Gosto de levar vantagem em tudo, certo?

As delações premiadas têm um papel central na Operação Lava Jato e filiais. Mas de há muito que, noves fora a pressão (via cadeia) para que os delatores abram o bico – algo que já foi comparado a uma forma de tortura – há muitas críticas à vida fácil que ganham os delatores. Prisões domiciliares em imóveis de luxo, sem controle de eventuais escapadas; continuidade de uma vida sem problemas de dinheiro; e até comissão de 2% sobre cada centavo recuperado, caso do doleiro Alberto Youssef.

As críticas cresceram com a delação de Joesley Batista e família, com potencial para derrubar o presidente e contaminar os dois antecessores. As acusações do empresário atingem funcionários e dirigentes do BNDES, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, dirigentes do Banco Central, além de políticos – presos ou não. Mas, se não poupa ninguém, a família Batista é econômica na autocrítica. Em nota, a JBS se limita a pedir desculpas e jogar no mercado futuro, afirmando que será “intolerante com a corrupção”.

Diz ainda a nota da JBS: “Não honramos nossos valores quando tivemos que interagir, em diversos momentos, com o Poder Público brasileiro. E não nos orgulhamos disso.” Será que haveria motivo de orgulho? E justifica, assumindo o papel de vítima: “Nosso espírito empreendedor e a imensa vontade de realizar, quando deparados com um sistema brasileiro que muitas vezes cria dificuldades para vender facilidades, nos levaram a optar por pagamentos indevidos a agentes públicos.” Propina, suborno, seriam palavras mais adequadas. E pensar que milhares de empresários sofrem para manter as contas em dia, mas se recusam a “fazer pagamentos indevidos”.

O fato é que tal modus operandi transformou a família em uma das mais ricas do Brasil – agora, de mudança, autorizada, para os Estados Unidos. Deixá-los livres é mais que prêmio, é garantia de impunidade que contamina a sociedade brasileira. Afinal, fica a impressão de que transgredir a lei pode, desde que se guarde provas para uma delação. Mas há uma instituição que entrou em campo timidamente, mas pode mudar o quadro: a Receita Federal. Afinal, os milhões que esta e outras empresas jogaram no caixa 2 significaram abatimento de impostos. Que devem ser cobrados (sem Refis nestes casos, por favor). Tal qual Al Capone, o Leão pode ser a esperança para fim da impunidade.

 

E o vencedor é…

Amigo da coluna corrobora a crítica acima e só vê um vencedor no escândalo que detonou o Governo Temer (e terminou de apagar o Aécio, de quebra): a família dos irmãos Batista, donos da JBS. “Com o risco de levar o Brasil à ruína, parece que estão ganhando centenas de milhões de dólares e vão sair com a barra limpa, com uma imensa fortuna nas mãos nos Estados Unidos, e sem ônus com a Justiça brasileira”.

Conclui: “Não duvide, ainda podem colocar um ex-empregado (Meirelles) na Presidência da República…”

 

Fora, Temer

A Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco) e outras entidades da área defendem que a cidadania tem uma tarefa clara: “A de agora é ‘Fora, Temer’ e eleições diretas e gerais!”

 

Fica, Temer

Já há gente de esquerda, desconfiada dos interesses da mídia, Globo à frente, defendendo a permanência do pato manco. Assim, as “reformas” que transitam no Congresso seriam paralisadas.

 

Patos recolhidos

Os movimentos que apoiaram o golpe contra Dilma Rousseff ensaiaram uma saída às ruas contra Michel Temer, mas decidiram recuar.

 

Rápidas

O Museu de Astronomia e Ciências Afins, no Rio de Janeiro, será palco de mais de 50 ações promovidas por entidades vinculadas ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações durante a nona edição do Turismo Cultural no Bairro Imperial de São Cristóvão, neste final de semana *** Como se adaptar e sobreviver às tendências que estão guiando o futuro, cada vez mais veloz? Essa e outras questões serão debatidas nesta segunda-feira, na 12ª edição do Congresso da Micro e Pequena Indústria, realizado pela Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp). O evento acontece das 8h30 às 18h, no Hotel Renaissance, na capital paulista *** A diretora da Regional Rio de Janeiro e Espírito Santo da SulAmérica, Solange Zaquem, é uma das novas integrantes da diretoria da Câmara de Comércio Americana do Rio de Janeiro (AmCham-Rio) *** A Associação Brasileira das Indústrias e do Setor de Sorvetes (Abis) realizará o 1° Congresso Latino-Americano de Sorvetes – Helados (Clash 2017). O evento será parte da programação da Fispal Sorvetes, 7 e 8 de junho, a partir das 8h, no Centro de Convenções do Expo Center Norte, em São Paulo (SP) *** A Marinha abriu concurso de nível superior para 12 vagas nas áreas de Contabilidade, Administração e Economia. Até o dia 29 de maio, estão abertas inscrições também para o Quadro Técnico do Corpo Auxiliar da Marinha, com 29 vagas. Detalhes de ambos em ingressonamarinha.mar.mil.br *** O Ibef-Rio completou 46 anos nesta sexta-feira.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Inflação e PIB expõem falácia do Teto dos Gastos

‘Faz sentido?’, pergunta Paulo Rabello. ‘Claro que não’.

Mirem-se nos exemplos da Shell e da Exxon

Petrobras é fundamental para o desenvolvimento brasileiro.

Governo pode – e deve – controlar progresso tecnológico

Tecnologias transformadoras do século 20 não teriam sido possíveis sem liderança do Estado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

MPEs veem oportunidades geradas pela crise

Principal mudança foi alocação de recursos para trabalhar e atender remoto, seguida por investimentos em tecnologia para vendas não presenciais.

Mudança de sinais

Terça começou tensa para os mercados de risco no mundo; hoje, a expectativa para o dia é de Bovespa seguindo em recuperação.

Quatro conselheiros da Petrobras decidem deixar o cargo

Eles são representantes da União no Conselho da empresa, petrolífera divulgou nota ontem à noite.

Biden quer estados priorizando vacinação de professores

Presidente americano pediu que educadores recebam pelo menos uma dose de vacina.

PEC fiscal e lockdown ficam no radar em dia de PIB

Em Nova Iorque, as pressões dos treasuries e a queda das companhias de tecnologia tiveram forte impacto nas Bolsas.