Gasolina e etanol aumentaram mais de 2% em relação a março

Preço médio do diesel chega a quase R$ 7 na primeira quinzena de abril; altas chegaram a 5,40%, a exemplo da Região Sul.

De acordo com o Índice de Preços Ticket Log (IPTL), referente a primeira quinzena de abril, o preço médio do litro da gasolina e do etanol nos postos brasileiros subiu mais de 2% em relação ao fechamento de março. A gasolina foi comercializada a R$ 7,477, uma alta de 2,10% em relação ao mês anterior. Já o etanol, que em março estava custando em média R$ 5,687, apresenta variação maior que a gasolina (2,90%) e já está em R$ 5,852.

Nenhuma das regiões do país apresentou recuo no preço médio da gasolina e, mesmo registrando o menor aumento (1,72%), o Nordeste novamente comercializou a gasolina mais cara do Brasil, a R$ 7,589. Bem como no mês de março, o Sul segue na liderança da gasolina mais barata, vendida a R$ 7,104, alta de 2,51% em relação ao mês passado.

Assim como para a gasolina, o preço do etanol não recuou em nenhum estado. A região que apresentou o valor médio mais caro no período foi o Norte (R$ 6,147). Em contrapartida, os postos nortistas registraram o menor aumento entre as cinco regiões (1,49%). Já os postos do Centro-Oeste apresentaram o menor preço médio para o litro do etanol, vendido a R$ 5,451, alta de 3,41% se comparado a março.

Na análise por estados, o Piauí se destacou com o maior preço médio e também o maior acréscimo no preço da gasolina, (4,07%), que passou de R$ 7,832 para R$ 8,151. Após altas consecutivas, o valor da gasolina nos postos baianos recuou 2,65%, e o valor de R$ 7,560 passou para R$ 7,360. O menor preço médio para esse combustível foi comercializado nos postos do Amapá, a R$ 6,918.

O etanol também seguiu em alta nos estados e nenhum apresentou redução no valor do combustível. O maior acréscimo no preço foi registrado em Sergipe, comercializado a R$ 6,173, uma alta de 6,87%. O Pará comercializou o etanol pelo maior preço médio, a R$ 6,677, e a menor média foi registrada nos postos de abastecimento de São Paulo, a R$ 4,894.

Ainda de acordo com a Ticket Log, referente à primeira quinzena de abril, o preço médio do litro do diesel aumentou mais de 3% se comparado ao fechamento de março. O tipo comum fechou o período a R$ 6,864, alta de 3,96% em relação ao mês anterior, que estava em R$ 6,603. Já o tipo S-10, aumentou 3,62% e fechou a R$ 6,984.

O diesel ficou mais caro nos postos de abastecimento de todas as cinco regiões brasileiras e o Sul registrou a maior alta no tipo comum, de 5,40%, e o valor passou de R$ 6,152 no fechamento do mês anterior, para R$ 6,484 na primeira quinzena de abril. O maior acréscimo para o tipo S-10 foi registrado no Nordeste (4,32%), com o valor de R$ 6,762 passando para R$ 7,054.

O maior preço médio para os dois tipos de diesel foi registrado nos postos da Região Norte, a R$ 7,094 o comum, alta de 3,10%, e a R$ 7,221 o tipo S-10, com acréscimo de 2,88% no preço. Já a Região Sul ficou com as menores médias: R$ 6,484 o comum e R$ 6,549 o S-10.

Na análise por estado, Sergipe se destacou com o maior aumento no valor do diesel comum, de 6,67%, que passou de R$ 6,883 para R$ 7,342. Já o maior acréscimo para o tipo S-10 foi registrado nos postos de combustíveis da Paraíba (7,04%), onde o valor de R$ 6,494 passou para R$ 6,951.

O recuo no valor dos dois tipos de diesel foi pequeno e registrado apenas na Bahia, que registrou redução de 0,13% no tipo comum, passando de R$ 6,759 para R$ 6,750; e no Amazonas, que apresentou baixa de 0,10% no tipo S-10 e o valor passou de R$ 6,679 para R$ 6,672.

As maiores médias entre todos os estados para os dois tipos de diesel foram identificadas no Acre, a R$ 7,621 o tipo comum e R$ 7,561 o tipo S-10, com altas de 6,35% e 2,05%, respectivamente. Já o menor preço médio, também para os dois tipos, foi registrado nas bombas de abastecimento do Rio Grande do Sul, a R$ 6,439 o tipo comum e R$ 6,515 o S-10, mesmo com acréscimos de 5,87% e 5,83% respectivamente.

Leia também:

Gasolina chega a R$ 7,498, o maior preço já registrado

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Baixas temperaturas e geadas trazem prejuízos a agricultores

Balança comercial do agro, entretanto, apresentou superávit de US$ 43,7 bilhões no acumulado do ano, de janeiro a abril.

OIT: crises geraram déficit de 112 milhões de empregos no mundo

Guy Ryder: 'efeitos sobre os trabalhadores e suas famílias, particularmente nos países em desenvolvimento, serão devastadores.'

Últimas Notícias

Três perguntas: NFTs de coleção

Por Jorge Priori.

Por que mexer no ICMS e manter dividendos elevados?

Acionistas ganham em dividendos tanto quanto toda a população perderia com corte no imposto.

Rio, petróleo e prosperidade

Por Ranulfo Vidigal.

Baixas temperaturas e geadas trazem prejuízos a agricultores

Balança comercial do agro, entretanto, apresentou superávit de US$ 43,7 bilhões no acumulado do ano, de janeiro a abril.