Hidrovias movimentam pequenos e médios estaleiros

A Lava Jato e a queda no preço do barril de petróleo atingiram em cheio os grandes estaleiros, por afetar seu principal cliente, a Petrobras. Mas ainda há vida na beira da praia. Os pequenos e médios estaleiros têm muitas encomendas,e alguns deles, especialmente no Norte e no Nordeste, estão com a carteira completa. O que puxa as construções navais são as embarcações para as hidrovias, um sucesso no país. O sócio de uma empresa no Nordeste diz que não só estão mantendo empregos, como algumas estão contratando, ajudando a contrabalançar as demissões nas grandes companhias do setor.

Estas sofrem com o adiamento de encomendas, demora nos pagamentos e, pior, a indefinição. Elas acreditam em dias melhores com o possível Governo Temer. Não que esperem o apoio decisivo que obtiveram no Governo Lula – e, justiça seja feita, a então ministra Dilma Rousseff foi protagonista para que os projetos saíssem do papel. Mas os estaleiros também não creem na volta dos tempos do tucanato. Com FHC, a Transpetro lançou o programa Navega Brasil, chamado com deboche de Naufraga Brasil, pois não implicou a compra de sequer uma embarcação no país. Como disse o então titular desta página, especialista em navegação, Sergio Barreto Motta, o projeto “implicou a importação de dois navios feitos na Coreia, embora com nomes essencialmente típicos: Ataulfo Alves e Cartola, grandes sambistas. Navios estrangeiros com nomes escolhidos, a dedo, para sugestionar que, com tais nomes, fatalmente deveriam ser feitos no Brasil”.

Os estaleiros acreditam que nenhum governo vá querer que virem ferrugem os bilhões de dólares investidos nos últimos 12 anos. Assim, Temer poderia apoiar um programa de construção de embarcações de cabotagem, além de manter algumas encomendas de navios, barcos de apoio e sondas. Além disso, ainda que revista em possíveis erros, a exigência de conteúdo local deve permanecer, pois foi um sucesso, permitindo surgirem empresas fornecedoras por todo o país, atraindo investimentos e centros de pesquisa estrangeiros.

Sem garantias

Se as garantias constitucionais não funcionam para a presidente, para ministros e para advogados, para quem mais vão funcionar? Ouço as pessoas dizerem: ah, mas para o povão da periferia nunca funcionou, nunca houve Estado de Direito. Mas isso não justifica nada. O que se deveria fazer era estender o Estado de Direito até eles, e não o contrário”, reclama Laymert Garcia, em entrevista concedida a Carlos Orsi, do Jornal da Unicamp. Garcia tem bacharelado em jornalismo pela UFRJ, mestrado em Sociologia das Sociedades Industriais pela École des Hautes Études en Sciences Sociales (EHESS) da França e doutorado em Ciências da Informação pela Universite de Paris VII. É titular do departamento de Sociologia do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) da Unicamp e autor, entre outros livros, de Politizar as novas tecnologias – O impacto sócio-técnico da informação digital e genética (Editora 34, 2003).

Lei é para ser cumprida?

Muitos profissionais de meios de comunicação se comportaram de maneira extremamente reverente ao WhatsApp, bloqueado por quase 24 horas desde a tarde desta segunda-feira. Por mais útil que seja o aplicativo, há opções, muitas delas já pré-instaladas na maioria dos smartphones. Não pode é haver opção que permita o drible na lei, ou, pior, uma certa empáfia em relação à justiça brasileira.

Rápidas

Waldir Barroso, diretor da Agência Nacional do Petróleo (ANP), fala sobre o atual cenário petrolífero e as oportunidade de investimentos para pequenas e médias empresas do setor no próximo dia 19, no Ibef-Rio (Av. Rio Branco, 156/4º andar – Ala C – Centro – RJ). Inscrições ou mais informações: (21) 2217-5566 *** A Band não transmitirá jogos do Campeonato Brasileiro de Futebol da Série A. A emissora parceira da Globo há muitos anos, culpa a crise *** De 6 a 8 de maio acontece o VIII Dançar Caxias Shopping, que reúne mais de 15 escolas, academias, estúdios e grupos de dança de vários estilos, que apresentam coreografias inéditas. Também no dia 6 o shopping recebe o Circo do Topetão, que fica lá até 12 de junho *** Nelson Colaferro Junior, da empresa Blue Sol, foi reeleito para a presidência do Conselho de Administração da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar) para o biênio 2016-2018 *** Indicado para crianças de um a 12 anos, o Clube do Piratinhas, realização do Carioca Shopping, estará aberto aos sábados e domingos, até 29 de maio, das 14h às 20h, e promete transportar os menores para o mundo mágico da aventura *** O caminhão do projeto A Mata Atlântica é Aqui, parceria da Fundação SOS Mata Atlântica e do Ministério da Cultura, inicia nesta quarta-feira suas atividades culturais e de educação ambiental na cidade do Rio de Janeiro. A programação faz parte da 12ª edição do evento Viva a Mata, que será realizado na capital fluminense entre 19 e 22 de maio. O caminhão estará aberto ao público primeiramente no Parque da Madureira, Zona Norte da cidade, entre os dias 4 e 8. A partir do dia 13, as atividades ocorrerão no Parque dos Patins, na Lagoa Rodrigo de Freitas, até o dia 22.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Argentina fechará com China parceria do Cinturão e Rota

Iniciativa pode ser pontapé inicial para desenvolvimento e integração da América Latina.

G20 analisa aumentar taxação de corporações, mas…

Proposta tem que ser vantajosa para todos, não só para as sedes das multinacionais.

Botes salva-vidas para a classe A

No mundo de negócios, é tudo uma questão de preço.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Bolsas mundiais operam entre perdas e ganhos nesta terça

Em dia de leve alta, investidores locais monitoram as negociações em torno do Orçamento de 2021 e o CPI da Covid-19.

Preços ao consumidor de março avançaram mais que esperado

Veículos novos registraram o segundo mês consecutivo sem variação, enquanto os usados apresentaram variação positiva.

Castello Branco diz adeus à Petrobras

Assembleia de acionistas da estatal aprovou a destituição.

Alerj pede ao STF suspensão do pagamento de dívida na pandemia

Alerj estima que desde março de 2020, quando se iniciou a pandemia, o Estado do Rio já quitou R$ 1 bilhão em juros da dívida com a União.

Governo Bolsonaro tumultua e população vive drama para receber auxílio

Consórcio do Nordeste, formado por todos os governadores da região, defende que governo descentralize pagamento do benefício.