Hora difícil para os equilibristas

É dura a vida dos que tentam defender o “mercado”, mas não podem se indispor com suas bases – ou contrariar a...

É dura a vida dos que tentam defender o “mercado”, mas não podem se indispor com suas bases – ou contrariar a realidade. O presidente da Fiesp, Paulo Skaf, se saiu assim: “A Petrobras deve ter liberdade para definir os preços, mas tem a responsabilidade de não tirar vantagem excessiva de seu poder de monopólio e impor valores acima do mercado internacional.”

Noves fora o que é “vantagem excessiva” (moderada está valendo?), o dublê de dirigente de entidade patronal e candidato ao governo paulista esquece que a importação de derivados é livre. A política de preços internos elevados tem feito a festa das multinacionais. A compra de combustíveis dobrou de 2017 para cá, e os EUA assumiram a liderança entre os países exportadores de diesel. Skaf admite: “Identificamos em relatório do Ministério das Minas e Energia de abril que o preço interno do diesel S10 cobrado pela Petrobras está 5% acima do padrão internacional (preço do golfo do México).”

Os preços altos dos combustíveis são a parte mais visível do fracasso das políticas neoliberais, aprofundadas após a tomada de poder pelo grupo que tem Temer na presidência. O dólar livre também tem seu peso na formação dos custos dos derivados de petróleo. Tudo isso vem embrulhado em uma crise econômica que já dura quatro anos. Estivesse o país crescendo, o problema seria amortecido. Mas é como diz a história, o cavalo estava quase se acostumando a viver sem comer, quando morreu, coitado…

 

Efeito colateral

A redução, na marra, do preço do diesel pode beneficiar motoristas de perfil bem diferente dos caminhoneiros: maganos donos de carros picaponas e SUVs caríssimos, de R$ 150 mil para cima. Por uma distorção, no Brasil os automóveis não podem usar o diesel, que é liberado para veículos beberrões e que de utilitários não têm nada.

 

Alternativa

O gás natural veicular (GNV) tem sido a salvação para os motoristas de automóveis, devido à falta de outros combustíveis. Distribuído por dutos, o GNV permite driblar a paralisação dos caminhoneiros. No Estado de São Paulo, são cerca de 490 postos. No Rio de Janeiro – cuja frota equivale a um quarto da paulista – existem uns 540 postos com gás.

Hoje secretário de estado de Educação, Wagner Victer conta a luta que travou quando implantou o Programa de GNV no Rio, em 1999, quando era secretário de Energia. “Quando tentaram, no segundo Governo Lula, acabar com o programa, bati pesado. A realidade dos acontecimentos atuais mostra que estava certo”, comemora.

 

Colcha de retalhos

Comentário de amigo da coluna sobre o plano econômico da coalizão 5 Estrelas e Liga Norte, na Itália: “É como se fosse um programa elaborado conjuntamente entre o Mangabeira, o Nelson Barbosa e o Paulo Guedes, com alguns pitacos do Bresser. Não vai dar certo.”

 

Nunca ouviu falar

Faltando pouco mais de um mês para entrar em vigor, empresas que passarão a integrar o eSocial em julho ainda desconhecem a utilização obrigatória do sistema. É o que revela uma pesquisa realizada pela multinacional britânica de software de gestão Sage com 366 companhias de pequeno porte.

De acordo com o estudo, 66,3% ainda não sabem o que é o sistema e apenas 33,6% já ouviram falar sobre a nova forma de prestação de informações trabalhistas, fiscais e previdenciárias no país. Apenas 9% afirmam estar cientes e preparados para as mudanças.

A partir de julho, mais de 4,8 milhões de micro e pequenos empresários e 7,2 milhões de microempreendedores individuais (MEIs) deverão estar integrados ao eSocial.

 

Rápidas

O pré-candidato à Presidência da República pelo PDT, Ciro Gomes, participará de uma reunião com os associados do Instituto para Desenvolvimento do Varejo (IDV) nesta sexta-feira, das 12h30 às 14h30, no Hotel Renaissance, em São Paulo *** No sábado, Adilson da Vila e a Velha Guarda Musical de Vila Isabel comandam a atração Samba Américas, no Américas Shopping, das 14h às 16h *** No mesmo dia, o Pátio Alcântara apresenta o clássico infantil Dorothy e o Boneco de Lata, a partir das 16h30 *** Sua empresa está preparada para o futuro? Essa e outras questões serão debatidas domingo e segunda-feira, durante a 13ª edição do Congresso da Micro e Pequena Indústria, realizado pela Fiesp *** O jurista Modesto Carvalhosa lança, no dia 11, às 18h, na Livraria Cultura do Conjunto Nacional, o livro Da Cleptocracia para a Democracia em 2019.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Sonho da casa própria fica mais distante

Contratação de moradias com recursos do FGTS cai ano após ano.

Moeda chinesa na mira dos bancos centrais

Participação como reserva internacional ainda é baixa… por enquanto.

Bolsonaro comanda pior resposta à pandemia da AL

Para formadores de opinião, Brasil foi pior até que a estigmatizada Venezuela.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

S&P aumenta nota de crédito da Petrobras

A agência de classificação de risco S&P Global Ratings (S&P) elevou a nota de crédito da Petrobras. A nota de crédito stand-alone (risco intrínseco)...

Movida supera as expectativas e ações sobem 8%

A Movida, empresa de locação de veículos, gestão e terceirização de frotas e vendedora de semininovos, reportou lucro líquido ajustado de R$ 174 milhões...

BNDES financia Norflor no combate ao efeito estufa

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) concederá financiamento será concedido à Norflor Empreendimento Agrícolas no valor de até R$ 27,4 milhões,...

Uma criptomoeda 100% brasileira

Uma parceria entre as startups Stonoex e AMZ viabilizou o lançamento da criptomoeda brasileira ZCO2. É uma criptomoeda que prevê a proteção da Amazônia...

Aumenta investimento estrangeiro em Xangai

O investimento estrangeiro integralizado em Xangai registrou um aumento anual de 21,1% no primeiro semestre de 2021, anunciaram autoridades locais. A utilização real do...