Guerra cibernética

O governo norte-americano revelou ontem diante do Comitê de Inteligência dos Estados Unidos a existência de sua nova e mais poderosa arma. Trata-se de um time de hackers, especialistas em computação capazes de desfechar ataques rápidos e fulminantes a redes de telefonia e elétricas de inimigos no caso de uma guerra digital. Não foram revelados detalhes sobre os integrantes do grupo, denominado Unidade de Comando para Combates Cibernéticos.

Soberania ameaçada
O projeto de lei que propõe a criação de órgão para gestão dos recursos florestais públicos mediante cessão de uso e direitos de exploração comercial a terceiros –  ONGs e empresas privadas - por meio de licitação é um grave crime contra da soberania nacional na Amazônia. Parecer preparado pelo Instituto dos Advogados  do Brasil (IAB) diz que o projeto é “flagrantemente inconstitucional por pretender a transferência de função exclusiva do Congresso Nacional e do Conselho de Defesa Nacional a órgão do Poder Executivo atípico, que seria dotado de absoluta autonomia administrativa e financeira e que não se sujeitaria a qualquer controle da sociedade”. Segundo o parecer, o ingresso de órgãos fiscalizadores nas regiões sob concessão dependeria de autorização prévia do órgão cuja criação se propõe. O projeto de lei foi enviado ao Congresso em meio à comoção logo após o assassinato da freira Dorothy Stang.

Por enquanto
A destituição de Lucio Gutiérrez da presidência do Equador deve servir de alerta aos petistas. Embora de origens diferentes – Gutiérrez, militar, e Lula, metalúrgico – ambos chegaram ao poder com o suporte de fortes movimentos sociais e despertando expectativas muito concretas de ruptura com as políticas neoliberais em vigor em seus países. Em ambos casos, não apenas não mudaram o rumo, como aprofundaram as medidas que prometiam combater.
Como consequência, se afastaram de suas bases sociais, sem se tornarem os representantes preferenciais da direita financeira que passaram a cevar. No Equador, essa esquizofrenia política fez Gutiérrez cair sob pressão de seus ex-aliados dos movimentos popular e indígena e de setores da classe média, sem ter nenhum dos seus novos aliados para defendê-lo. No Brasil, o PT e seu braço direito no sindicalismo, a CUT, têm conseguido desmobilizar o movimento social, evitando manifestações massivas de rua. Por enquanto.

Nota vermelha
Um presidenciável fez agudas observações sobre a pesquisa CNT/Sensus divulgada na última terça-feira: todas as respostas  sobre as questões econômicas e sociais são negativas. Os números sobre pobreza são preocupantes, assim como os referentes a violência e saúde, tema que entrou na pauta de problemas após a intervenção federal no município do Rio.

Casa de ferro
Enquanto médicos da Aeronáutica dão plantão no hospital de campanha do Campo de Santana, o Hospital Naval Marcílio Dias, no Rio de Janeiro, está entregue às baratas. Falta de tudo, de cobertores e lençóis a papel higiênico nos quartos. Pacientes internados reclamam que aparelhos essenciais, como o de tomografia, estão quebrados. É mais um exemplo de que o governo federal também precisa intervir nos hospitais sob sua administração, de preferência descontingenciando as verbas desviadas para garantir o superávit primário (economia para pagar juros).

Pró-telefonia
Quieta durante anos, a Anatel apressou-se a propor um novo prazo de validade para os créditos de telefones celulares pré-pagos após as seguidas decisões da justiça derrubando qualquer prazo que impeça o cliente de usar o serviço pelo qual pagou. A nova proposta da agência sugere que os créditos do celular pré-pago tenham validade igual ou superior a seis meses e que os valores pagos antecipadamente sejam revalidados sempre que o consumidor inserir novos créditos.

Vista para o mar
Apesar de ter tido sua verba cortada pela equipe econômica, a Empresa de Planejamento Energético (EPE) está alugando andares para se instalar no luxuoso RB1, um dos imóveis comerciais com metro quadrado mais caro do Centro do Rio de Janeiro.

Artigo anteriorLeito fantasma
Próximo artigoNovo enforcamento
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Privatização da Eletrobras aumentará tarifa em 17%

Estatal dá lucro e distribuiu R$ 20 bi em dividendos para a União.

Dois mitos sobre a Petrobras

Mídia acionada pelo mercado financeiro abusa de expedientes que ataca quando usados por bolsonaristas.

Mudar preços implica parar venda de refinarias

Mercado financeiro cobrará deságio, e Petrobras precisa de ativos para poder operar.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Preços dos carros mais vendidos subiram 9,4% em média em um ano

Com 18,23% de variação, Renault Kwid foi o que mais subiu de preço entre os 13 mais vendidos.

PEC Emergencial pode sair da pauta do Senado desta quinta

Parlamentares resistem a cortes na saúde e educação e propõem votar apenas questão do auxílio emergencial.

Desdobramentos da intervenção na Petrobras

Percepção é de que o 'superministro' de Bolsonaro pode estar ficando cada vez mais isolado.

IPCA-15 de fevereiro ficou abaixo da expectativa

Índice mostra variação mais fraca que o esperado em alimentação, educação; já saúde e transportes vieram mais fortes que a expectativa.

Tentativa de superação

Ontem foi dia de recuperação da Bovespa, liderada pelas ações da Petrobras, Eletrobrás e setor bancário.