30.1 C
Rio de Janeiro
sexta-feira, janeiro 15, 2021

Guerra Fria

     
          Os que patrulham o Governo Lula por receber, nos próximos dias, o presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, ao mesmo tempo em que saúdam a visita do presidente de Israel, Shimon Peres, deveriam ler o relatório em que o Conselho de Direitos Humanos da ONU esmiuça os 23 dias da incursão da Faixa de Gaza pelo Exército israelense, apenas dois dias depois do Natal do ano passado. A invasão resultou na morte de 1.400 palestinos (960 civis – boa parte crianças e adolescentes, 239 policiais e 235 militantes) e 13 israelenses – segundo informações de hospitais locais e de ONGs israelenses, palestinas e internacionais.

InteligênCIA
O recebimento de verba da Embaixada dos Estados Unidos para a realização da 33ª reunião anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais (Anpocs), mês passado, em Caxambu, Minas Gerais, ainda provoca polêmica. Em carta à direção da Anpocs, o professor colaborador da Unicamp Caio Navarro de Toledo qualifica de “um equívoco intelectual e político” a aceitação de recursos financeiros de “um governo estrangeiro que, ontem e hoje, implementa uma política externa de natureza intervencionista e belicista”. Para Toledo, por “seu simbolismo”, a presença de um representante da embaixada estadunidense na mesa de abertura da reunião “compromete a trajetória acadêmica, teórica e política da entidade”.

Terrorismo midiático
Um ex-porta-voz nos estertores da ditadura militar que depois de demitido passou a militar na imprensa comercial aproveitou os transtornos trazidos pelo apagão aos brasileiros para expor a um entrevistado seus temores: “Vemos ameaças de índios e do MST a hidrelétricas e torres de transmissão.” Para, a seguir, perguntar: “O que é preciso fazer para que se tenha segurança absoluta na energia elétrica?”

Miragem
O metrô ligando Barra da Tijuca à Zona Sul do Rio de Janeiro, promessa para as Olimpíadas de 2016, subiu no telhado. A opinião é de quem entende do assunto: o ex-prefeito Cesar Maia, que também abusou de promessas para a realização do Pan 2007 e deixou os cariocas a ver navios. “Com a leitura do caderno de encargos dos JJOO-2016 levado ao COI, pode-se constatar que o trecho Barra da Tijuca-Gávea havia sumido do projeto e se transformado em corredor com ônibus articulado”, diz Maia.

Nas ondas
O apagão de terça-feira teve pelo menos um efeito colateral midiático. Enquanto a TV e a Internet, por óbvio, permaneciam fora do ar, assim como, por razões outras, os celulares, o rádio – mídia cuja morte chegou a ser anunciada após a invenção da televisão – tornou-se a principal fonte de informação para os brasileiros sem luz.

Atomização
Já o twiter, modismo da vez, mostrou que, sem o suporte de plataformas tradicionais que permitam que seus textos sejam replicados para além do círculo de seguidores, fica limitado a notícias localizadas e de interesse restrito. Ou, dependendo da falta de ética e do excesso de preguiça de alguns veículos midiáticos, a indutor do jornalismo de boatos e/ou fofocas.

Raio “The Flash”
Novo ponto comum entre as administrações tucana e petista, o raio mordomo foi trazido ao palco muito mais rapidamente agora do que no Governo FH. Como diria a ministra Dilma, o governo atual dá de “400 a zero”.

Tempo
Uma colunista que pouco entende de economia e menos ainda de energia seguiu a sugestão da coluna e recorreu ao aquecimento global para aliviar a responsabilidade do modelo tucano – aceito pelo PT – de gestão na área energética.

Fauna
Lobão, Barata… Esse é o alto comando contra o apagão mais “animal” que o país pode ter.
     
     

Artigo anteriorEspecialista
Próximo artigoSOS ONS
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Grande produtor rural não paga impostos

Agronegócio alia força política a interesses do mercado financeiro.

Não foi a disrupção que derrotou a Ford

Mercado de automóveis está mudando, mas montadora sucumbiu aos próprios erros e à estagnação que já dura 6 anos.

Quantas mortes pode-se debitar na conta de Bolsonaro?

Se índice de óbitos por Covid-19 no Brasil seguisse a média mundial, teriam sido poupadas 154 mil vidas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Realização de lucros em âmbito global

Bolsas europeias e os índices futuros de NY operam em baixa nesta manhã de sexta-feira.

Desaceleração deve vir no começo do primeiro trimestre

Novo pacote de estímulo fiscal, bem como o avanço da imunização, deve garantir reaceleração em direção ao final do período.

Vendas no varejo surpreenderam negativamente

Surpresa foi tanto no quesito restrito (-0,1%) e no quesito ampliado (+0,6%).

Freio de arrumação

Sabe quando o ônibus está lotado e o motorista pisa fundo no freio? Logo abre espaço para mais gente entrar.

Lewandowski assume tarefa do ministro da Saúde

Supremo quer saber dos estados estoque real de agulhas e seringas.