Governo afronta decisão do PMDB nomeando Mauro Lopes, diz Temer

Política / 14:30 - 17 de mar de 2016

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O vice-presidente da República e presidente nacional do PMDB, Michel Temer, não compareceu hoje à cerimônia de posse coletiva no Palácio do Planalto, entre elas a do deputado federal peemedebista Mauro Lopes (MG) como novo ministro da Secretaria de Aviação Civil. "O vice-presidente não vai participar da cerimônia em Brasília porque o governo resolveu afrontar uma decisão da convenção nacional do PMDB nomeando Mauro Lopes", disse, em nota, a assessoria de imprensa de Temer. No sábado, a convenção do PMDB proibiu membros da sigla de assumir cargos no Governo Federal em um período de 30 dias. Ontem, Lopes disse que recebeu total apoio do partido para assumir a pasta e que a decisão não contraria a determinação da convenção do PMDB. Segundo o deputado, o convite já havia sido feito há cerca de um mês e teve apoio da maioria da bancada do PMDB na Câmara e dos seis ministros da sigla. - Fiquei até emocionado. Apareceram mais de 30 deputados me cumprimentando. Uma coisa impressionante - afirmou Lopes, logo após a confirmação de sua nomeação ontem. Mauro Lopes afirmou que conversou com a presidente Dilma Rousseff antes do anúncio de sua nomeação e que, na ocasião, ela o deixou à vontade e não fez nenhum tipo de apelo no sentido de que ele intercedesse para o partido se manter na base aliada. Segundo o novo ministro, Dilma lhe deu total liberdade para comandar a pasta. O novo ministro, que também ocupa a função de secretário-geral do PMDB, disse contar com bastante consideração da sua legenda e que mais de 90% do partido se manifestaram favoráveis à nomeação. - O PMDB me conhece, sabe da minha lealdade com o partido, sabe da minha honradez e que não pratiquei nenhum ato que viesse confrontar com a determinação, pois já fui convidado há mais de um mês. Tanto é que, quando quiseram fazer a posse imediata, pedi ao Jaques Wagner para que deixasse a posse para depois da convenção, pois, como secretário-geral, tinha como principal tarefa organizar a convenção - acrescentou. Apesar de ter aceitado o cargo, Lopes ainda terá de passar pela aprovação da Comissão de Ética do PMDB, que analisará, na sexta-feira, se ele desobedeceu ou não à determinação do partido. Procurada pela Agência Brasil, a Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República informou que ainda não tem posicionamento sobre as declarações de Temer. Maioria dos manifestantes se dispersa, mas tensão continua em frente ao Planalto Apesar de a maior parte dos manifestantes a favor e contrários ao governo terem se dispersado, integrantes dos dois grupos permanecem na Praça dos Três Poderes e o clima de tensão continua, com troca de ofensas de ambas as partes. A Polícia Militar desfez o cordão de isolamento que impedia que o grupo contrário ao governo se aproxima-se do Palácio do Planalto e pessoas vestidas de preto e verde e amarelo ficaram a poucos metros daqueles vestidos de vermelho, separados pela polícia. Membros do grupo contrário ao governo entraram no espelho d'água do anexo aos fundos do Congresso Nacional e também se aproximaram do Supremo Tribunal Federal. Em diversos momentos, membros de grupos antagônicos ficaram frente a frente, ameaçando se agredirem até que a polícia chegasse para intervir, inclusive com o uso de spray de pimenta e bombas de efeito moral. Pouco antes, o deputado Jair Bolsonaro circulou entre os manifestantes contrários ao governo e foi ovacionado, tirando várias selfies com os presentes. Em seguida, a suspensão da posse do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva por uma liminar expedida por um juiz do Distrito Federal foi comemorada. A Polícia Militar estimou que, o auge da manifestação contrária ao governo reuniu 3 mil pessoas, enquanto que o grupo favorável à presidente Dilma e à nomeação de Lula como ministro chegou a quase 1 mil. Mais cedo, no entanto, muitos manifestantes a favor do governo foram intimidados pelo grupo contrário ao tentar se aproximar pela via de acesso ao Palácio do Planalto. Um homem de vermelho chegou a ser agredido a socos e pontapés, tendo a camisa rasgada. Com informações da Agência Brasil

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor