Gás com cheirinho de subsídios

Projeto da lei, que já é ruim, pode ficar pior.

O parágrafo 2º do artigo 5º da Lei de Murphy assegura que nada é tão ruim que não possa piorar. O projeto da nova Lei do Gás está aí para comprovar. Um lobby no Senado quer alterar o já ruim texto enviado pelo Governo Bolsonaro para inserir a criação de termelétricas para operar na base do sistema elétrico.

Traduzindo: hoje, as térmicas a gás são utilizadas como energia de reserva, só acionadas em caso de baixa produção das hidrelétricas e de outras fontes renováveis. E são assim pois poluem, usam um recurso que não é eterno e são mais caras.

Um especialista no setor bombardeia a proposta: “Mais um lobby específico que deixa os estados produtores de gás natural sem diferencial, viabilizando gasodutos de transporte antieconômicos para o interior. O projeto em tramitação já não é bom e com essa modificação no Senado ficaria pior. Além de forçar térmicas para base no interior, pode encarecer o mix de energia produzida no país. Lamentável!”

As indústrias, que acreditaram na conversa de que a Lei do Gás vai reduzir os preços, são contra a alteração. Avaliam que, para viabilizar a construção dessas térmicas sem interesse econômico, serão necessários subsídios para construção dos gasodutos.

O Novo Mercado de Gás (NMG) completou um ano em agosto. A face mais visível dele foi o Termo de Compromisso de Cessação de Prática (TCC) firmado pela Petrobras com o Cade. Com exigências inéditas, obrigava a estatal a alienar seus ativos de transporte e distribuição de gás natural. A ideia vendida pelo governo é que a estatal monopolizava o setor e com isso o gás era caro. Análise tão verdadeira como uma nota de R$ 2 transformada em uma de R$ 200 (têm o tamanho idêntico).

O monopólio sobre gás e petróleo acabou em 1995, início do primeiro Governo FHC. De lá para cá, a concorrência não se estabeleceu, por falta de interesse e de competência das empresas do setor. Quem garante o abastecimento continua sendo a Petrobras. E com preço justo, até o Governo Temer decidir adotar os preços internacionais.

Aí está a ilusão: quem entrar no mercado de gás vai trabalhar com os valores do mercado mundial. Isso é que tem deixado os preços dos combustíveis aqui elevados. Qualquer outra promessa vai desembocar na conhecida privatização dos lucros e socialização dos prejuízos.

 

Raio X da consultoria

Consultores têm a oportunidade de participar da pesquisa anual Perfil das Empresas de Consultoria no Brasil 2020. O levantamento, tendo à frente o consultor Luiz Affonso Romano, detalha o mercado, que tem crescido nos últimos anos e que mantém perspectivas otimistas para os próximos.

Diante de cenário ainda de retração econômica e instabilidade política, a demanda por serviços de consultoria tem ganhado um novo perfil, com ingresso de executivos em transição de carreira, aposentados e reformados militares com múltiplas experiências e de jovens num mundo sem emprego”, assevera Romano à coluna.

Ele lembra que as empresas de apenas um consultor representam 80% das consultorias no país e vê uma tendência crescente de formação de parcerias, trabalho home office e coworking, principalmente com o advento da pandemia. Para participar, o profissional deve acessar aqui.

 

Menos que assalariado

O Google faturou R$ 11,7 bilhões no Reino Unido em 2019 e pagou R$ 321 milhões (3%) em impostos. A Amazon, menos ainda: vendeu R$ 100 bilhões na terra da rainha e arcou com R$ 105 milhões (0,1%) em impostos. Alguém tem dúvidas de quanto esses gigantes pagam aqui no Brasil?

 

Rápidas

A Clínica São Vicente e a Oncologia D’Or realizam, em 17 e 24 de outubro, o seminário online “Cuidados da Paciente com Câncer de Mama”. Voltado para os profissionais de medicina, o seminário vai colocar em destaque a importância da integração multidisciplinar desde o diagnóstico até o pós-tratamento *** O dólar está caro, para nós, mas o U.S. Commercial Service quer aumentar as vendas online para brasileiros e realizará o webinar “Como fazer vendas internacionais para o Brasil”, em 28 de outubro *** O Instituto dos Advogados de São Paulo (Iasp) promoverá evento online sobre o “Estado Democrático de Direito e litigância estratégica”, sexta-feira, 17h, no YouTube.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Falta de servidores traz prejuízo, inclusive financeiro

Fila de segurados no INSS vai engrossar precatórios em R$ 11 bilhões.

Desmonte do Estado se dá pelas beiradas

Miçangas e espelhos empurram reformas administrativas nos municípios.

O que vale pros precatórios vale pra dívida interna?

Se calotes são defensáveis, poderiam ser estendidos para os títulos públicos.

Últimas Notícias

Distribuição comercial: quais cláusulas e condições mais importantes?

Por Marina Rossit Timm e Letícia Fontes Lage.

Mercado corre do risco em momento de estresse

Se tem uma coisa que o mercado é previsível é com relação ao seu comportamento em momentos de estresse é aversão ao risco. “Nessa...

Petrobras: mais prazo de inscrição no novo Marco Legal das Startups

Interessados em participar do primeiro edital da Petrobras baseado no novo Marco Legal das Startups (MSL) poderão inscrever-se até o dia 12 de dezembro....

Canal oficial para investidor pessoa física na B3

A partir desta sexta-feira, a nova área logada do investidor da B3, lançada em junho, passa a ser o canal que centraliza todas as...

Fitch Ratings atualiza metodologia de Rating de Seguros

A Fitch Ratings, agência de classificação de risco, publicou nesta sexta-feira relatório de atualização de sua Metodologia de Rating de Seguros. Segundo a agência,...