Guerra

O Brasil ostenta a tétrica condição de líder do ranking mundial da violência urbana, elaborado pela média de pessoas assassinadas a cada semana. Com 246 a 383, o Brasil é  seguido de longe pelo Iraque (36 a 168), país que paga o elevado preço das conseqüências da invasão dos Estados Unidos. Os dados estão na última edição do jornal Academus, porta-voz da Academia Brasileira de Ciências Econômicas, Políticas e Sociais (Ane).
O artigo lembra que o Iraque tem população de 23,6 milhões (dados de 2001), 77% da qual urbana, vivendo numa área total de 434.128 km2. Com uma densidade de 54,36 habitantes/ km2, os iraquianos convivem com uma média de 36 a 168 mortes de civis e militares por semana.
Apesar da enorme degradação econômica e social, provocada pela invasão, a maioria dessas mortes se concentra em alguns bairros da capital e de quatro outras cidades iraquianas. Já o Brasil, apesar da baixa densidade populacional de 19,9 habitantes/ km2, registra a média de 246 a 383 assassinatos por semana.

Faroeste cabloco
A Ane acrescenta ainda que, num país com população superior a 169,6 milhões de habitantes (dados do censo de 2002), 81% dos brasileiros residem nas partes urbanas e enfrentam “esse quadro de horror em quase todos os lugares de quase todas as cidades do seu território de 8.514.204,9 km2”: “Parecendo com as antigas cidades do faroeste norte-americano, no  Brasil  os tiroteios acontecem rotineiramente e a qualquer hora do dia, em todas as capitais, sem respeitar áreas nobres ou periferias mergulhadas na pobreza. Diariamente, em todos os bairros das principais capitais e cidades do país, as escolas, indústrias, lojas comerciais e as residências (prédios e casas) sofrem pichações e apedrejamentos, em índices crescentes. À noite, vândalos cortam as ruas dando tiros ou gritando palavrões, tão somente para acordar e aterrorizar quem precisa trabalhar logo pela manhã. Os cidadãos são retirados até mesmo do interior de táxis em seqüestros-relâmpagos. Ninguém está seguro em lugar algum, nem mesmo ao lado de prédios militares e policiais. Ninguém faz a menor idéia de quem seja aquele seu novo e estranho vizinho que acaba de comprar, à vista, uma das melhores residências do bairro. Ninguém confia em quem está vestido de policial”, destaca a Ane.

Vendas diretas
Os setor de vendas diretas movimentou, R$ 2,9 bilhões nos primeiros três meses de 2006,  16% mais que no primeiro trimestre do ano passado. No mesmo período, o número de revendedores cresceu 10%, somando cerca de 1,5 milhão de pessoas. Os números foram divulgados pela Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas (Abved), que os considerou um bom presente de aniversário para a categoria que, hoje, comemora o Dia do Revendedor, que inclui profissionais de áreas como cosméticos, jóias, produtos para casa e cuidados da família, suplementos nutricionais e serviços.

ABI em Sampa
A Associação Brasileira de Imprensa (ABI) abre, hoje, sua representação no Estado de São Paulo. A cerimônia, que começa às 20h, será no Teatro São Pedro – Rua Barra Funda 171, na Barra Funda – e contará com a presença, entre outros, do governador do Estado de São Paulo, Cláudio Lembo (PFL); o prefeito da capital, Gilberto Kassab (PFL); o presidente da Federação das Indústria do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf; e o presidente da ABI, Maurício Azêdo. Na ocasião, será empossado o Conselho Consultivo da ABI-São Paulo, que tem como presidente de honra o arcebispo emérito de São Paulo, cardeal Dom Paulo Evaristo Arns.

Barreira
Caso Parreira insista na escalação de Ronaldo e Adriano ao mesmo tempo, na partida, de quinta-feira contra o Japão, os patrocinadores da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) terão motivos para se queixar de concorrência desleal. Afinal, em tempos de futebol globalizado, a manutenção de dois postes no ataque da seleção só pode ser explicada pelo patrocínio de alguma concessionária de energia elétrica.

Pelo bolso
Enquanto a Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda que cada pessoa gaste de 100 a 120 litros de água por dia, cada paulistano usa aproximadamente 180 litros, ou seja, 60 litros de água a mais por dia do que seria necessário. Para combater esse desperdício, Maurício Catelli, diretor da CAS Tecnologia, defende o uso generalizado da medição individual de água, que é o segundo maior gasto dos condomínios, atrás apenas da folha de pagamento. Segundo Catelli, a medição individualizada leva a uma economia imediata de 20%, podendo, em alguns casos, chegar a 40%, já nos primeiros três meses após sua adoção.

Artigo anteriorVerdadeiro “Eixo do mal”
Próximo artigoSem isonomia
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

No privatizado Texas, falta luz no inverno e no verão

Apagões servem de alerta para quem insistem em privatizar a Eletrobras.

A rota do ‘Titanic’: ameaça de apagão não é de agora

‘Por incrível que pareça, no Brasil, térmicas caras esvaziam reservatórios!’

TCU confirma que União paga R$ 3,8 bi de juros e amortização por dia

Mais de ¼ dos títulos da dívida pública vencem em 12 meses.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Objetos do Coração ajuda o Pró Criança Cardíaca

E-commerce que vende objetos para casa e decoração exclusivamente em formato ou com estampa de coração vai doar 10% da venda de produtos selecionados...

Empresa Fácil oferece estudo de viabilidade a novos empreendedores  

Sistema permite a emissão do Alvará Provisório em 24h.

Fatores comportamentais podem influenciar nos acidentes de trabalho

Psicóloga e uma assistente social e também técnica de segurança do trabalho criaram o jogo Conversa Segura.

Reclamações sobre serviços de telecom caem 28,4% em maio

O número de reclamações de usuários dos serviços de telecomunicações caiu 28,4% em maio de 2021 na comparação com maio do ano passado, segundo...

EMS explica faturamento com o ‘kit Covid’

farmacêutica brasileira EMS informou à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia que faturou R$ 142 milhões com medicamentos do kit Covid-19 em 2020,...