Guedes duvida do FMI, eu de Guedes

O PIB brasileiro deve cair 9,1% este ano, segundo o Fundo Monetário Internacional (FMI). A previsão, entretanto, é contestada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. Ele disse não acreditar nas estimativas atuais, mas acreditamos em Guedes? O argumento do ministro é que o momento é de ruptura de parâmetros, assim, qualquer estimativa parece um grande chute. “As pessoas começaram a chutar menos um, menos quatro, menos dez. A previsão do FMI é menos nove, e eu acho que vão errar”, declarou.

A afirmação do ministro tem uma verdade: a situação é de disruptura e, portanto, fazer qualquer previsão é um risco. Porém, ao mesmo tempo, a perspectiva do FMI é bem mais realista do que as que têm sido apresentadas pelo próprio governo e pelos economistas ouvidos pelo boletim Focus do Banco Central. Guedes estima uma queda do PIB de apenas 4% e uma recuperação em V, ou seja, bem rápida. Sim, sua posição requer um otimismo para não contaminar as expectativas. O ministro afirmou que a queda no consumo de energia no Brasil está em 4%, considerando junho de 2020 em relação ao mesmo mês do ano passado. Para ele, isso é indício de que a queda no PIB pode ser menor do que se espera atualmente.

Já os economistas ouvidos pelo Bacen acreditam numa retração de 6,5%. Não esqueça que são os mesmos que esperavam forte alta do PIB em 2019 e foram mudando suas perspectivas para baixo, assim como agora. Em 11 de janeiro de 2019, a mediana das estimativas era de crescimento de 2,57%, mas o ano passado teve um pífio desempenho de 1,1%, o menor aumento em três anos.

Em seu Relatório Trimestral de Inflação (RTI), o Bacen estimou queda de 6,4% ante 2019. A previsão anterior era de estagnação. De acordo com o documento, é esperada uma contração seguida de recuperação gradual nos 2 últimos trimestres do ano, repercutindo a redução paulatina e heterogênea do distanciamento social e de seus efeitos econômicos.

Não, não dá para confiar em Guedes, e o mercado ainda parece otimista demais. Assim, o FMI parece mais realista até pelos indicadores econômicos que nós temos visto saírem nos últimos meses: deflação, desemprego, confiança abalada… Por aí vai. O brasileiro está reticente, e não há convicção nem que a abertura econômica vá funcionar como se quer. As notícias são desencontradas, desde o comerciante que não sabe se pode abrir as portas amanhã a se o ministro da Educação tem ou não doutorado.

Em meio à investigação das fake news, não é de se estranhar a desconfiança em relação ao governo, suas estimativas e perspectivas rápidas de recuperação. Até porque a recuperação está mais para a letra W do que a letra V. Por que digo isso? Por conta do risco de termos novamente que fechar as portas e se trancar em casa devido a uma nova onda de contágio.

Como se explicou na coluna passada, a deflação registrada nos últimos meses, mesmo em meio à alta do dólar é um importante sinal de que não há espaço para alta dos preços. Em outras palavras, não há consumo. Mas como consumir em meio à tanta instabilidade e com o aumento constante do desemprego?

Segundo os últimos dados divulgados pelo IBGE, o Brasil encerrou a primeira semana de junho com 11,2 milhões de desempregados, aumento de 1,4 milhão em relação à primeira semana de maio. Movimentos como o “Não demita”, encabeçados por grandes corporações, conseguiram retardar a queda do emprego, porém reduzir custos se torna questão de sobrevivência. Não há caixa para segurar os funcionários nem demanda para justificar sua permanência. O número de desempregados vai continuar aumentando.

O Brasil já vinha repleto de mazelas e problemas econômicos estruturais. Esta década já era mais que perdida para a economia brasileira. A pandemia veio a piorar o cenário. Os 9% são mais factíveis que os 4%. Todos queremos acreditar em Guedes, mas sem estratégia, é difícil.

Ana Borges
Colunista.

Artigos Relacionados

Sem eira nem beira

Não seria o caso de buscar uma reforma tributária que privilegiasse a distribuição de renda?

A hora de os postes mijarem nos cachorros

Unidos, pequenos acionistas viram os donos do mercado.

Como fica a economia pós-vacina?

Demora no combate à pandemia já engoliu um percentual do PIB de 2021.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Preços dos carros mais vendidos subiram 9,4% em média em um ano

Com 18,23% de variação, Renault Kwid foi o que mais subiu de preço entre os 13 mais vendidos.

PEC Emergencial pode sair da pauta do Senado desta quinta

Parlamentares resistem a cortes na saúde e educação e propõem votar apenas questão do auxílio emergencial.

Desdobramentos da intervenção na Petrobras

Percepção é de que o 'superministro' de Bolsonaro pode estar ficando cada vez mais isolado.

IPCA-15 de fevereiro ficou abaixo da expectativa

Índice mostra variação mais fraca que o esperado em alimentação, educação; já saúde e transportes vieram mais fortes que a expectativa.

Tentativa de superação

Ontem foi dia de recuperação da Bovespa, liderada pelas ações da Petrobras, Eletrobrás e setor bancário.