Herança petista

Apenas dois setores acumulam superávits líquidos no estoque de empregos (diferença entre admissões e demissões): serviços domésticos e administração pública . Ambos são emblemáticos dos dilemas e problemas do governo Lula. O primeiro, por desnudar a qualidade do nível de emprego oferecido pela combinação de juros elevados, superávit primário e exportações agrícolas. O segundo, por mostrar que, apesar da contrariedade dos dogmáticos neoliberais, no Brasil, o setor público continua a ser o principal alavancador, direto e indireto, do emprego.

Ilegal
O jurista Sacha Calmon Navarro Coêlho questionará, nesta quinta, a legalidade e constitucionalidade das contribuições de intervenção no domínio econômico. Segundo ele, ao não obedecer ao Princípio da Reciprocidade, a Cide vira imposto com receita vinculada a destinação específica, o que é proibido pela Constituição. A palestra de Navarro Coelho será na Câmara Britânica de Comércio e Indústria.

Chance
Até o dia 5 de outubro estão abertas as inscrições para o Programa Work&Travel, da Experimento Intercâmbio Cultural, que oferece 55 vagas para universitários. Os participantes irão trabalhar em uma empresa da Califórnia que oferece serviços para eventos. Na última temporada os estudantes trabalharam em jogos, shows e até na entrega do Oscar. Mais informações através dos telefones 2512-2143 e 2495-6303.

Paradoxo petista
Do sociólogo Laymert Garcia dos Santos, da Unicamp, em recente entrevista ao Estadão: “E, assim, se chega ao paradoxo de um governo de esquerda, do Partido dos Trabalhadores, pagando mensalão para deputados da direita votarem leis neoliberais. Agora, ter um governo de esquerda que paga por essas votações é um paradoxo.”

Tá dominado
Na mesma entrevista, Laymert não vê razões para comemorar o fato de “a economia” não ter sido contaminada pela crise política. Para o sociólogo da Unicamp, essa dissociação é reveladora da irrelevância a que foi reduzida a política: “É o mercado que diz o que pode e o que não pode, é ele que estabelece os limites. Lula, a mídia, os políticos, os empresários, todo mundo está celebrando a maturidade da sociedade brasileira, porque a economia não se deixa contaminar pela instabilidade política. Para mim, isso deveria ser visto como a manifestação cabal de que “está tudo dominado” e de que a classe política se torna irrelevante.”

Palavra
Luís César Ebraico, autor do livro A Nova Conversa, fará a palestra “A palavra como instrumento de saúde e de doença psicológica”, dia 8, às 15h, na Av. Nossa Senhora de Copacabana, 698, Copacabana, e dia 22, no mesmo horário, na Rua Conde Bonfim, 334 – Praça Saens Pena, Tijuca. Inscrições: 0800 2821010.

Campo majoritário
Apesar de o MST ainda insistir em enxergar no governo Lula um aliado estratégico da reforma agrária, os investimentos destinados pela administração petista ao campo põem no seu devido lugar essas ilusões. Segundo levantamento da Fundação Getúlio Vargas (FGV), as grandes empresas agropecuárias receberam R$ 140 bilhões do governo Lula, enquanto a agricultura familiar, que emprega 84% dos trabalhadores rurais, recebeu apenas R$ 2,2 bilhões, uma diferença de R$ 137,8 bilhões.

Tapetão
Em acentuado viés de baixa no eleitorado desde que tentou de todas formas barrar a instalação das CPIs no Congresso, a senadora Ideli Salvatti (PT-SC) encontrou uma nova bóia de salvação eleitoral. Promete se dedicar com afinco a nobre e importante causa regional: evitar que o Figueirense seja rebaixado para a segunda divisão do Campeonato Brasileiro. Único representante de Santa Catarina na primeira divisão, o Figueirense foi um dos clubes prejudicados pelo árbitro Edilson Pereira, que confessou participar de um esquema de fabricação de resultados.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAu$teridade $eletiva
Próximo artigoApropriação

Artigos Relacionados

Falta de servidores traz prejuízo, inclusive financeiro

Fila de segurados no INSS vai engrossar precatórios em R$ 11 bilhões.

Desmonte do Estado se dá pelas beiradas

Miçangas e espelhos empurram reformas administrativas nos municípios.

O que vale pros precatórios vale pra dívida interna?

Se calotes são defensáveis, poderiam ser estendidos para os títulos públicos.

Últimas Notícias

Distribuição comercial: quais cláusulas e condições mais importantes?

Por Marina Rossit Timm e Letícia Fontes Lage.

Mercado corre do risco em momento de estresse

Se tem uma coisa que o mercado é previsível é com relação ao seu comportamento em momentos de estresse é aversão ao risco. “Nessa...

Petrobras: mais prazo de inscrição no novo Marco Legal das Startups

Interessados em participar do primeiro edital da Petrobras baseado no novo Marco Legal das Startups (MSL) poderão inscrever-se até o dia 12 de dezembro....

Canal oficial para investidor pessoa física na B3

A partir desta sexta-feira, a nova área logada do investidor da B3, lançada em junho, passa a ser o canal que centraliza todas as...

Fitch Ratings atualiza metodologia de Rating de Seguros

A Fitch Ratings, agência de classificação de risco, publicou nesta sexta-feira relatório de atualização de sua Metodologia de Rating de Seguros. Segundo a agência,...