.