Gasolina abre ano acima do valor registrado em todos os meses de 2020

Combustível está 19,5% acima da média do mês com preços mais baixos do ano passado.

De acordo com o Índice de Preços Ticket Log (IPTL), a gasolina nos primeiros dias de janeiro é comercializada ao preço médio de R$ 4,786 nos postos brasileiros. O valor é 1,92% mais caro que a média por litro no fechamento de dezembro e está acima do registrado em todo o ano passado. No feriado de Ano Novo, dois dos primeiros dias de 2021 registraram preços acima da média do mês até agora, de R$ 4,787.

Na comparação com a primeira quinzena de dezembro, a gasolina teve um aumento de 2,18% em um mês. Desde maio, quando o combustível teve o seu menor preço em 2020, o acréscimo é de 19,5% na média nacional.

Mesmo com o avanço do preço, a gasolina segue compensando mais que o etanol na relação 70/30 em 20 estados. Nas regiões Nordeste e Sul, o combustível é unânime na comparação.

“O litro da gasolina é 6% mais barato na Região Sul do que na Região Nordeste. Ainda assim, todos os estados em ambas as regiões têm o combustível com vantagem em relação ao etanol. O IPTL deste mês, no entanto, nos mostra que a gasolina teve aumento em todos os estados”, pontua Douglas Pina, Head de Mercado Urbano da Edenred Brasil.

Tanto a gasolina mais cara como a mais barata foram registradas na Região Norte em janeiro. No Amapá, onde tem o menor preço, o combustível é comercializado à média de R$ 4,243. No Acre, estado mais caro, a média é de R$ 5,207. Apenas o Rio de Janeiro também registra valores acima de R$ 5. No estado, o litro está cotado a R$ 5,093. O maior aumento foi registrado no Amazonas, onde o preço da gasolina cresceu 4,43% em relação a dezembro e é comercializado a R$ 4,530.

Na comparação com as outras regiões, o Nordeste tem a gasolina mais cara, com média de R$ 4,846, um aumento de 1,79% em relação a dezembro. Na Região Sul, que tem o menor preço, o aumento foi de 2,08%, e a média de preço está em R$ 4,574.

A Petrobras reajustou o preço médio do litro da gasolina vendida nas refinarias em R$ 0,15. O novo valor será de R$ 1,98 para as revendedoras e entrará em vigência a partir de hoje. O preço final aos motoristas dependerá de cada posto de combustíveis, que tem suas próprias margens de lucro, além do pagamento de impostos e custos com mão de obra.

De acordo com Deyvid Bacelar, coordenador geral da FUP, o reajuste ocorreu depois que o mercado privado pressionou a Petrobras a subir ainda mais o preço para viabilizar a privatização do Brasil. Na última semana, a Associação Brasileira de Importadores de Combustíveis (Abicom) recorreu ao órgão de defesa da concorrência contra a Petrobras. A entidade protocolou ofício na sexta-feira no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e na Agência Nacional do Petróleo (ANP) contra a estatal. O motivo da representação é que os importadores avaliam que a Petrobras está vendendo diesel e gasolina às refinarias no Brasil com preços abaixo das cotações no mercado internacional, o que afeta a concorrência. No ofício, a Abicom pediu para que sejam feitas análise dos valores praticados pela petroleira.

“Essa é uma amostra do que acontecerá com o país caso a privatização avance: sem compromisso com a responsabilidade social, apenas com o lucro. Ou seja, com a privatização a tendência é que o preço dos derivados aumente ainda mais. O projeto de petróleo que o país está seguindo é o de submissão ao mercado internacional, sem o mínimo debate sobre os interesses externos”, afirmou Bacelar.

Segundo avaliação do Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (Ineep), os aumentos estão refletindo a alta do preço do barril de petróleo. Porém, é fato que a Petrobras tem adotado periodicidades diferentes para ajustar gasolina, gás e diesel. Os ajustes do diesel estão mais lentos que os da gasolina, o que pode sinalizar preocupação da Petrobras com os caminhoneiros, que ameaçam greve nacional.

Leia mais

Passagem aérea, gasolina e alimentação em casa pressionam IPCA

Gasolina sobe 17% desde maio e fecha ano em patamar de pré-pandemia

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Fed lista prós e contras da moeda digital do Banco Central

Meio de pagamento seguro para empresas e famílias, mas pode representar ameaça à estabilidade financeira.

Criptomoedas derretem; para FMI, ameaça à estabilidade financeira

Bitcoin negociado abaixo de US$ 40 mil; após pandemia, criptos acompanham movimento de ações.

Consultoria em que Moro trabalhou ganhou 75% com empresas da Lava Jato

Segundo revista, Alvarez & Marsal faturou R$ 42,5 milhões com honorários de companhias investigadas.

Últimas Notícias

Electrolux lança desafio para arquitetos e designers de interiores

A Archademy, primeiro Market Network de Arquitetura e Design de Interiores do Brasil, abre inscrições para a edição do seu Archathon Electrolux 2022. O...

Gestão do Hopi Hari ganha na justiça e se mantém no parque

A gestão do Parque Temático Parque Hopi Hari acaba de obter decisão favorável, proferida pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, para...

Bancos chineses registram compra líquida de divisas em 2021

Os bancos chineses registraram uma compra líquida de divisas em 2021, pois a taxa de câmbio do iuan permaneceu geralmente estável e os fluxos...

RNI: Plano de negócio tem o melhor resultado dos últimos 7 anos

Prévia do 4T21 da construtora e incorporadora RNI, do grupo Empresas Rodobens, indica resultados superiores aos últimos sete anos. A empresa, que completou 30...

Chile quer renacionalizar cobre e bens públicos estratégicos

A campanha pela renacionalização do cobre e dos bens públicos estratégicos entregues às transnacionais durante o governo de Augusto Pinochet (1973-1990) tem sido impulsionada...