30.1 C
Rio de Janeiro
domingo, janeiro 17, 2021

Guerra subterrânea

Barrado em sua tentativa anterior de avançar sobre o mercado brasileiro, o jornal sueco Metro promete voltar a carga, caso se concretize a aprovação do projeto que permite que estrangeiros abocanhem até 30% de empresas de comunicação. Na França, o mesmo grupo teve sua ação impedida. A briga contra o grupo que edita o periódico, distribuído gratuitamente no metrô, tem fortes raízes no mercado publicitário. Segundo estudo da consultoria editorial Carat Expert, nos países onde surgiram diários gratuitos, a circulação dos jornais pagos caiu entre 5% a 7%. As maiores vítimas da concorrência predatória são as publicações populares, com conteúdos semelhantes.

Centenário
Após o sucesso da camisa laranja, o Fluminense resgata, no ano do centenário, as cores cinza e branca, utilizadas pelo clube de 1902 (fundação) até 1905, quando passou a adotar a tradicional verde, branco e grená. O relançamento oficial da histórica camisa acontecerá no coquetel de abertura da exposição Centenário do Fluminense, às 16h da próxima segunda-feira, no Centro de Imprensa Jornalista João Saldanha, que fica em frente ao hall dos elevadores do Maracanã. Além da primeira camisa do clube, os amantes do futebol poderão ver os mais importantes troféus conquistados pelo Fluminense ao longo dos seus 100 anos de glórias. Entre eles, a Taça Olímpica e a Copa Rio de 1952 (título mundial). O torcedor do tricolor carioca poderá escolher seu uniforme preferido e votar, a partir de abril, através do site www.lancenet.com.br.

Em forma
Uma verdadeira orgia gastronômica sem perder a silhueta. É o que promete o restaurante Manekineco para amanhã, Dia Internacional da Mulher. O menu combina ingredientes lights e saborosos, da culinária oriental.

Humor inglês
O resgate pago em cheques pré-datados a sequestradores em São Paulo foi notícia no jornal britânico The Guardian, na coluna City diary. A nota fala, em tom de ironia, que a crise econômica na América do Sul está prejudicando até os negócios dos bandidos, já que o empresário, cuja mulher foi sequestrada, estava “quebrado”. Os bandidos acabaram levando aparelhos eletrônicos e os “voadores”, que foram devidamente sustados.
No mesmo Guardian, a avaliação de que o principal risco que o príncipe Charles enfrentou ao subir uma favela do Rio foi a epidemia de dengue, que obrigou a comitiva a se emplastrar de repelente.

Champanhe
Sobre nota publicada ontem sobre a corrente de comércio (exportações e importações) entre Brasil e França, a Câmara de Comércio França-Brasil (CCFB) acrescenta que, devido à desvalorização do real, prevê crescimento das vendas brasileiras, o que inverteria, nos próximos dois ou três anos, a situação, hoje favorável a França. A nota indagava sobre as previsões para as importações da França, já que a CCFB divulgara apenas sua estimativa para as vendas externas brasileiras. Os produtos manufaturados e agro-industriais formam o principal item da pauta de comércio entre os dois países.

Agenda cheia
O Movimento  dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) realiza hoje caminhada até o Palácio Guanabara. Os trabalhadores prometem denunciar favorecimento do governo estadual para que a empresa Aracruz Celulose se instale no Estado do Rio de Janeiro. Além disto, o movimento protestará contra o governador Anthony Garotinho devido à falta de uma política voltada para a Reforma Agrária no estado. Ontem os mesmos trabalhadores ocuparam a Superintendência do Incra, no bairro da Glória, para cobrar do governo federal por assentamentos anunciados e não realizados. Amanhã o MST une-se a sindicatos e organizações não governamentais para comemorar o Dia Internacional da Mulher.

Artigo anteriorTiro no pé
Próximo artigoUnião
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Grande produtor rural não paga impostos

Agronegócio alia força política a interesses do mercado financeiro.

Não foi a disrupção que derrotou a Ford

Mercado de automóveis está mudando, mas montadora sucumbiu aos próprios erros e à estagnação que já dura 6 anos.

Quantas mortes pode-se debitar na conta de Bolsonaro?

Se índice de óbitos por Covid-19 no Brasil seguisse a média mundial, teriam sido poupadas 154 mil vidas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Varejo sente redução no auxílio e alta da inflação

Comércio ficou estável em novembro e quebrou sequência de recuperação.

Senado quer que Pazuello se explique

Pedido de convocação para cobrar ação do Ministério da Saúde no Amazonas.

Lenta recuperação na produção industrial dos EUA

Setor ainda está 3,6% abaixo do nível anterior à pandemia.

Realização de lucros em âmbito global

Bolsas europeias e os índices futuros de NY operam em baixa nesta manhã de sexta-feira.

Desaceleração deve vir no começo do primeiro trimestre

Novo pacote de estímulo fiscal, bem como o avanço da imunização, deve garantir reaceleração em direção ao final do período.