Governo pagou quase R$ 55 bi de auxílio emergencial indevidamente

Servidores, militares e aposentados foram beneficiados.

A criação de um sistema nacional com dados dos salários de todos os servidores públicos brasileiros (incluindo inativos) e dos beneficiários da Previdência e de programas sociais, conforme previsto na Constituição, evitaria os pagamentos indevidos do auxílio emergencial, assegura o coordenador-geral de Controle Externo da Área Econômica e das Contas Públicas do Tribunal de Contas da União (TCU), Tiago Dutra.

Segundo o TCU, R$ 54,7 bilhões foram pagos indevidamente, ou seja, os beneficiários que sacaram o auxílio não estavam dentro dos critérios de elegibilidade. São, por exemplo, servidores públicos (civis e militares) ou beneficiários da Previdência Social.

O cruzamento de dados em cadastros governamentais e nas pesquisas do IBGE, feito pelo TCU e outros órgãos de controle, como a Controladoria-Geral da União (CGU), permitiu o cancelamento de 3,7 milhões de benefícios, resultando em uma economia de R$ 8,8 bilhões.

O balanço parcial da fiscalização foi apresentado nesta quinta-feira em audiência pública da Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara dos Deputados.

“De certa forma, isso já era esperado”, admitiu o secretário de Controle Externo da Previdência, do Trabalho e da Assistência Social, João Ricardo Pereira, sobre as falhas e fraudes. Ele atribuiu o problema à mudança na condição dos beneficiários ao longo do ano – os critérios de elegibilidade foram aferidos apenas no pagamento da primeira parcela – e à deficiência dos bancos de dados públicos sobre o público-alvo.

O deputado Elias Vaz (PSB-GO) se disse “estarrecido” com o número de funcionários públicos civis e militares que receberam indevidamente o auxílio emergencial, segundo a Agência Câmara de Notícias.

Tiago Dutra disse que a declaração do Imposto de Renda relativa ao ano passado, cujo prazo de entrega acabou em maio, permitirá a identificação dos servidores que receberam o auxílio emergencial.

Leia também:

Remédios subiram 1,73% em maio e somam alta de 18,50% em 12 meses

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Receita: brasileiros movimentaram R$ 127 bi em criptomoedas em 2020

O subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Jonathan de Oliveira, disse, nesta quarta-feira em audiência na Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara...

Elevar Selic para 7,75% será eficaz no combate à inflação?

Analistas prevêem taxa de 11% em maio de 2022.

Vencimento de título corrigido pela Selic puxa queda da Dívida Pública

O vencimento de mais de R$ 200 bilhões em títulos públicos vinculados à taxa Selic (juros básicos da economia) fez a Dívida Pública Federal...

Últimas Notícias

Receita: brasileiros movimentaram R$ 127 bi em criptomoedas em 2020

O subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Jonathan de Oliveira, disse, nesta quarta-feira em audiência na Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara...

Elevar Selic para 7,75% será eficaz no combate à inflação?

Analistas prevêem taxa de 11% em maio de 2022.

Carteira da massa falida do Banco Cruzeiro do Sul

Por Antonio Pietrobelli.

Vencimento de título corrigido pela Selic puxa queda da Dívida Pública

O vencimento de mais de R$ 200 bilhões em títulos públicos vinculados à taxa Selic (juros básicos da economia) fez a Dívida Pública Federal...

Quase 80% pretendem fazer compras no período da Black Friday

Varejo eletrônico gasta mais com publicidade para a data do que para o Natal.