Hypermarcas (HYPE3): Reavaliação após desinvestimento

Opinião do Analista / 12:01 - 14 de dez de 2011

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Com a venda de ativos anunciada no fim de semana, a Hypermarcas completou o desinvestimento anunciado na ocasião da divulgação do resultado do 2º trimestre de 2011. A empresa vendeu seus ativos dos setores de alimentos (Etti, Salsaretti, Puropure) e "higiene e limpeza" (Assolan, Assim, Mat Inset, Perfex, entre outras...), em linha com a estratégia de focar nos segmentos mais rentáveis de farmácia e cuidados pessoais. De acordo com a corretora Bradesco, este desinvestimento traz vantagens em duas frentes: financeira, a empresa reduz seu endividamento de 4,1 vezes o Ebitda para 3,5 vezes, o que reduz também as despesas financeiras no futuro. Outra vantagem é foco na gestão, permitindo que a companhia direcione seus esforços para seus negócios principais (farmácia e cuidados pessoais), otimizando assim sua nova estrutura organizacional com duas diretorias distintas, criando inclusive forças separadas de venda, marketing e P&D. Embora a confirmação das vendas destes ativos reduza as incertezas que envolviam a Hypermarcas, o crescimento orgânico da receita e das margens é ponto crítico para avaliar o futuro da companhia. A companhia ainda sofre com a desestocagem de sua cadeia de produção, o que torna difícil precisar quais serão a receita e a margem recorrentes nos próximos anos. Desta forma, a corretora atualizou o modelo de Hypermarcas levando em consideração o desinvestimento e a nova estrutura de gestão. "Continuamos com recomendação de manter para as ações da empresa, mas elevamos nosso preço alvo de R$ 8,70 para R$ 9,50 para dezembro de 2012", informou a Bradesco em relatório.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor