Hora de recomeçar

Por Aldo Gonçalves.

Apesar de acumular sucessivos resultados negativos nas vendas, o comércio do Rio de Janeiro começa, timidamente, a enxergar alguma melhora. Com a aproximação do Dia das Crianças, da Black Friday e do Natal, data mais importante para o varejo, que pode representar cerca de 30% ou mais do faturamento anual para vários segmentos, o comércio carioca aposta no crescimento das vendas para fechar bem o ano.

Pesquisas recentes, realizadas pelo CDLRio e pelo SindilojasRio, mostram que, mesmo ainda diante de um cenário de muitas incertezas, a maioria dos comerciantes está otimista em relação ao aumento das vendas. Do pequeno lojista às grandes redes de varejo, estão todos preparados para tentar aproveitar o período, com lançamentos e promoções que conquistem o cliente.

No entanto, com inflação em alta, índices de desemprego e de informalidade elevados e violência crescente, estas expectativas poderão ser frustradas, se não houver real empenho do Poder Público em proteger e estimular o comércio formal, combatendo, de fato, os velhos problemas que tanto afetam o setor: o comércio ilegal, abastecido pelo roubo de cargas, contrabando e pirataria, e a desordem urbana.

Além de cobrar medidas efetivas para coibir o comércio ilegal e a desordem, o SindilojasRio e o CDLRio, ao lado de outras entidades representativas do comércio de bens e serviços, têm participado ativamente de vários fóruns de discussão, reuniões e audiências públicas, propondo ações e mudanças que podem alavancar um novo ciclo de desenvolvimento social e econômico no Rio de Janeiro. Exemplo disso é a série de reuniões realizadas nos últimos meses, visando à revitalização do Centro, que tem discutido, entre outras ideias, a criação de um hub digital na região.

Em outras frentes, estamos lutando para que a reforma tributária efetivamente contemple as demandas do setor produtivo. Tributos e burocracia em excesso penalizam o setor produtivo, os consumidores, e geram insegurança jurídica.

Também estamos apoiando o PL 1.026/21, em tramitação na Câmara dos Deputados, que muda o índice utilizado para o reajuste de aluguéis do IGP-M para o IPCA. Neste mesmo sentido, integramos ações no Supremo Tribunal Federal, em busca de uma decisão jurídica favorável para que o reajuste dos aluguéis acompanhe de forma coerente a escala inflacionária do país e traga mais equilíbrio às negociações.

A construção de uma agenda positiva, seja para o país, seja para o Rio de Janeiro, depende da integração dos atores envolvidos, das diferentes esferas do poder público e do setor produtivo. Depende da disposição para superar diferenças em prol das mudanças que tanto almejamos, para retomarmos o caminho do crescimento econômico com justiça social.

As dificuldades são muitas, mas acreditamos que, com trabalho, diálogo e união, é possível vencê-las. É hora de recomeçar.

 

Aldo Gonçalves é presidente do SindilojasRio e do CDLRio.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

O inverno financeiro no mercado de venture capital

Por Igor Romeiro.

Reflexões para Teoria do Estado Nacional – questões globais?

Por Felipe Quintas e Pedro Augusto Pinho.

Últimas Notícias

Marca chinesa de automóveis de luxo Hongqi abre 1º showroom em Israel

A concessionária de carros israelense Samelet Group abriu nesta terça-feira o primeiro showroom da marca chinesa de limusines Hongqi na cidade de Tel Aviv, no centro de Israel.

AstraZeneca continuará a aumentar o investimento na China

AstraZeneca, a gigante farmacêutica britânica, está otimista sobre as perspectivas econômicas e o crescimento do setor de saúde chinês, e continuará a aumentar seu investimento na China, disse Leon Wang, vice-presidente executivo da AstraZeneca, informou o Chinanews.com nesta quarta-feira.

Setor de energia é um dos alvos preferidos de hackers

Mais de 60% de todos os ataques foram de phishing; organizações criminosas de hackers são ameaça às infraestruturas críticas do Brasil.

Países árabes planejam expansão de energia limpa

Omã, Marrocos, Argélia e Kuwait estão entre os que têm planos mais ambiciosos.

‘Governo não apenas poderia, como deveria intervir na Petrobras’

Para especialista, Governo Federal deveria estar mais atuante para combater os preços abusivos dos combustíveis em toda a cadeia.