Governança corporativa nas empresas familiares elevará o PIB

Responsáveis por 65% do PIB brasileiro, 75% da força de trabalho e 90% das cerca de 20 milhões de empresas do país (IBGE e Sebrae), as organizações familiares enfrentam inúmeros desafios que ameaçam sua longevidade. A maior parte deles poderia ser superado se não houvesse falta de governança corporativa. A ausência de controles de riscos, de planejamento sucessório, de tomadas de decisão com base em análise e não nos interesses pessoais ou familiares amplia as fragilidades e reduz a longevidade das empresas. Tanto que estatísticas dão conta que 70% destas organizações não sobrevivem à morte do fundador e apenas 5% chegam à terceira geração.

Os dados acima permitem uma conclusão: a estabilidade da economia e sustentabilidade do crescimento do PIB de longo prazo, não dependem somente do governo, mas da profissionalização da gestão das empresas familiares. Os voos de galinha podem estar relacionados não só à intervenção estatal e políticas econômicas equivocadas que geram a volatilidade do PIB como também à falta de capacidade das organizações em se manterem por por mais tempo no mercado.

É preciso lembrar como funciona o capital organizacional da economia. Existe um grupo de ativos intangíveis que norteia as relações de uma determinada empresa para com seus stakeholders ou agentes de relacionamento (internos e externos). Ao fechar as portas, a empresa leva consigo toda uma organização que envolve clientes, funcionários, fornecedores e a comunidade em torno desta organização. Isso simplesmente desaparece e preencher o vazio deixado é um processo lento.

Muito se fala da elevada carga tributária brasileira, corresponde a aproximadamente 35% do PIB. Inegavelmente este é um fardo que reduz a competitividade das companhias locais, mas também é uma realidade igual a todas. Diante deste cenário, fica a pergunta: se o ambiente é arisco e igual para todas, por que muitas empresas dão certo e o que leva a tantas outras a fecharem as portas? Neste sentido, há outro dado que se deve ter em mente: 15 empresas familiares brasileiras fazem parte da lista das 500 maiores empresas do mundo, de acordo com o ENEF – Encontro de Empresas Familiares.

A diferença está no DNA da organização. Ser familiar não significa estar isenta de uma gestão profissional. Pelo contrário, as práticas de governança se tornam ainda mais essenciais, abrangendo questões como o controle de risco, regras para solução de conflitos e planejamento sucessório.

É preciso observar que a governança corporativa em empresas de controle familiar não envolve apenas o âmbito da separação entre propriedade e gestão, mas também, o âmbito das relações entre família, patrimônio societário (propriedade) e empresa (gestão). Segundo levantamento do IBGC (Instituto Brasileiro de Governança Corporativa), realizado em 2019, 68,1% das empresas familiares têm mecanismos formais para garantir a separação entre o patrimônio da família e o da empresa. O percentual pode parecer elevado, mas se olharmos pelo outro lado, observamos que 31,9% das empresas ainda mesclam o dinheiro da família com dinheiro da empresa, o que é um erro crasso. Nesta pesquisa, o IBGC e a PWC ouviram 279 empresas brasileiras de controle familiar de capital fechado.

Outro fator preocupante é que as questões nestas organizações se tornam mais complexas, pois os membros da família sobrepõem funções dentro da empresa e um dos principais conflitos está no não alinhamento entre os objetivos econômicos e objetivos da família. Segundo o levantamento do IBGC, em 82,1% dos entrevistados na pesquisa, o diretor-presidente é um membro da(s) família(s) controladora(s). Além disso, quase metade deles (46,3%) é da primeira geração. Em 41,6% das empresas, todos os diretores são membros da família.

Este é outro fator preocupante, pois uma empresa tipicamente familiar tem maior probabilidade de violar os elementos nos quais se pauta a tradicional governança corporativa e, neste caso, sua sobrevivência também é ameaçada, assim como parte do PIB se perde.

Para evitar conflitos como estes é preciso trazer uma visão externa, estabelecer regras e controles. Deve-se, simplesmente, virar a chave e pensar na longevidade da empresa, ao invés de buscar o controle absoluto. A governança corporativa é um processo, uma trilha de longo prazo. Não basta só adotar algumas medidas para facilitar o acesso ao crédito ou aumentar o valor da marca na famosa postura “para inglês ver”, como muitos se comportam por aí.

Tal como uma terapia, adotar a governança requer uma mudança de essência e o caminho é árduo. Ao mesmo tempo, a trilha garante a longevidade da companhia e a sustentabilidade econômica.

 

Marcos Rodrigues é sócio da MRD Consulting.

Leia mais:

Contra alguns mitos da ‘reforma administrativa’

Ideal do bem

Artigos Relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Jornalista agora pode ser MEI

Senado tentou incluir corretor de imóveis, publicitários e produtores culturais no projeto.

STF determina reintegração de excluídos do Bolsa Família

Ministro Marco Aurélio avaliou que Governo Federal estava descumprindo determinação.

Preços dos medicamentos voltam a subir em março

Segundo levantamento, resultado reflete agravamento da pandemia, colapso das unidades de saúde e depreciação cambial.

Planos devem autorizar exame de Covid de forma imediata

Antes da determinação da ANS, os planos podiam demorar até três dias úteis para garantir o atendimento ao pedido.

Cresce demanda árabe por café verde e solúvel do Brasil

No primeiro trimestre deste ano, país exportou 37% mais café à região; além dos grãos verdes, crus, países têm demandado mais produto solúvel.