Governador inclui visitas à Alerj na sua rotina

Tramita processo de impeachment contra Witzel, que procura recompor suas bases.

Decisões Econômicas / 17:41 - 9 de jul de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O governador Wilson Witzel tem frequentado mais a Assembleia Legislativa (Alerj) nos últimos dias. Chega cedo, quando ainda não há a presença de jornalistas, com poucos seguranças e nenhum assessor, e tenta sair da forma mais discreta possível. Tramita na Alerj um processo de impeachment contra o governador, que procura recompor suas bases para ter mais chances de barrar a proposta.

 

Eleições: chance para quem não deixou cargo

Como o cenário político muda a cada dia, há um grupo de políticos arrependido por não ter deixado o cargo mês passado, quando o prazo para isso se encerrou. Agora, com o adiamento das eleições de outubro para novembro, eles torcem para que o TSE abra uma nova janela para que possam disputar a eleição. Quem está de olho arregalado nisso é o secretário estadual de Agricultura, Marcelo Queiroz (PP). Cotado para ser candidato à vice de Crivella e Eduardo Paes, ele não deixou o cargo no prazo e, se não houver mudança no calendário, não nem vai precisar escolher um deles.

Rosane Felix

Mais tempo para internos maiores de idade

Tramita na Alerj, com parecer favorável da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) o projeto de lei da deputada Rosane Félix (PSD) para prorrogar a permanência de internos maiores de 18 anos, nas instituições de acolhimento de crianças e adolescentes, por até 180 dias após o término do decreto estadual de calamidade pública devido ao novo coronavírus. Pela legislação brasileira, ao completar a maioridade (18 anos), o jovem acolhido institucionalmente deve sair do abrigo. “Durante a pandemia da Covid-19 muitos jovens estão prestes a completar a maioridade e devem deixar as instituições, mas não há políticas públicas que auxiliem estes jovens no melhor enfrentamento desse momento de vida”, defende a deputada.

Waldeck Carneiro

Sem embutidos na merenda escolar

Projeto de lei do deputado Waldeck Carneiro (PT), em tramitação na Alerj, proíbe o governo do estado de incluir na merenda escolar alimentos embutidos como linguiça, salsicha, salame e mortadela, entre outros. O parlamentar argumenta que é preciso assegurar aos alunos uma alimentação mais saudável.

 

Combate à Covid-19 nas favelas

Com atraso, a Câmara Municipal do Rio aprovou programa emergencial de combate à pandemia da Covid-19 nas favelas, que estabelece a criação de um Comitê Gestor formado por representantes da prefeitura e da sociedade. O objetivo é garantir que moradores desses espaços tenham acesso a direitos básicos como: a coleta de lixo e limpeza e desinfecção de áreas de uso comum, a divulgação de informações sobre medidas de prevenção e o acesso à alimentação, serviços de saúde, saneamento básico e água. A proposta é assinada pelo vereador Reimont (PT) com a coautoria de outros oito vereadores.

 

Seguro para entregador por aplicativo

O vereador carioca Leonel Brizola (Psol) quer que as empresas de entrega por aplicativo sejam obrigadas a fornecer seguro de vida, contra acidentes e por doença contagiosa enquanto durar o período de emergência sanitária por causa da pandemia de coronavírus. Ele apresentou na Câmara do Rio projeto de lei nesse sentido. A proposta ainda não tem data para ir à votação em plenário.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor