27.6 C
Rio de Janeiro
terça-feira, janeiro 19, 2021

Governo atende menos de 10% da necessidade das micros

Empresários e parlamentares falaram língua diferente do governo durante a reunião online da comissão do Congresso Nacional que fiscaliza as ações de combate à crise decorrente da pandemia. O representante do Ministério da Economia, Carlos Costa, afirmou que o Programa Nacional de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Pronampe) está tendo um resultado “excepcional” desde segunda-feira.

A senadora Katia Abreu (PP-TO) discordou. Citando dados oficiais, ela pede que tanto o governo quanto o Parlamento repensem o que vem sendo feito até agora. “No Brasil há 7 milhões de micro e pequenas empresas, e nesta conta eu excluo os MEIs [microempreendedores individuais]. O Pronampe só chegou até agora a 18 mil empresas, ou seja, 0,25% do segmento”, afirmou, segundo a Agência Senado.

O presidente da Confederação Nacional das Micro e Pequenas Empresas e dos Empreendedores Individuas (Conampe), Ercílio Santinone, disse que cerca de 50% desse público não tem conta bancária em nome da entidade ou da empresa. “Eles trabalham com a sua conta bancária pessoal. E outros nem pessoalmente têm conta bancária porque, em função de qualquer contratempo, perderam o seu crédito, foram negativados e ficaram sem condições de operar qualquer atividade bancária.”

Carlos Costa garantiu que o Pronampe liberou mais de R$ 3 bilhões, 67% para microempresas e 33% para as pequenas. “O aumento no desembolso está sendo tão robusto, que nossa preocupação agora é que a linha de crédito de R$ 15,9 bilhões, que alavancam R$ 18 bilhões na ponta, deve acabar em breve.”

O senador Izalci Lucas (PSDB-DF) criticou as medidas. “O FGO [Fundo Garantidor de Operações] garante R$ 15 bilhões no âmbito do Pronampe, mas o fato é que precisa ser muito mais do que isso”, disse o senador. “Não adianta, os bancos não vão assumir qualquer risco nessas operações. Falemos francamente, se o fundo não chegar a uns R$ 200 bilhões, vai ter muita quebradeira.”

O senador Carlos Fávaro (PSD-MT) afirmou que 31% das micro e pequenas empresas no Mato Grosso hoje estão fechadas; 29,5% destas empresas já demitiram funcionários; e 44% deste segmento buscou crédito em instituições financeiras, mas 64% delas foram ignoradas.

Artigos Relacionados

Para 68% dos brasileiros, desigualdade de renda será maior em 2021

Para Receita, entretanto, existem medidas mais eficientes de justiça social e tributária do que Imposto sobre Grandes Fortunas.

Empregado que se recusar a tomar vacina pode levar justa causa

Para especialista, empresa pode demitir funcionário, por trazer riscos sanitários para colegas, mas recomenda tentar conversa antes de medidas definitivas.

Desemprego é recorde, mas empresas falam em dificuldade para contratar

Já o trabalho temporário alcançou mais de 2 milhões de vagas em 2020, alta de 34,8% ante 2019; indústria puxou 65% das contratações.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Exportações de suco de laranja recuam 23% entre julho e dezembro

Safra menor e estoques mais elevados estão entre as principais razões para a baixa.

Os desafios para Joe Biden nos EUA

Avanço da Covid-19 pode fazer com que democrata e equipe tenham que apagar alguns incêndios no começo do mandato.

Mercados sobem em véspera do Copom

Campos Neto, presidente do BC, participa da primeira sessão da reunião do Copom.

Mercados locais sobem seguindo Bolsas mundiais

Dia amanhece com tendência de alta para o mercado interno, seguindo NY na volta do feriado.

Contra tudo temos vacina

Dia promete ser de mais recuperação da Bovespa, dólar fraco e juros em queda.