Gibraltar – Último símbolo do domínio dos mares pela Inglaterra

Durante quase 300 anos o poder marítimo da Inglaterra dominou os mares do planeta. No seu apogeu, no século XIX, na era vitoriana, costumava-se dizer que “o Sol nunca se punha nas terras da Coroa britânica”.
Após a 1ª Grande Guerra (1914/1918) iniciou-se o processo de descolonização que adquiriu maior impulso depois da 2ª Guerra Mundial, e os impérios coloniais se desmoronaram.
Do que restava, hoje, do poder marítimo da antiga famosa “Royal Navy”, sobrevivia a fortaleza de Gibraltar, importante posição estratégica na entrada do mar Mediterrâneo e na sua saída para o Atlântico.
Situada no extremo sul da Espanha; no apertado estreito marginado pelos rochedos do promontório de Gibraltar e da região marroquina de Ceuta, a região da famosa passagem marítima tem vivido, historicamente, importante papel estratégico, não apenas de ligação oceânica, mas também de via mais curta e fácil das invasões terrestres de guerreiros europeus e norte africanos.
Chamados de “Colunas de Hércules” pelos romanos, os rochedos de Gibraltar viram desembarcar, no ano de 711, a expedição dos guerreiros bérberes chefiados por Tarik Ibn Said, que deu início à invasão da Península Ibérica pelos muçulmanos, que aí instalaram o império árabe que se estendeu por Granada, Sevilha, Córdoba e aí permaneceu durante vários séculos.
Em 1462, após longo período de lutas, a Espanha, afinal, expulsou os árabes e ocupou a fortaleza de Gibraltar. Em 1704, os ingleses derrotaram os espanhóis e conquistaram a fortaleza, cuja posse lhes foi assegurada pelo Tratado de Utrecht (1713).
Desde então, com o crescimento do poderio naval inglês, Gibraltar (cujo nome é uma corruptela do guerreiro bérbere Geb-al Tarik), manteve-se como inestimável baluarte do poder britânico, apesar da constante reivindicação territorial do governo espanhol. A Espanha sempre considerou este rochedo estratégico, área de pequena dimensão, um apêndice de seu território, usurpado pela Inglaterra.
Não foi sem surpresa para muitos que, recentemente, o secretário da Coroa inglesa manifestou à Câmara dos Comuns a intenção do governo trabalhista do primeiro-ministro Tony Blair de abrir negociação com Madri, a fim de estabelecer uma administração de condomínio para a fortaleza e suas instalações de base naval, submetendo, antes, esta questão a um plebiscito de seus cerca de 30 mil habitantes civis, a maioria de nacionalidade espanhola.
Assim, uma velha reivindicação territorial da Espanha parece prestes a se concretizar e a Inglaterra perde a sua soberania sobre, talvez, o mais importante baluarte do seu passado de maior potência naval.

Carlos de Meira Mattos
General reformado do Exército e conselheiro da Escola Superior de Guerra (ESG).

Artigos Relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Conselheiro de Bolsonaro elogia Suécia sem lockdown

No seu depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia, nesta terça-feira, o deputado federal Osmar Terra (MDB-RS), ao justificar ser contrário a...

Queda do bitcoin era um movimento esperado

A criptomoeda bitcoin teve uma queda abrupta e se aproximou de US$ 34 mil nesta terça-feira, pela primeira vez em cinco meses. O recuo...

MG lança consulta pública para concessão de rodovias

Minas Gerais, por meio da Secretaria de Estado de Infraestrutura e Mobilidade (Seinfra), abriu consulta pública para o processo de concessão dos dois primeiros...

Copom: ‘Retomada robusta da atividade’ no segundo semestre

Uma semana após a última reunião do Comitê de Política Econômica (Copom) que aumentou a taxa básica de juros, a Selic, em 0,75 ponto...

Urna eletrônica: TSE é acusado de ignorar a ciência

Ausência de um representante do Tribunal ao debate irritou deputados.