Huawei construirá centro de P&D no Reino Unido

Na quarta, embaixada dos EUA no Brasil repercutiu declaração de Pompeo: 'maré está se voltando para fornecedores confiáveis de 5G'.

Empresas / 12:53 - 26 de jun de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A companhia chinesa de tecnologia, Huawei, anunciou na quinta-feira que construirá um centro de ponta em Cambridge, na Grã-Bretanha, que se concentrará na pesquisa, desenvolvimento e fabricação de dispositivos e módulos ópticos.

Segundo a empresa chinesa, foram adquiridos 2,02 km² de terreno em Cambridge em 2018 e a primeira fase do Campus Huawei foi aprovada pelo conselho local na quinta-feira.

A Huawei investirá um bilhão de libras (cerca de US$ 1,2 bilhão) na primeira fase do projeto, que inclui a construção de 50 mil metros quadrados de instalações e criará diretamente cerca de 400 empregos locais, informou a empresa.

A optoeletrônica é uma tecnologia essencial usada em sistemas de comunicação por fibra óptica e esse investimento visa a levar o melhor dessa tecnologia aos centros de dados e infraestrutura de rede em todo o mundo, de acordo com a Huawei.

Na última quarta-feira, a embaixada dos EUA no Brasil repercutiu a declaração do secretário de Estado americano, Mike Pompeo, que disse que "a maré está se voltando contra a Huawei. à medida que cidadãos de todo o mundo estão acordando para o perigo do estado de vigilância do Partido Comunista chinês. Os acordos da Huawei com operadoras de telecomunicações em todo o mundo estão evaporando porque os países estão permitindo apenas fornecedores confiáveis em suas redes 5G. Exemplos incluem a República Tcheca, Polônia, Suécia, Estônia, Romênia, Dinamarca e Letônia. Recentemente, a Grécia concordou em usar a Ericsson em vez da Huawei para desenvolver sua infraestrutura 5G."

Segue dizendo que "algumas das maiores empresas de telecomunicações em todo o mundo também estão se tornando empresas 'Telecom Limpas' ('Clean Telcos'). Vimos isso com a Orange na França, Jio na Índia, Telstra na Austrália, SK e KT na Coreia do Sul, NTT no Japão e O2 no Reino Unido. Há algumas semanas, as três grandes empresas de telecomunicações do Canadá decidiram fazer parceria com a Ericsson, Nokia e Samsung, porque a opinião pública era, em grande maioria, contra permitir a construção das redes 5G do Canadá pela Huawei. A Telefónica afirma em seu Manifesto Digital que 'a segurança é primordial', e seu CEO e presidente José María Álvarez-Pallete López declarou recentemente que 'a Telefónica tem orgulho de ser uma empresa 5G de Caminho Limpo. A Telefónica Espanha e o O2 (Reino Unido) são redes totalmente limpas e, em um futuro próximo, a Telefónica Deutschland (Alemanha) e a Vivo (Brasil) estarão sem equipamentos de fornecedores não confiáveis'."

Ainda segundo Pompeo, "o ímpeto a favor do 5G seguro está aumentando. Quanto mais países, empresas e cidadãos perguntarem em quem devem confiar com seus dados mais sensíveis, mais óbvia a resposta se torna: não no estado de vigilância do Partido Comunista chinês."

 

Com informações da Agência Xinhua

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor