Haraquiri

A tentativa de setores do Palácio de convencer o presidente Lula a aproveitar o aprofundamento da crise para ampliar a hegemonia da equipe econômica no governo, ainda que à custa de defenestrar o ministro José Dirceu, principal quadro político do PT, é operação de alto risco. Essa opção parte de grave erro de diagnóstico, ao ignorar que não é a área política que contamina uma gestão econômica supostamente virtuosa, mas esta é que conduz o PT a práticas políticas pouco ortodoxas. Além disso, quebrar a espinha do partido num momento de crise para aprofundar uma política econômica que desmobilizou sua militância e base social equivale a botar fogo no picadeiro.

Pela culatra
A proposta da direção do PT de realizar um ato em defesa do partido pode ter o mesmo efeito bumerangue da proposta do então presidente Fernando Collor, de conclamar a população a sair de verde e amarelo para defender seu governo. O erro de cálculo sobre seu suporte popular – fruto de uma mistura de autismo plaunaltino e arrogância típica do poder – teve o condão de ajudar a reorganizar uma oposição, até então, aturdida e sem rumo. Genoino que se acautele. De tanto acusar a CPI dos Correios de palanque da oposição, ainda produz um para a oposição.

Entranhas do poder
Independentemente de – por questões táticas ou não – o deputado Roberto Jefferson dizer, candidamente, não ter provas das estrondosas acusações que faz ao governo e a sua base congressual, a tentativa de desqualificar seu depoimento está longe de resolver a questão. Afinal, a conquista do status de “parceiro” e detentor de “cheque em branco” do presidente da República não é obtida sem profunda intimidade com o poder.

Faz-de-conta
Apesar de as novas denúncias de Roberto Jefferson já nascerem desqualificadas pelo próprio autor, nada justifica o tom de surpresa adotado por alguns políticos. A presença dos governos – do federal aos municipais – nas campanhas é de conhecimento de todos que atuam na política e até de quem é de fora da área. Como esse envolvimento se dá – e quanto, principalmente – é trabalho não para uma, mas para uma dezena de CPIs.

Ética
Autora de cinco livros sobre ética nas empresas, sendo uma das publicações (The Working Life) premiada como o melhor livro de negócios do ano de 2000 pelos editores da Amazon, a professora Joanne Ciulla, da University of Richmond, será a palestrante no seminário “O desafio de uma liderança efetiva e ética”. O evento discutirá o conceito de liderança e o dilema enfrentado por líderes que devem conciliar demandas por eficácia e ética no desempenho de suas funções. Será nesta terça-feira, no Ibmec/RJ (Av. Rio Branco, 108 / 21º andar – Centro)

Injustiça cega
Estima-se que uma criança torna-se cega a cada minuto no mundo, calamidade ainda maior em países em desenvolvimento. Entre a 1,5 milhão de crianças cegas no mundo, 75% apresentam causas curáveis ou que poderiam ter sido prevenidas. Uma delas é a catarata congênita. Segundo a agência Notisa, pesquisa feita pela Fundação Altino Ventura e pela Universidade de Pernambuco avaliou o perfil de 40 pacientes com catarata infantil. A maioria das mães era de baixa renda e escolaridade; 92,5% não foram vacinadas contra rubéola e 13 apresentaram a doença durante a gravidez.

Autônomo
Mostrar a urgência de o Brasil livrar-se do atual modelo econômico para tornar-se seguro e próspero é um dos objetivos de Globalização X Desenvolvimento, livro de Adriano Benayon. O autor demonstra como e por que se desenvolveram os países que são hoje centros mundiais e sedes de grandes empresas transnacionais: Inglaterra, nos séculos XVII e XVIII; EUA e Alemanha, no final do século XIX; Japão, no século XX. Em todos, foi essencial a base cultural e a interação entre o Estado e o capital nacional. Benayon, doutor em Economia pela Universidade de Hamburgo e bacharel em Direito pela UFRJ, mostra que o único desenvolvimento possível é o autônomo. O prefácio é assinado pelo deputado federal Enéas e por Bautista Vidal.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Engie valerá R$ 2,5 bi a mais após acordo com Aneel

Semana passada, o Monitor noticiou que a proposta da Aneel de repactuação do risco hidrológico (GSF) deixaria a conta a ser paga pelo pequeno...

Apelo de Biden ao multilateralismo fica sem crédito

Na ONU, presidente dos EUA desmente mundo dividido em blocos rígidos.

Fintechs e bancos disputam quem cobra mais

‘Não temos vergonha de sermos bancos’, diz Febraban; mas deveriam.

Últimas Notícias

Eve desenvolverá modelo de operação de Mobilidade Aérea Urbana

A Eve Urban Air Mobility, empresa da Embraer, e a Bristow Group Inc. (NYSE: VTOL), líder mundial em soluções de voo vertical, anunciaram, nesta...

China: Ampliar apoio à energia verde agrada banco de investimento

O Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura (BAII) declarou que dá as boas-vindas ao anúncio da China de aumentar o apoio à energia verde...

XP: Preços de ativos podem sofrer na atual turbulência de mercado

Um dia depois do aumento de 1 ponto percentual da taxa básica de juros, a Selic (agora em 6,25% ao ano), pelo Comitê de...

Projetos de energias renováveis em substituição ao uso do diesel

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e a Eletrobras firmaram um Pacto de Energia para atuarem conjuntamente na busca de soluções...

Proposta atualiza regulamentação sobre as cooperativas de crédito

Texto em análise na Câmara dos Deputados promove uma série de modificações na Lei do Sistema Nacional de Crédito Cooperativo (SNCC), abordando o Projeto...