Governadores cobram postura democrática de Bolsonaro

Documento critica presidente por tentar impor uma política tributária sem respeitar o pacto federativo.

Política / 22:43 - 17 de fev de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Um grupo de 20 dos 27 governadores, de 11 partidos, publicou uma carta, nesta segunda-feira, em que responde ao presidente Jair Bolsonaro por ultrapassar os “limites institucionais” e pede diálogo com o Governo Federal em torno de pautas de interesse da sociedade.

O documento do Fórum Nacional de Governadores critica a conduta de Bolsonaro por hostilizar o governador da Bahia, Rui Costa (PT), e por tentar impor uma política tributária sem respeitar o pacto federativo.

“Recentes declarações do presidente Jair Bolsonaro confrontando governadores, ora envolvendo a necessidade de reforma tributária, sem expressamente abordar o tema, mas apenas desafiando governadores a reduzir impostos vitais para a sobrevivência dos estados, ora se antecipando a investigações policiais para atribuir fatos graves à conduta das polícias e seus governadores, não contribuem para a evolução da democracia no Brasil”, diz o texto.

Os governadores repudiam também as declarações de Jair Bolsonaro feitas no último final de semana sobre a morte do ex-capitão do Bope do Rio de Janeiro Adriano da Nóbrega, acusando o governador da Bahia, Rui Costa, e seu partido, o PT, de terem executado o miliciano.

A iniciativa da elaboração da carta foi do governador Wilson Witzel (PSC), do Rio de Janeiro, e rapidamente encampada por João Doria PSDB, de São Paulo, dois ex-aliados e hoje adversários políticos de Bolsonaro. Em seguida, outros 18 governadores também se dispuseram a condenar os ataques do presidente. São eles: Gladson Cameli (Acre), Renan Filho (Alagoas), Waldez Góes (Amapá), Wilson Lima (Amazonas), Rui Costa (Bahia), Camilo Santana (Ceará), Ibaneis Rocha (Distrito Federal), Renato Casagrande (Espírito Santo), Flávio Dino (Maranhão), Reinaldo Azambuja (Mato Grosso do Sul), Romeu Zema (Minas Gerais), Helder Barbalho (Pará), João Azevêdo (Paraíba), Paulo Câmara (Pernambuco), Wellington Dias (Piauí), Fátima Bezerra (Rio Grande do Norte), Eduardo Leite (Rio Grande do Sul) e Belivaldo Chagas (Sergipe).

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor