Governo Bolsonaro não dá a mínima para a indústria

País perde empregos de qualidade e prejudica desenvolvimento.

Em conversa com a coluna, um empresário do ramo industrial comenta sobre o total distanciamento do Governo Bolsonaro em relação ao setor. Mais que distanciamento, até um certo desprezo. Mesmo o Ministério da Infraestrutura, que deveria estar atento para dinamizar a indústria, demonstra um certo desdém.

O governo só tem olhos para o agronegócio. Apenas a construção civil recebe um pouco de atenção, talvez pela visibilidade que proporciona votos e pela geração rápida de empregos de baixa qualificação – o segmento é responsável por quase 10% dos postos com carteira gerados este ano.

O resultado pode ser visto na perda da participação da indústria na economia brasileira, que se reflete em menos empregos e salários mais baixos. O setor de serviços pode ser um gerador importante de postos de trabalho, mas somente na alta tecnologia se garante colocação com bons vencimentos; o que se vê, ao contrário, é a criação de empregos de baixa qualificação, especialmente no comércio.

Assim, conduzido por um economista do mercado financeiro que não tem maior apreço pela produção, o Brasil recua. Esse tema não poderá ficar ausente dos debates eleitorais.

 

Coopera

Nesta quinta-feira, o Sistema OCB/RJ realizará a 1ª Conferência Rio Mais Coop de Empreendedorismo Cooperativo, no Vivo Rio. No evento, haverá a primeira edição do Prêmio 10+Coop. “Criada neste ano, a honraria expressa a força do cooperativismo no estado do Rio de Janeiro e o quanto o modelo de negócios contribui para a construção de um Rio Mais Coop”, explica o presidente da OCB/RJ, Vinicius Mesquita.

A premiação será feita com base nos números do Censo 2021 do Cooperativismo Fluminense, englobando as seguintes categorias: número de cooperados, número de empregados, faturamento, gestão, governança, intercooperação, público feminino, público jovem, sobras e treinamento. No evento, serão premiadas três cooperativas em cada segmento.

 

Caminhos tortuosos

O aparecimento de nova variante da Covid e as incertezas sobre o rumo da doença reforçam a necessidade de desenvolver no Brasil vacinas e outros medicamentos para o combate. Mas no que depender do Governo Federal tudo será importado, sabe-se lá de que forma, como mostrou a CPI.

 

Rápidas

A Federação Brasileira de Bancos (Febraban) realizará nesta quinta-feira, às 10h, a 17ª edição do Seminário de Relacionamento com o Consumidor 2021 *** “A governança da informação: transparência e compliance nas organizações” é o seminário que a Associação Comercial do Rio realizará nesta sexta-feira, às 10h, com Humberto Mota Filho (presidente do Conselho de Governança e Compliance da ACRJ), Tatiana Bastos (IDC) e Marcus Vinícius Noronha (BNDES). Inscrições aqui *** Nesta quinta, às 9h30, a Associação Comercial de Santos (ACS) receberá a palestra “Panorama sobre o transporte de carga e a logística no Brasil”, que será feita pelo presidente do Conselho Superior do Sindicato das Empresas de Transportes de Carga (Setcesp), Tayguara Helou. Inscrições aqui.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Suíça é ponte para exportações à Rússia

Vendas do País que lava mais branco aos russos cresceram mais de 80% desde fevereiro.

Novo Fiat Cronos quer resgatar clientes do Siena

Preços variam entre R$ 74.790 (1.0 manual) e R$ 93.490 (Precision 1.3 AT).

Investimentos e ações para enfrentamento das mudanças climáticas

Alterações não se apresentam como algo normal a longo prazo.

Últimas Notícias

BNDES: R$ 6,9 bi para construção da linha 6 do metrô de SP

Total previsto de R$ 17 bilhões financiados por um consórcio de 11 bancos

Área de oncologia movimenta R$ 50 bilhões no Brasil

Cerca de 625 mil novos casos de câncer são diagnosticados por ano

Títulos públicos prefixados: maiores rentabilidades de julho

Destaque ficou com os prefixados de vencimentos mais longos, representados pelo IRF-M1+

Economia prepara projeto para abrir fundos de pensão ao mercado

Em jogo, patrimônio de R$ 1 trilhão acumulado pelos fundos fechados de previdência.