Gastança

As privatizações já consumiram R$ 87 bilhões do governo no processo de saneamento das estatais, contra apenas R$ 82,5 bilhões recolhidos aos cofres públicos pela venda das empresas. Os dados constam do livro Brasil privatizado (Editora Fundação Perseu Abramo), do jornalista Aloysio Biondi, que faz questão de esclarecer que o levantamento é parcial. Ou seja, o prejuízo da “viúva” pode ser ainda maior.

FH no palco
Com direito a esquetes de um grupo de teatro ironizando os últimos escândalos do governo, bancários, dirigentes sindicais e políticos da oposição vão coletar hoje assinaturas para pressionar o Congresso a aceitar o pedido de impeachment do presidente FH. Os manifestantes, que  se reúnem, às 12h, na esquina das Ruas do Ouvidor e Miguel Couto, no Centro do Rio, apostam na voz rouca das ruas, já manifestada nas pesquisas de opinião, para baterem o número de 2.200 assinaturas coletada na rodoviária de Brasília.

Vocação desperdiçada
Bussunda deve estar preocupado. O presidente do IBGE, Sérgio Besserman, declarou que os resultados da primeira pesquisa do instituto sobre a economia informal urbana, mostrando que o setor informal movimentava, em outubro/97, R$ 12,890 bilhões (8% do Produto Interno Bruto), “acaba com o mito” de que a economia informal gera outro PIB do mesmo tamanho ou maior que o oficial. Besserman é irmão do humorista do Casseta e Planeta.
Ah, bom!
Com menos vocação humorística que Besserman, a chefe do Departamento de Emprego e Rendimento do IBGE, Angela Jorge, esclarece, porém, que o estudo não computou “a economia submersa, o comércio ilegal e criminoso, o tráfico ou a sonegação de grandes empresas e também os serviços domésticos”. Ou seja, estragou a piada

A verdade está lá fora

Os funcionários da AT&T parecem animados com a onda de fusões e aquisições capitaneada pela companhia. Tem circulado pela Internet um correio eletrônico atribuído aos empregados da empresa com a notícia de que a AT&T vai adquirir a Nasa por exatos US$ 100 bilhões. O título do e-mail é “AT&T assina contrato para adquirir a Nasa – Ações da TCI devem se valorizar”. No texto, afirma-se que a AT&T vai usar o conhecimento da agência espacial norte-americana para levar suas redes aos limites do sistema solar, estendendo cabos desde Cabo Canaveral até Marte. No final, lamenta-se que o departamento de marketing da AT&T poderá ter dificuldades para vender os serviços de cabo da TCI fora da Terra, já que ainda não se provou a existência de vida nos planetas vizinhos…

Petrofóbico
O ministro do Orçamento, Pedro Parente, que, apesar de não ser do ramo, tem assento no conselho da Petrobras, resolveu intervir em decisões estratégicas da empresa. Segundo o burocrata, que na intimidade palaciana era tratado por forma mais carinhosa pelo ex-ministro Luiz Carlos Mendonça de Barros, a participação da Petrobras nas licitações dos 27 blocos das oito bacias sedimentares – descobertas pela própria estatal – somente será ilimitada se houver parcerias com as multis do setor. E, mesmo assim, se ela tiver participação societária inferior a 50%. Ou seja, à empresa brasileira caberia entrar com a tecnologia e parte do dinheiro, para as preferidas de Parente fazerem a festa.

De joelhos
A aceitação passiva pelo Itamaraty e pelo Instituto Brasileiro de Siderurgia (IBS) da decisão de reduzir em 26,2% as exportações de laminados a quente para os Estados Unidos é uma daquelas decisões que separa uma nação soberana de uma república de bananas. Pior, porém, que a submissão é vender a idéia de que os EUA recuaram da taxação ao nosso aço, quando, na verdade, garantiram o protecionismo que desejavam para suas ineficientes empresas.

Retorno
Quem tem dinheiro em conta corrente ou na poupança e  quiser fugir da mordida de 0,38% é bom se apressar nas sua movimentações. A partir da próxima quinta-feira, está de volta a cobrança da CPMF, que substituirá o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), do qual hoje estão isentas aquelas duas operações.

Agressão
A Associação Nacional de Jornais (ANJ) divulgou nota de protesto contra as agressões praticadas pelo soldado da Polícia Militar Carlos Alberto Pires da Silva contra a jornalista Tânia Martins e o repórter-fotográfico Paulo Ricardo Rocha, profissionais do jornal Meio Norte, de Teresina (PI). No dia 31 de maio de 1999, os dois repórteres presenciaram e  fotografaram o militar praticando atitudes truculentas contra um menino de rua. O flagrante motivou o soldado PM Carlos Alberto da Silva a agressões verbais e físicas aos dois jornalistas. Segundo a nota, “o ocorrido torna-se superlativo não só por envolver um policial militar, cuja atitude deve ser investigada e punida com rigor, mas também porque os dois repórteres estavam no exercício profissional, que deve ser pleno e livre.”

Hood Robin
O jornalista Aloysio Biondi revela que todos os ágios pagos nos leilões foram integralmente abatidos pelas empresas ao pagarem o Imposto de Renda. O mais espantoso nessa revelação é que o jornalista lembra que ela foi feita pelo próprio secretário da Receita Federal, Everardo Maciel, em seu depoimento à CPI dos Bancos.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorTendência
Próximo artigoPolítica inútil

Artigos Relacionados

Suíça é ponte para exportações à Rússia

Vendas do País que lava mais branco aos russos cresceram mais de 80% desde fevereiro.

Homens pintam melhor que mulheres?

Não, mas recebem 10 vezes mais por obra.

Rio tem opções de áreas para termelétricas

Estado tem as melhores características na Região Sudeste, diz Wagner Victer.

Últimas Notícias

BNDES: R$ 6,9 bi para construção da linha 6 do metrô de SP

Total previsto de R$ 17 bilhões financiados por um consórcio de 11 bancos

Área de oncologia movimenta R$ 50 bilhões no Brasil

Cerca de 625 mil novos casos de câncer são diagnosticados por ano

Títulos públicos prefixados: maiores rentabilidades de julho

Destaque ficou com os prefixados de vencimentos mais longos, representados pelo IRF-M1+

Economia prepara projeto para abrir fundos de pensão ao mercado

Em jogo, patrimônio de R$ 1 trilhão acumulado pelos fundos fechados de previdência.