Governo fomenta desemprego desviando recursos da indústria naval

Verba do Fundo de Marinha Mercante foi usada para amortizar dívida pública.

Enquanto os trabalhadores buscam um emprego – são 13,5 milhões de desocupados e 30,7 milhões que trabalham menos do que poderiam – o Governo Bolsonaro eliminou R$ 23,9 bilhões do superávit acumulado do Fundo de Marinha Mercante (FMM) para amortização da dívida pública, recursos que poderiam ser utilizados para a retomada da indústria naval.

A falta de política industrial – muitos citam desprezo do governo pelo setor, que só tem olhos para o agronegócio – se reflete na queda dos desembolsos feitos pelo FMM. Os financiamentos caíram de R$ 4,87 bilhões (2015) para R$ 354,5 milhões (2020); em 2021, apenas R$ 97 milhões foram gastos até agora.

Não é por falta de recursos, que aumentaram de R$ 3,8 bilhões em 2012 e para R$ 8,5 bilhões em 2020 e R$ 6,6 bilhões em 2021.

Em 2011, foram desembolsados 81% dos recursos recebidos. No ano seguinte, o percentual passou para 108,8% e atingiu 114,8% em 2013. De lá para cá, a fatia foi minguando: 89,6% (2014), 95,3% (2015), 49,2% (2016), 49,7% (2017), 34,4% (2018), 26,7% (2019), 4,5% (2020) e 1,46% (2021). Entre 2011 e 2021, o FMM recebeu R$ 61,4 bilhões e desembolsou R$ 30,4 bilhões. Foram 783 projetos contratados no período, 762 (97,3%) concluídos.

A retomada da indústria naval e da cadeia de fornecedores depende de políticas governamentais, como ocorre em todos os países que têm presença importante no segmento. Foi assim que o Brasil superou os 80 mil empregos diretos e entregou centenas de embarcações e plataformas nos primeiros 15 anos do século.

O apoio foi substituído por uma política de importação que mira apenas o preço, mas ignora os ganhos – ou, no caso, perdas – para a economia nacional. Uma plataforma comprada na Ásia pode custar até 30% menos que uma produzida no Brasil. Porém com os ganhos econômicos – empregos diretos e indiretos, movimentação da economia, redução de despesas sociais – o equipamento feito aqui fica entre 10% e 12% mais vantajoso.

Com o BR do Mar – projeto enviado pelo governo e aprovado no Senado – a situação pode piorar, com permissão para importação de navios já descartados por países mais desenvolvidos, verdadeiras sucatas marítimas.

Leia também:

PNAD: Informalidade cresce e segura o desemprego no 3º trimestre

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Vendas financiadas de veículos leves e pesados crescem pouco

Em relação a julho de 2021, no entanto, queda é de 18,8%

Medidas de estímulo aos campos de petróleo e gás na área do pós-sal

Esses campos vêm apresentando declínio constante

Peixes de cultivo: R$ 8 bi com a venda de 841 mil toneladas em 2021

Semana do Pescado 2022 vai movimentar o país em setembro

Últimas Notícias

Fiagros têm captação líquida satisfatória até junho

Esses fundos entraram em operação em agosto de 2021

Vendas financiadas de veículos leves e pesados crescem pouco

Em relação a julho de 2021, no entanto, queda é de 18,8%

Índices influenciaram o mercado nesta semana

Ibovespa encerrou nesta sexta-feira com alta de 2,33%

Petrobras informa sobre venda de direitos minerários de potássio

A Petrobras informa que iniciou a etapa de divulgação da oportunidade (teaser), referente à venda de seus direitos minerários para pesquisa e lavra de...

China aposta no controle da inflação este ano

BPC: condições favoráveis para manter os preços geralmente estáveis