Ibovespa bate recorde após juros no Brasil e EUA

Analista comenta o recorde do Ibovespa: 'Momento de juros altos no mundo começa a ficar para trás'

56
Brasil Bolsa Balcão - B3 (Foto: divulgação)
Brasil Bolsa Balcão - B3 (Foto: divulgação)

O Ibovespa bateu recorde nesta quinta-feira, ao alcançar 131.259,81 pontos durante o pregão. O principal índice da Bolsa de Valores B3 fechou a 130.842,09 pontos, também nunca alcançado na história. O recorde anterior era de 130.776,27 pontos, alcançado em 7 de junho de 2021.

“Alguns fatores levaram a este recorde do Ibovespa. O primeiro é que a Bolsa já estava extremamente próxima dessa máxima. O segundo está relacionado ao fato que, no final de ano, existe uma ausência de notícias políticas relevantes que possam criar ruídos no mercado”, explica Volnei Eyng, economista e CEO da Multiplike.

“Além disso, quando olhamos o cenário externo, observamos, por exemplo, Europa e Estados Unidos com deflação. Isso significa que aquele momento de juros altos no mundo todo, começa a ficar para trás”, complementa Eyng.

O recorde do Ibovespa veio na esteira da decisão de reduzir os juros no Brasil e, principalmente, do otimismo do mercado financeiro internacional com a economia dos Estados Unidos. O Federal Reserve (Fed, Banco Central dos EUA) deu indícios de que poderá reduzir a taxa de juros antes do previsto.

Espaço Publicitáriocnseg

O otimismo no Brasil reflete o humor dos mercados internacionais nesta quinta-feira. Nos Estados Unidos, os índices das bolsas de Nova York também bateram máximas.

O índice Dow Jones Industrial Average obteve seu segundo fechamento recorde consecutivo, com alta de 0,43%, para 37.248,35 pontos. O S&P 500 valorizou 0,26%, para 4.719,55. O índice Nasdaq Composite aumentou 0,19%, para 14.761,56 pontos.

A moeda norte-americana se enfraqueceu. O índice do dólar, que mede a moeda frente a seis principais pares, caiu 0,88%, para 101,957.

Na contramão, os futuros de ouro na divisão Comex da Bolsa Mercantil de Nova York subiram nesta quinta-feira. O contrato de ouro mais ativo para entrega em fevereiro subiu US$ 47,60, ou 2,38%, para fechar em US$ 2.044,90 por onça.

Os juros dos Treasuries operam em queda, particularmente na ponta longa da curva. O juro da T-note de 10 anos renovou menor nível desde julho de 2023 – na mínima intradia a 3,884% – e o do T-bond de 30 anos renovou menor nível desde agosto deste ano – na mínima a 4,029%.

Os dados econômicos divulgados nesta quinta-feira também atenuaram o ouro. O Departamento de Comércio dos EUA informou que as vendas no varejo dos EUA aumentaram 0,3% em novembro, para US$ 705,7 bilhões, de uma queda revisada de 0,2% em outubro.

O Departamento do Trabalho dos EUA informou que os pedidos iniciais de auxílio-desemprego caíram para 202 mil, uma redução de 19 mil em relação ao nível revisado da semana anterior.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui