Grandes fortunas: só 300 argentinos pagarão mais de 2%

Projeto começa a tramitar no Congresso e previsão é de arrecadar 300 mi de pesos

Fatos e Comentários / 19:29 - 28 de ago de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A Argentina apresentou seu projeto de “contribuição extraordinária de solidariedade” sobre as grandes fortunas. Os deputados Máximo Kirchner e Carlos Heller estimam que será possível arrecadar cerca de 300 bilhões de pesos. A contribuição única atingirá exclusivamente pessoas com alto nível de riqueza, que têm patrimônio declarado superior a 200 milhões de pesos, que pagarão uma alíquota de 2%, que aumenta à medida que cresce o patrimônio. Os deputados estima que atingirá 12 mil pessoas. Taxas acima de 2% atingirão menos de 300 pessoas. Os ativos declarados no exterior pagarão alíquotas 50% maiores.

De acordo com a Frente de Todos, as despesas e investimentos que o Estado argentino terá de enfrentar para fazer frente às consequências da pandemia serão da ordem de 870 bilhões de pesos, incluindo equipamentos para o sistema de saúde, o Renda Familiar de Emergência (IFE), o Programa de Assistência Emergencial ao Trabalho e Produção (ATP), gratificações para reformados e reformados, assistência financeira às províncias e PAMI e reforço dos programas alimentares.

 

Sonho

Há 57 anos, em 28/8/1963, Martin Luther King Jr. fez o histórico e emocionante discurso “I have a dream” (“Eu tenho um sonho”). Esta sexta-feira foi marcada por manifestação de dezenas de milhares em Washington, após meses de protestos contra a violência policial e a morte de negros.

A luta do líder negro trouxe resultados, ainda que abafados pelo racismo, que permanece e é impulsionado pelo momento de extrema confrontação no país. Dados oficiais do United States Census Bureau, o IBGE de lá, mostram que em 1940, quando começou a pesquisa sobre nível educacional, apenas 7% dos negros tinham ensino médio, em comparação com 24% da população como um todo. Hoje, 87,9% dos negros têm um diploma do ensino médio, um pouco abaixo da média nacional (90,1%).

Em 1940, menos de 5% de todos os adultos e apenas 1% dos negros haviam completado quatro anos de faculdade. Em 2019, a média nacional foi de 36%, enquanto 26,1% dos negros com 25 anos ou mais tinham obtido um diploma de bacharel.

A taxa média de evasão nacional caiu de 19% em 1968 para cerca de 6% em 2018. A taxa de evasão de negros caiu mais acentuadamente, de 33% para 5%, alinhando-a à média nacional.

No nível universitário, a diferença significativa de matrículas entre a população negra e a média nacional ainda existe, mas diminuiu consideravelmente. A matrícula média para jovens adultos aumentou de 26% para 41%. Ao mesmo tempo, a proporção de jovens negros na faculdade mais que dobrou, passando de 15% para 38%.

 

Perseguindo quem economiza?

A Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) foi alvo de busca, nesta sexta, dentro das ações do MP, aparentemente por ter trabalhado com competência e devolvido aos cofres do estado verbas economizadas, que foram destinadas à saúde.

 

Tosco

Os maiores argumentos em favor do governador afastado do Rio, Wilson Witzel, são o esquema tosco e o valor proporcionalmente pequeno. Queiroz movimentou quase 14 vezes mais.

 

Dízimo

Rodrigo Constantino, comentarista de um jornal do Paraná, chamava a Igreja Universal de “seita”, e seus fiéis de “ignorantes que deixam o dízimo nas igrejas do Bispo Macedo”. Esse profissional foi contratado como comentarista pelo Jornal da Record. Deus perdoa. Edir também.

 

Rápidas

Aaasp realizará nesta segunda-feira, às 17h, o webinar “Desenho do novo mercado de gás no Brasil e legislações estaduais”. Inscrição aqui *** Nesta terça-feira, dia que em que é celebrado o profissional de educação física, a Rio Ecoesporte preparou um aulão funcional especial, no posto 4 da praia da Barra da Tijuca e na praia da Reserva, em frente ao Barra Balsas, das 10h às 12h. Informações: (21) 99742-6155 *** O Comitê Ibero-Latino-americano da Associação Internacional de Direito do Seguro lança oficialmente neste sábado o livro Derecho de Seguros, em homenagem ao jurista argentino Rubén Stiglitz, falecido em 2018. Participam da obra pelo Brasil Ernesto Tzirulnik e Paulo Luiz de Toledo Piza, respectivamente presidente e vice-presidente do IBDS. Para participar do evento é necessário inscrever-se aqui *** Neste sábado, às 17h, os pré-candidatos a covereadores do Coletivo A Liga conversam com o jornalista, escritor e ex-deputado Fernando Gabeira no Facebook @aligario2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor