Home office e EAD mantêm crescimento do mercado de tablets

Em relação a 2020, houve alta de 68% no 2º trimestre e de 18,2% no 3º.

No segundo trimestre deste ano foram vendidos 801 mil tablets no Brasil, e no terceiro trimestre mais 884 mil unidades chegaram ao mercado, volumes 68% e 18,2% maiores em relação aos mesmos períodos de 2020. Os dados fazem parte dos estudos IDC Brazil Tablets Tracker Q2 2021 e Q3 2021, realizados pela IDC Brasil, empresa de inteligência de mercado, serviços de consultoria e conferências com as indústrias de Tecnologia da Informação e Telecomunicações.

O analista de mercado de TIC da IDC Brasil, Daniel Voltarelli, atribui a expansão ao ensino remoto e ao home office, demandas que movimentaram tanto o varejo como o mercado corporativo. “Os governos deram continuidade aos projetos voltados à educação digital, assim como as empresas continuam se modernizando e usando mais devices em sua transformação digital”, diz.

Dos tablets vendidos nos meses de abril, maio e junho, 194 mil foram para o mercado corporativo – alta de 398,4% -, e 607 mil unidades para o varejo – alta de 38,6%. Já do total de unidades do 3º trimestre, cerca de 218 mil tablets foram absorvidos por empresas e governos – alta de 230,1% -, e mais de 660 mil unidades atenderam o varejo, único mercado em queda – 2,3% – em relação a julho, agosto e setembro de 2020.

Segundo o estudo da IDC Brasil, no segundo trimestre de 2021 o tablet mais vendido foi o de 7″ e o preço médio foi de R$ 884, 4,6% mais caro do que em abril, maio e junho do ano passado. A receita total chegou a R$ 708,51 milhões, aumento de 75,7% em relação ao mesmo trimestre de 2020. No terceiro trimestre, o tablet de 7″ manteve a preferência, mas o preço médio saltou para R$ 1.154 e a receita total foi de R$ 1.022 bilhão, avanço de 25,1% e 47,9%, respectivamente, em relação ao mesmo período do ano anterior.

Para o último trimestre de 2021, a IDC Brasil projeta uma leve retração para o mercado de tablets em relação ao mesmo trimestre de 2020. “Essa queda se explica pela desaceleração das compras pelo mercado corporativo, principal outlier do ano. Por outro lado, pode ocorrer um crescimento de 23% nas vendas para consumidores finais, resultado de ações de Black Friday e compras de Natal”, afirma Voltarelli.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Valor da internet em Portugal está mais barato

Dados recentes do Eurostat, Serviço de Estatística da União Europeia, referentes a dezembro de 2021, mostra que Portugal lidera na descida de preços dos...

Balança comercial registra déficit de US$ 117 milhões

A corrente de comércio (soma de exportações e importações) brasileira cresceu 28% e fechou a terceira semana de janeiro em US$ 28,91 bilhões. Os...

Egito restringe viagens em função do avanço da Ômicron

Desde sábado é necessário apresentar certificado de vacinação ou teste negativo para a Covid-19 na chegada ao país.

Últimas Notícias

Valor da internet em Portugal está mais barato

Dados recentes do Eurostat, Serviço de Estatística da União Europeia, referentes a dezembro de 2021, mostra que Portugal lidera na descida de preços dos...

Modal finaliza aquisição da integralidade do banco digital LiveOn

O Modal, banco de investimento, fechou a aquisição de 100% da infratech LiveOn, operação divulgada em outubro de 2021, e só agora aprovada pelo...

Fitch afirma IDRs BB’ e rating nacional ‘AAA do Itaú Unibanco

A Fitch Ratings afirmou nesta segunda-feira os IDRs (Issuer Default Ratings - Ratings de Inadimplência do Emissor) de Longo Prazo em Moedas Estrangeira e...

Balança comercial registra déficit de US$ 117 milhões

A corrente de comércio (soma de exportações e importações) brasileira cresceu 28% e fechou a terceira semana de janeiro em US$ 28,91 bilhões. Os...

Subida de juros assusta investidores

A segunda-feira (24) foi marcada como um dia de aversão a risco com fortes quedas nas bolsas internacionais, observou Jansen Costa, sócio-fundador da Fatorial...