Grande mídia segue comprometida com capital financeiro

Desde a eleição de 2018, os grandes jornais adotam uma retórica da equivalência em seus editoriais, em que Jair Bolsonaro e seus seguidores representariam uma ameaça à democracia comparável a Lula e ao PT, um partido de centro-esquerda que, por 13 anos à frente da presidência do país, respeitou as instituições democráticas.

Esta é uma das conclusões a que se chega através do estudo “Cerco midiático: O lugar da esquerda na esfera ‘publicada’”, de João Feres Júnior, publicado pela Fundação Friedrich Ebert. Feres Jr. analisa, a partir de informações levantadas pelo projeto Manchetômetro, elementos da cobertura jornalística política nos últimos anos.

Por meio da metáfora do cerco mostramos como a grande mídia utiliza de estratégias diferentes de representação para quase invariavelmente apresentar a esquerda, seus adeptos e suas ideias de maneira desfavorável. Entre tais estratégias está a inclusão intensiva no noticiário, mas somente como objeto de detração, não como voz, e a exclusão como objeto e voz”, avalia Feres Jr.

Para o autor, “a coleção de escândalos fabricados pela grande imprensa brasileira em períodos eleitorais e extraeleitorais (…) é passível de ser tomado como uma forma de fake news que precede o advento das redes sociais. A cobertura do sequestro de Abílio Diniz, em 1989, inaugura essa triste ‘tradição’ da imprensa tupiniquim. Mesmo a edição feita pelo Jornal Nacional do debate entre Lula e Collor, naquele mesmo pleito, também produziu um falseamento da realidade em tudo similar ao fake news”.

A análise da cobertura de imprensa, de 2014 até junho de 2020, revela viés expressivo contrário a Dilma, a Lula e ao PT, ao passo que Temer e Bolsonaro receberam tratamento bem mais benevolente. O início da pandemia marcou a virada do tratamento crítico dos jornais em relação a Bolsonaro, porém, mantiveram cobertura positiva em relação aos ministros Paulo Guedes e Sergio Moro.

As grandes empresas de jornalismo continuam a oligopolizar a produção de informação política em nosso país. Elas continuam todas concentradas no mesmo espaço do espectro político-ideológico que vai da centro-direita à direita. Elas continuam religiosamente comprometidas com a defesa do neoliberalismo e dos interesses dos capitais financeiro e agroexportador, em prejuízo dos setores mais desprivilegiados de nossa socieda-de”, conclui Feres Jr.

 

Entrega

O Projeto de Lei Complementar 129/2019, que pode ser votado pelos vereadores cariocas nesta terça-feira, atinge em cheio a geração de renda de até 34 mil entregadores na capital. É o que sustentam entidades como Amobitec, Abrasel, ANR, Camara-e.net e Sindrio.

O destaque aqui é ver que as associações que assinam a nota não representam os trabalhadores, mas sim as empresas de entrega a domicílio (tipo Uber Eats e iFood) e os clientes delas (bares e restaurantes). Uma preocupação que não demonstram ao empregar os entregadores sem direitos trabalhistas.

O projeto estabelece normas como a exigência de uso de placa vermelha e autorização específica de motofretista – uma espécie de autonomia. O apoio entre os vereadores vai da direita à esquerda, assim como os pedidos de ajuste no texto.

 

Novo rico

Enquanto outros candidatos cariocas fazem corpo-a-corpo no Mercadão de Madureira, o Partido Novo faz SUV-a-SUV na Autoestrada Lagoa-Barra. Não fossem "carrões do ano", daria até pra ver a sombra dos adesivos "AÉCIO45", colados ao vidro em passado quase nada distante.

 

Rápidas

Os encontros com os candidatos à Prefeitura do Rio, realizados pela Associação de Supermercados (Asserj), prosseguem nesta terça-feira, 17h, com Eduardo Paes (DEM), no canal do Youtube da entidade *** Aasp realizará nesta terça, às 16h, o webinar “Fraude na sucessão familiar”. Inscrições aqui *** A fim de impulsionar a geração de empregos, renda e diversidade cultural, a Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj) lançará nesta quarta-feira, com a presença do ministro da Educação, Milton Ribeiro, o Prêmio Delmiro Gouveia de Economia Criativa. Serão distribuídos R$ 900 mil aos 9 estados do Nordeste. Inscrições até 9 de novembro *** A franquia de doces e salgados Lecadô chega à Baixada Fluminense com a abertura de 4 unidades na região. Com isso, a rede passará a contar com 32 unidades.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Imposto maior sobre corporações poupa ricaços

Piketty calcula que tributação sobre grandes fortunas poderia render 10 vezes mais.

Governo quer reduzir indústria naval a desmonte de ferro-velho

Deputados cobram a utilização e a inovação do parque industrial instalado no Rio.

Juntar 2 meses e meio de auxílio para comprar cesta básica

Não só a pandemia, mas inflação é ameaça às pretensões de Bolsonaro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Emirados Árabes e Líbano compraram arroz do Brasil em março

Segundo associação do setor, os dois países estiveram entre os destinos internacionais do arroz brasileiro no mês passado.

Indústria tenta se recuperar no primeiro trimestre

Setor de bebidas se destacou no trimestre, com 53,8% de crescimento no período e 16,7% no acumulado de 12 meses.

China produzirá 3 bilhões de vacinas até fim do ano

Sinovac, que produz a Coronavac, promete entregar 2 milhões de doses.

Rio aumenta incentivo para cultura e esporte

Restituição do ICMS aumenta para 2% e 0,5% .

TCU relata abuso de poder no combate a Covid-19

Relatório do Tribunal de Contas da União (TCU), concluído em abril, mostra que o governo alterou documentos para se eximir da responsabilidade de liderar...
Monitor Mercantil