Healthtechs e edtechs rivalizam com fintechs por investidores

Startups de saúde e de educação se aproximam das empresas de tecnologia financeira na disputa pelos aportes

Acostumadas a liderar com folga o apetite dos investidores pelos recursos em startups, as fintechs começam agora a sentir uma forte concorrência por estes investimentos. As principais ameaças vêm das healthtechs e das edtechs, segundo estudo feito pela  Efund, plataforma de investimentos em startups. 

 De acordo com a pesquisa, os projetos ligados à tecnologia financeira continuam em primeiro lugar, com 13,5% da preferência, mas as iniciativas ligadas à inovação no setor da saúde já alcançam exatamente o mesmo percentual. Na segunda colocação, mas bem próximo desse patamar, aparecem os projetos que visam resolver problemas do segmento educacional. Este tipo de empreendimento é o principal foco de 11,5% das pessoas que buscam oportunidades de ganhos de receita com aportes feitos em companhias emergentes.

O trabalho foi feito junto a 360 pessoas presentes na base de contatos da Efund e revelou ainda que 46,2% dos entrevistados pretendem realizar aportes entre R$ 11 mil e R$ 100 mil em startups nos próximos 12 meses.

Segundo a avaliação do sócio fundador da Efund, Igor Romeiro, a pandemia forçou um olhar mais atento para a inovação no ambiente da saúde e da educação. “A necessidade de responder rapidamente aos problemas causados pela crise sanitária mundial acelerou a busca por soluções nestas duas áreas e isso mostrou tanto aos empreendedores quanto aos investidores o tamanho das oportunidades que existem para o desenvolvimento de projetos lucrativos nestes setores”, disse. Ele destaca que dois anos após o início da luta contra a Covid, alguns desses projetos estão chegando à maturidade e atraindo cada vez mais as atenções.

 A opinião é reforçada pelo estudo Mapeamento HealthTechs 2022, feito por intermédio de uma parceria entre a Associação Brasileira de Startups e a Deloitte. O trabalho ressalta que das 215 startups mapeadas, 45% foram criadas entre 2019 e 2021, confirmando uma forte relação entre a pandemia e o desenvolvimento de ideias disruptivas no setor. Outra constatação da pesquisa foi de que quase 60% das empresas já receberam algum tipo de investimento.

 No caso das edtechs, um dos casos que demonstram a evolução do ecossistema é o da startup Beedoo, que opera por meio de uma plataforma focada em treinamento, comunicação e engajamento. Consolidada no setor de centrais de atendimento, no qual atende a algumas das principais marcas globais, a companhia já está presente em mais de dez nações, superando a marca de 200 mil usuários. No início de maio a empresa anunciou o início de suas operações no México.

O CEO da Beedoo, Daniel Lima, se mostra bastante otimista com a estratégia de expansão da empresa. Ele afirma que o avanço sobre novos mercados e a expansão geográfica deve possibilitar dobrar de tamanho até o final do ano. “Estamos confiantes pois temos o aval de grandes clientes que já usam nossa tecnologia e porque as empresas que operam na América Latina precisam muito de plataformas de treinamento e comunicação como a nossa. Há muita oportunidade para ser explorada”, afirma o executivo.

De acordo com o diretor da plataforma de serviços especializados de consultoria para o mercado financeiro e de pagamentos Xsfera, Renato Aragon, as fintechs enfrentam o desafio de continuar inovando frente a novos cenários. “Além de já estarem próximo de um patamar de estabilidade no que se refere à quantidade de projetos, as fintechs acabam sendo afetadas em suas estratégias por conta do momento de alta acelerada dos juros dos últimos meses”, diz. 

Isso, segundo ele, pode fazer com que os investidores menos dispostos a correr riscos olhem para outros setores em busca de alternativas. “Mas as oportunidades que se abrem para as empresas de inovação para a tecnologia financeira com a chegada do Open Finance, do Pix, do Cadastro Positivo, e da regulação das criptomoedas, por exemplo, mostram que ainda há muito a evoluir e quem investir nos projetos certos , seguramente terá os retornos esperados”.   

   Leia também:

Setores fortemente impactados com a pandemia reagem na Bolsa

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Mercado de trabalho nos próximos meses pode continuar frágil

Segundo especialistas, no segundo semestre, oportunidades poderão se concentrar no mercado de trabalho informal.

Bitcoin perde os US$ 19 mil. Pirâmide começa a desmoronar?

Oficiais chineses chamam criptomoeda de maior esquema Ponzi da história.

Acusações de palhaça e possível ação da CVM fazem ação da TC desabar

Papéis chegaram a recuar mais de 25% no pregão desta quinta-feira.

Últimas Notícias

Geladeiras devem exibir nova etiqueta de eficiência

Comércio varejista tem prazo até 30 de junho de 2023 para continuar vendendo os produtos com a etiqueta antiga.

Mercado pet deve crescer 14% em 2022

Chile é o país que mais importou produtos pets brasileiros no primeiro trimestre; setor prevê novas exportações neste ano.

FGTS vira moeda do governo para movimentar a economia

Atualização monetária das contas do Fundo não acontece e trabalhador continua no prejuízo.

EUA: tiroteio em escola bate maior número em 20 anos

Segundo relatório, houve apenas 23 incidentes com vítimas fatais durante o ano letivo de 2000/2001.

Bebidas Online busca captar R$ 2 milhões com pessoas físicas

Com crescimento projetado de 19% para 2022, startup de delivery de bebidas usará recursos nas áreas de marketing, desenvolvimento de produtos e expansão do time