Guedes: 'duas, três ou quatro grandes empresas serão privatizadas'

Para Paulo Guedes, queda do PIB neste ano será ainda menor que a esperada.

Política / 14:49 - 9 de set de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou hoje que a queda da economia brasileira neste ano será ainda menor do que as previsões atuais de analistas. Ele disse que a atividade econômica está se recuperando mais rapidamente do que ele mesmo esperava.

Em evento virtual do banco suíço de investimentos Credit Suisse, Guedes destacou que as previsões de queda do Produto Interno Bruto caíram pela metade, quando consideradas as estimativas no início da pandemia de covid-19, ficando atualmente entre 4% e 5%. "Vai ser menos do que isso. Estamos dando a volta por cima."

A previsão atual do Ministério da Economia para a queda do PIB é 4,7%, mas, na semana passada, o secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues, disse que a estimativa deverá ser revisada. "Todos os dados que temos indicam que o pior já passou", disse o secretário.

O ministro defendeu as reformas "estruturais" propostas pelo governo, como o Pacto Federativo, com gatilhos para o controle de gastos públicos. Ele destacou ainda que o cronograma de privatizações será reformulado e serão anunciadas "duas, três, quatro grandes empresas a serem privatizadas".

"Estamos liberando o horizonte para os investimentos privados. Haverá um boom de investimentos privados nos próximos 10 anos, pelo menos", disse.

Paulo Guedes disse que a reforma administrativa deve gerar cerca de R$ 300 bilhões de cortes de gastos, em 10 anos.

"Nossos cálculos iniciais é que essa reforma na formatação que enviamos vai cortar cerca de R$ 300 bilhões, ao longo de 10 anos".

De acordo com o ministro, essa estimativa considera a reforma como foi enviada ao Congresso Nacional, ainda sem alterações que poderão ser feitas pelos parlamentares. Também foi considerada a taxa de reposição de servidores que se aposentam de 60% ou 70% e a redução de salário de entrada no serviço público.

Guedes defendeu que o teto de salário de carreiras seja elevado, para reter talentos considerando a meritocracia e graus de responsabilidade. Ele disse que atualmente os salários não refletem o desempenho dos servidores e é "uma distribuição quase socialista".

O ministro destacou ainda que a proposta prevê aumento de produtividade e considera a digitalização dos serviços públicos. "Vamos digitalizar todo o serviço público", disse.

 

Com informações da Agência Brasil

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor