Grandes empresas tecnológicas geram perda fiscal de US$ 2,8 bi

Pesquisa da ActionAid International divulgada nesta segunda-feira feita em 20 países em desenvolvimento revela que eles podem estar perdendo até US$ 2,8 bilhões (R$ 15,7 bilhões) em receitas fiscais do Facebook, Alphabet Inc. (controladora do Google) e da Microsoft devido a regras tributárias globais injustas. Segundo a pesquisa, esse valor sonegado poderia pagar por 729,1 mil enfermeiras, 770,64mil parteiras ou 879,89mil professores primários a cada ano em 20 países da África, Ásia e América do Sul.

Brasil, Índia, Indonésia, Nigéria e Bangladesh são os mercados estudados com as maiores “lacunas fiscais” dessas três empresas. Os impostos potenciais gerados somente por essas 3 Big Techs poderiam resolver a escassez estimada da Organização Mundial da Saúde (OMS) de mais de 1,7 milhão de enfermeiras nesses países em apenas três anos. A pesquisa foi divulgada porque o processo de reforma tributária das empresas comandado pelo G20 e liderado pela OCDE não conseguiu cumprir o prazo original em meio a desafios políticos e técnicos.

“O mundo precisa desesperadamente de um acordo tributário global que garanta que as empresas sejam tributadas de acordo com sua presença econômica real. Os países em desenvolvimento oferecem novos mercados às empresas de tecnologia, maior reconhecimento da marca global e bilhões de dados de novos usuários, que se traduzem em crescimento contínuo da receita”, afirma a ONG.

Artigos Relacionados

Brasil é o terceiro país no mundo em dados roubados

No país, usuários da Netflix foram os que mais sofreram, seguido por Spotify e Amazon Prime; Indonésia e Índia vêm em primeiro e segundo lugares.

Pernambucano lança 1º clube de investimentos educacional do Brasil

Arthur Lemos é também responsável pela Empreender Dinheiro, plataforma digital de educação para investidores.

Audiência do Instagram já é 35% maior que a do Facebook

Total de interações no primeiro foi 22 vezes maior que no FB; celebridades perdem seguidores no Instagram, enquanto marcas crescem.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Presidente do Banco do Brasil joga a toalha

Centrão tem interesse no cargo.

Imóveis comerciais tiveram estabilidade em janeiro

Nos últimos 12 meses, entretanto, preços de venda e locação do segmento acumulam quedas de 1,32% e 1,18%, respectivamente.

Contas públicas têm superávit de R$ 58,4 bilhões em janeiro

Dívida bruta atinge 89,7% do PIB, o maior percentual da história.

Presidente do Inep é exonerado do cargo

Medida foi publicada no Diário Oficial de hoje; até o momento, não foi anunciado o nome de quem o substituirá.

Primeiro caso de Covid-19 no Brasil completa um ano

Brasil tem novo recorde de mortes diárias, diz Fiocruz; boletim informa que houve ontem 1.148 mortes.