Glifosato: consulta pública da Anvisa sobre o ‘veneno’ manipula dados

​​​​​​​Liberação de novos agrotóxicos para a agricultura atinge níveis preocupantes no governo Bolsonaro.

Documento afirma, por exemplo, que apenas 0,03% da água potável apresenta resíduo de glifosato acima do limite permitido, porém esconde que o limite no Brasil é cinco mil vezes superior ao da União Europeia

Larissa Mies Bombardi, pesquisadora do Departamento de Geografia da Universidade de São Paulo (USP) e autora do Atlas Geografia do Uso de Agrotóxicos no Brasil e Conexões com a União Europeia informa que a consulta pública aberta pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para reavaliação do uso de glifosato no Brasil, o agrotóxico mais utilizado no país, contém informações que podem confundir a população sobre o assunto.

De acordo com a pesquisadora, o documento que acompanha a consulta pública, intitulado “Apresentação sobre o glifosato”, é uma “clara tentativa de manipular a opinião pública sobre o que é o glifosato”, afirmou Larissa Bombardi em entrevista à Rádio Brasil Atual.

Larissa Bombardi explica que o documento apresenta a avaliação do resíduo de glifosato na água potável e em alguns alimentos. No caso da água para consumo humano, de acordo com a Anvisa, há apenas 0,03% de glifosato acima do limite permitido. “Quando a gente olha isso, dá uma certa tranquilidade, mas o que não aparece no documento é que os limites no Brasil são cinco mil vezes maiores do que os limites permitidos na União Europeia”, afirma.

A pesquisadora alerta ainda para outro dado apresentado pela Anvisa, o qual mostra que 27% da água coletada para a análise teve resíduo de glifosato. “A gente estabelece no Brasil um limite que é uma exorbitância, de 0,5 mg de glifosato por litro, enquanto na Europa o limite é de 0,0001 mg por litro, e depois se ‘comemora' que só tem 0,03% acima do limite”, criticou. “É o famoso ‘me engana que eu gosto’. O Brasil estipula um limite absurdo e depois comemora que pouco está acima do limite.”

Segundo Larissa Bombardi, a maneira como a Anvisa está apresentando as informações na consulta pública é uma “obscenidade”. No Brasil, o uso do glifosato é permitido nos cultivos de algodão, ameixa, arroz, banana, cacau, café, cana, citros, coco, eucalipto, fumo, maça, mamão, milho, pera, pêssego, trigo, uva, soja e na criação de patos. No caso da soja, o limite de resíduo de glifosato permitido é 200 vezes maior do que o estabelecido na Europa.

E quando a Anvisa escolhe mostrar no documento o resíduo de glifosato nos alimentos, estranhamente escolhe o arroz, manga e uva. Por que não escolheu a soja e o milho, que são cultivos transgênicos? Temos no Brasil uma área equivalente a quatro vezes o tamanho de Portugal só de soja transgênica. O cultivo transgênico está pronto pra receber o herbicida. É evidente que na manga e na uva o resíduo vai ser de forma muito mais periférica.”

Epidemia de doenças

A liberação de novos agrotóxicos para a agricultura está atingindo níveis preocupantes no governo de Jair Bolsonaro (PSL), segundo especialistas. Só entre janeiro e fevereiro deste ano, 58 tipos de venenos foram registrados e formalizados no Diário Oficial da União. A situação preocupa entidades que lutam contra o uso de agrotóxicos, pelo potencial risco à saúde que esse tipo de substância pode causar.

De acordo com dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), dos 58 produtos aprovados, 21 dessas substâncias são consideradas extremamente tóxicas, 11 altamente tóxicas, 19 de média toxicidade e 7 pouco tóxicas. Já em relação ao perigo ao meio ambiente, uma é classificada como altamente perigosa, enquanto que 31 substâncias foram consideradas muito perigosas, 24 como perigosas e apenas duas como pouco perigosas.

Para o Seu Jornal, da TVT, o Mapa afirma que a liberação de novos registros não implica em maior uso desses venenos. O argumento, no entanto, é rebatido por entidades.

Você está incentivando que aquelas culturas que não usavam um produto, passem a usar. Então, isso (argumento) não é verdade. A gente sabe que quanto mais empresas autorizadas a fabricar agrotóxicos, mas terão agrotóxicos no mercado e maior será o lobby delas para que esses produtos sejam usados”, contesta a integrante da Campanha Contra Agrotóxicos pela Vida Susana Prizendt.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Governo complica quem precisa de dinheiro

“Meu governo não tem aumento de imposto. Reforma sim, sem aumento de imposto”. A afirmação foi feita há menos de 3 meses pelo presidente,...

Renda dos autônomos é apenas 76% da habitual

Houve queda de 6,6% no segundo trimestre.

Para Febraban, aumento do IOF dificulta recuperação da economia

Publicado no DOU aumento do IOF; novas alíquotas serão aplicadas de 20 de setembro a 31 de dezembro.

Últimas Notícias

Hospital Icaraí prepara expansão com mais de 130 leitos de internação

Objetivo das reformas é melhorar ainda mais a agilidade de exames e o atendimento dos pacientes.

Ansiedade: distúrbio tão pandêmico quanto o coronavírus

Remédios produzidos à base de cannabis têm se mostrado uma alternativa viável e mais eficiente.

Investimento direto da China no exterior cai 4,3% em oito meses

O investimento direto no exterior (ODI, na sigla em inglês) não financeiro da China atingiu 459,71 bilhões de iuanes nos primeiros oito meses do...

CVM quer dispensar registro para investidor não residente

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) colocou em audiência pública esta semana uma proposta de alteração da Resolução CVM 13, que reúne as regras...

Ratings de empresas de saneamento não sofrerão impactos imediatos

A crise hídrica no Brasil terá reflexos em diversos segmentos da sociedade. Mas os ratings das empresas brasileiras de saneamento básico avaliadas pela agência de classificação...