Governo Bolsonaro, o pior da América Latina

Pesquisa feita pela Ipsos com 353 líderes de opinião de 14 países da América Latina, entre 26 de março e 6 de abril, mostra o estrago na imagem dos governantes, especialmente os que mais resistiram – ou ainda resistem – a adotar medidas mais fortes para conter a propagação do coronavírus.

O governo de Luis Alberto Lacalle Pou, recém-eleito presidente do Uruguai, conta com maior aprovação no manejo da crise (62%), junto com a Argentina. O governo do presidente Lopes Obrador, do México, vem no final, tecnicamente empatado com o Brasil, com apenas 12% e 14% de aprovação, respectivamente.

Na aprovação dos chefes de Estado, Obrador caiu de 36% de aprovação em dezembro do ano passado para 19%. Jair Bolsonaro caiu dos já baixos 25% para 16% e segura a lanterna do ranking. (Observação sobre a pesquisa: o último colocado seria Nicolás Maduro, da Venezuela; mas a pesquisa não ouviu líderes de opinião do país de Maduro, o que contamina os resultados em relação a seu país).

Sobre a expectativa para a economia, menos de 10% creem em recuperação este ano; em torno de um terço acredita que a melhora virá em 2021, enquanto outro tanto aposta em dois ou três anos adiante. Uns 20% (depende de cada país) estima que a recuperação demorará muito tempo – especificamente o Brasil, 31% dos entrevistados marcaram esta opção.

 

Acordo justo

Entrou no ar nesta segunda um aplicativo para as empresas metalúrgicas acessarem e fecharem acordos com trabalhadores na crise sanitária e econômica. Ele pode ser acessado aqui e é uma iniciativa do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e Mogi das Cruzes.

Para a entidade, o sistema eletrônico ajudará na elaboração de propostas e na formalização dos acordos, de forma justa e mais rápida, diante da possibilidade temporária de redução proporcional da jornada de trabalho e de salário e/ou a suspensão temporária do contrato de trabalho, prevista no Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda. O Sindicato destaca que não cobra nenhuma taxa por estes acordos.

 

Fake

O deputado estadual Carlos Jordy (PSL-RJ) encampou em sua conta no Twitter a versão de que a Prefeitura de Niterói teria arrendado por R$ 58 milhões, por 12 meses, um hospital que estava à venda por R$ 45 milhões. O deputado poderia ter se socorrido na competente assessoria da Assembleia Legislativa para não cometer erro básico e ainda arriscar ser processado por calúnia e difamação, como afirma a Secretaria de Saúde do município.

O custo do arrendamento do Hospital Oceânico – o primeiro do país destinado a receber pacientes com Covid-19 – foi de R$ 4,8 milhões. O custo de R$ 58 milhões se destina a pagar a ONG Viva Rio, que vai operar, por seis meses, a unidade (que terá 140 leitos de UTI), e inclui colocação de equipamentos, custo de pessoal e medicamentos. Segundo a Prefeitura, o valor está bem abaixo da média do Rio e do Brasil: equivale a R$ 2,3 mil por dia, enquanto o custo de um leito de atenção intensiva em rede privada fica entre R$ 3,5 mil e R$ 4 mil por dia.

 

Fonte

Na coluna deste final de semana, faltou registrar a fonte dos dados sobre número de leitos hospitalares por país: é a Organização Mundial da Saúde (OMS).

 

Marketing do vírus

Empresas como Apple, Medtronic e Johnson & Johnson estão trabalhando em soluções para combater o coronavírus. Estas e outras companhias integram a lista de fuga de impostos via paraísos fiscais e outros métodos, retirando dos Estados o dinheiro que faz falta na saúde e pesquisa.

 

Rápidas

O Conselho Federal de Contabilidade (CFC) realiza nesta terça, às 18h, evento ao vivo sobre as MPs 927 e 936 *** Warde Advogados realizará seminário pela rede nesta quarta, às 10h, sobre o impacto da Covid-19 nos seguros dos contratos públicos e privados, com a presença do presidente do Instituto Brasileiro de Direito do Seguro, Ernesto Tzirulnik. Inscrições aqui *** Nesta quarta-feira, às 16h, a Abrasco realizará o painel “População Negra e Covid-19”, articulado pelo Grupo Temático Racismo e Saúde; na quinta, diretamente de Washington, Jarbas Barbosa, diretor-assistente da Organização Pan-americana de Saúde (OPAS/OMS), falará ao vivo sobre “A pandemia no mundo: uma perspectiva das Américas”, no canal do YouTube da Associação.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Governo pode – e deve – controlar progresso tecnológico

Tecnologias transformadoras do século 20 não teriam sido possíveis sem liderança do Estado.

Salário mínimo baixo, gasto do Estado alto

Nos EUA, assistência a trabalhadores que ganham pouco custa US$ 107 bi por ano ao governo.

Privatização da Eletrobras aumentará tarifa em 17%

Estatal dá lucro e distribuiu R$ 20 bi em dividendos para a União.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

ANS determina que planos cubram novos remédios, exames e cirurgias

Novos exames e tratamentos passaram a fazer parte da lista obrigatória de assistência, que deverá ser observada a partir de abril.

Ibovespa futuro sobe no momento, mas com muita cautela

No exterior, Bolsas globais recuam em meio a preocupações com a inflação nos EUA.

IPC-S sobe em seis capitais brasileiras em fevereiro

A inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) subiu em seis das sete capitais pesquisadas pela Fundação Getulio Vargas (FGV), na...

Trava política impede recuperação mais forte

Nesta segunda, mercados aqui foram na mesma direção do exterior em recuperação, mas sem mostrar maior tração. 

Sony deixará de vender áudio e vídeo no Brasil

Multinacional japonesa venderá aqui apenas consoles de games importados.