Governo lança Plano Marshall verde amarelo

Objetivo é integrar ações para retomada do crescimento após a pandemia.

O ministro-chefe da Casa Civil, Braga Netto, anunciou nesta quarta-feira um novo programa de investimento do governo federal, batizado de Pró-Brasil. O objetivo, segundo ele, é gerar emprego e recuperar a infraestrutura do país em resposta aos impactos trazidos pela pandemia do novo coronavírus. Embora o ministro da Economia, Paulo Guedes, tenha participado da reunião nesta manhã, as discussões estão sendo lideradas por Braga Netto. A equipe econômica, segundo a agência Brasil, é refratária à mensagem de uso de recursos públicos para alavancar a economia e tem defendido que isso deve ocorrer através da atração de investimentos privados a partir da realização de reformas.

Mas o secretário especial de Desestatização, Desenvolvimento e Mercados, Salim Mattar, avaliou que o Plano Marshall brasileiro – denominado de Pró-Brasil, segundo a Casa Civil – ainda é muito embrionário e afirmou que a intenção do Ministério da Economia é diferente, voltada à busca de investimentos privados. Questionado se o fato de existirem planos distintos sob um mesmo governo não denotava falta de consenso, emitindo sinal trocado para investidores, Salim afirmou que isso faz parte da democracia.

Após reconhecer a rota traçada pela equipe do ministro Paulo Guedes vai para outra direção, disse . que “o Plano Marshall gestado pela Casa Civil é um pouco diferente dos planos do Ministério da Economia”. “O Plano Marshall dependeu do dinheiro americano, e nós não temos dinheiro sobrando mais, as finanças nossas foram absolutamente esgotadas”, acrescentou. No Plano Marshall original, os Estados Unidos financiaram a reconstrução de países aliados na Europa após a Segunda Guerra Mundial.

Braga Netto, no entanto, disse que as propostas ainda estão sendo estruturadas pelo governo e não apresentou estimativas de volume total de investimentos nem o número de empregos a serem gerados. “Ainda seria leviano eu levantar isso [estimativas]. A finalidade é gerar empregos, recuperar infraestrutura e dar possibilidade do Brasil recuperar toda essa perda que nós tivemos”, disse durante coletiva de imprensa, no Palácio do Planalto, nesta quarta-feira, para atualizar as ações do governo federal no enfrentamento da covid-19.

O programa reúne ações de todos os ministérios e será coordenado pela Casa Civil. Segundo a pasta, foram definidos dois eixos de ação: Ordem e Progresso. No eixo Ordem serão contempladas medidas como o aprimoramento do arcabouço normativo, atração de investimentos privados, segurança jurídica, melhoria do ambiente de negócios e mitigação dos impactos socioeconômicos. No eixo Progresso, estão previstos investimentos com obras públicas, custeadas pelo governo federal, e de parcerias com o setor privado.

Na verdade, vamos dar continuidade a coisas que já estavam andando, por exemplo, o vigoroso programa de concessões”, disse o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, durante a coletiva. Segundo ele, os projetos de concessões e privatizações coordenados pela pasta preveem investimentos de R$ 250 bilhões. Aquilo que será feito por meio de obra pública, a gente estima um valor de R$ 30 bilhões, acrescentou.

De acordo com a apresentação do ministro Braga Netto, a execução dos projetos será de longo prazo, devendo durar até 2030. A primeira reunião do grupo de trabalho do programa Pró-Brasil será nesta sexta-feira (24). O detalhamento dos projetos e ações será feito em setembro e a implantação está prevista para começar a partir de outubro.

 

Ana Borges
Colunista.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Governo estuda teto para imposto sobre combustíveis

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta terça-feira que o governo avalia redução “moderada” de alguns impostos na elaboração da Proposta de Emenda...

Sem eira nem beira

Não seria o caso de buscar uma reforma tributária que privilegiasse a distribuição de renda?

A hora de os postes mijarem nos cachorros

Unidos, pequenos acionistas viram os donos do mercado.

Últimas Notícias

Câmara deve colocar em votação PL que desonera tarifas de energia

Em 2021, o Brasil passou pela pior crise hídrica em mais de 90 anos

Metodologia para participação de investidor estrangeiro

Serão considerados os dados de liquidação das operações realizadas no mercado primário nos sistemas da B3

Fitch eleva rating do Banco Sicoob para AA (bra)

Houve melhora do perfil de negócios e de risco da instituição

Petrobras Conexões para Inovação cria robô de combate a incêndio

Estatal: Primeiro no mundo adaptado para a indústria de óleo e gás

Brasil tenta ampliar diálogo com a UE

Debate da recuperação econômica nas duas regiões e discussão sobre as perspectivas das políticas fiscais