Gráfica

Funcionários dos Correios protestam contra o fechamento da gráfica da empresa, em Benfica, Zona Norte do Rio de Janeiro. Alegam que não têm conhecimento de qualquer estudo sobre prejuízos do parque gráfico e que a conseqüente terceirização trará custos mais altos para a ECT. A deputada federal Jandira Feghali (PcdoB-RJ) enviou no início do mês carta pedindo esclarecimentos à direção dos Correios. Deseja saber quanto foi investido na gráfica, qual o destino do pessoal que lá trabalha e quanto custará a entrega dos serviços a terceiros. Até agora sem resposta.

Cartório
Na próxima quarta-feira será votado no Senado o projeto de lei que garante aos donos de cartórios a posse vitalícia. O vice-presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado do Rio de Janeiro (Sinduscon-Rio), Adolpho Chvaicer, discorda do projeto e defende que a opinião pública se manifeste contra a aprovação. Explica que os titulares de cartórios são os únicos servidores públicos remunerados diretamente pelos contribuintes, sem limite para a receita, sem Imposto de Renda na fonte e com freguesia cativa. Antes da Constituição de 1946, os cartórios eram considerados propriedade privada, hereditária ou comprada. Com a Constituição de 88, os donos de cartórios se tornaram delegados do poder público para exercerem aqueles serviços, recebendo diretamente dos clientes. Vitalícios ou efetivos, sempre foi compulsória a aposentadoria aos 70 anos, como acontece também com os magistrados e os membros do Ministério Público e dos Tribunais de Contas. “Há relatos de ganhos fabulosos, e, compreende-se, deve ser triste retirar-se desse filão aos 70 anos”, finaliza Adolpho Chvaicer.

Naufrágio
A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que apura as causas e os responsáveis pelo naufrágio da P-36, da Petrobras, na Bacia de Campos, faz nesta segunda-feira acareação entre vários depoentes, em função de desencontros nas declarações, afirmou o presidente da CPI, deputado estadual Paulo Ramos (PDT). Entre os que serão acareados estão o ex-presidente da BR-Distribuidora Orlando Galvão; os superintendente financeiro e de informática da Petrobras, respectivamente, Antônio Carlos Alvarest Just e Luiz Eduardo Guimarães Carneiro; diretores da empresa Marítima; e o ex-presidente da Petrobras Joel Mendes Rennó.

Na rede
O sociólogo italiano Giovanni Arrighi é a principal estrela do o seminário internacional Redem 2001: O Estado no Mundo Contemporâneo, que começa esta segunda-feira, no campus Menezes Cortes da Universidade Estácio de Sá. O seminário, que se estende até quarta-feira, tem como objetivo debater a economia mundial. Com sede em Puebla, no México, a Redem é dirigida no Brasil por Theotônio dos
Santos, também conselheiro do MONITOR MERCANTIL. Além de Theotônio e Arrighi, o encontro contará com personalidades, como Berverly Silver, Emir Sader, Ricardo Antunes, Francisco Segrera e Antônio Carlos Peixoto. Os interessados em participar, devem se inscrever pelos telefones 2220-1965
e 2220-1966.

Mar do Norte
Prefeitos de cinco municípios do Rio de Janeiro produtores de petróleo (Quissamã, Casemiro de Abreu, Carapebus, Rio das Ostras e Campos de Goytacazes), representantes da Organização Nacional da Indústria do Petróleo (Onip) e da Fazenda estadual viajam neste sábado para a “Capital do Petróleo” do Mar do Norte, a cidade de Aberdeen, na Escócia. A missão empresarial, composta de 17 pessoas, é chefiada por Luiz Paixão, da Secretaria estadual de Energia, Indústria Naval e Petróleo, e faz parte de um protocolo assinado pelo governador Anthony Garotinho e pela prefeita de Aberdeen, Margareth Smith, visando a implementar um intercâmbio comercial entre as duas cidades. Aberdeen centraliza toda a produção de petróleo do Mar do Norte e da Europa. A comitiva do Rio também participará da maior feira de petróleo da região, Europa Offshore 2001.

Antípodas
Ex-ideólogo do Planalto, Gustavo Franco deve estar tendo engulhos apenas de ouvir o antigo chefe proclamar, ainda que, por enquanto, meramente no campo da retórica, a centralidade da exportações e até heresias, para a gnose tucana, como a substituição de importações. Fundamentalista que não renega os antigos dogmas, Franco chegou a pregar até a transferência das indústrias locais para terras alhures, nas quais incrementariam e diversificariam a produção. Hoje se repetisse a broma, lhe colocavam a camisa de força, mas, na época em que era tratado como gente grande contratou um rombo comercial de US$ 22,3 bilhões, no seu reinado de quatro anos, entre 1995-98.  

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMessias
Próximo artigoO império em cheque

Artigos Relacionados

Bolsonaro invade TV Brasil

Programação foi interrompida 208 vezes em 1 ano para transmissão ao vivo com o presidente.

FMI: 4 fatores ameaçam inflação

Fundo acredita que preços deem uma trégua no primeiro semestre de 2022, mas...

Pandora Papers: novos atores nos mesmos papéis

Investigação mostra que pouco – ou nada – mudou desde 2016.

Últimas Notícias

SUS gastou R$ 3 bi com acidentes de trânsito em 10 anos

O Brasil registrou 27.839 indenizações pagas por acidente de trânsito com vítimas fatais entre janeiro e outubro de 2020. Os números mostram que, a...

Vendas do Tesouro Direto superam resgates em R$ 1,238 bi em setembro

As vendas de títulos do Tesouro Direto superaram os resgates em R$ 1,238 bilhão em setembro deste ano. De acordo com os dados do...

Atlantic Bank aporta R$ 3 milhões em hub com 48 fintechs

Público-alvo são empresas que desejam verticalizar suas receitas no setor financeiro.

‘Melhores do Seguro e Resseguro’

Na próxima terça-feira (26), às 18 horas, a Revista Insurance Corp irá transmitir em seu canal no Youtube o prêmio "Melhores do Seguro e...