28.6 C
Rio de Janeiro
sábado, janeiro 16, 2021

Ibovespa fecha em queda pressionado por bancos

O Ibovespa caiu 0,65%, a 53.561 pontos nesta segunda-feira, pressionada particularmente pelas ações de bancos, das quais Itaú Unibanco caiu quase 3% antes da divulgação do resultado trimestral, na terça-feira.

O declínio dos preços de commodities corroborou a realização de lucros no pregão brasileiro. O O volume financeiro somou R$ 5,8 bilhões. Em Wall Street, o S&P 500 avançou 0,78% amparado em papéis do setor financeiro e de consumo, apesar da fraqueza dos preços do petróleo.

O quadro político local também segue no radar, mas sem grandes novidades, com estrategistas mantendo o viés positivo para as ações brasileiras para maio, com perspectivas de mudança do governo federal e ajuste em políticas macroeconômicas.

O Itaú Unibanco caiu 2,74%, antes do balanço do primeiro trimestre, em sessão negativa para o setor bancário como um todo. Os papéis do maior banco privado do país sofreram também com preocupações com o potencial impacto no resultado de pedido de recuperação judicial da Sete Brasil Participações. O Bradesco recuou 1,97%, com o Credit Suisse também afirmando em nota a clientes que seus analistas estão mais cautelosos com o banco, citando que sua estimativa de despesa com provisão para 2016 pode estar otimista, assim como para 2017, quando os mesmos esperavam uma melhora.

A Petrobras fechou com as preferenciais em baixa de 0,59%, diante do forte recuo dos preços do petróleo, embora os papéis sigam também influenciados por perspectiva sobre o cenário político.

 

Dólar

 

O dólar avançou 1,45%, a R$ 3,4900 na venda, depois de cair mais de 1,6% e ir a R$ 3,44 na sessão passada, menor nível em nove meses. Na máxima deste pregão, a moeda norte-americana chegou a R$ 3,5092.

“A tendência do dólar é de queda (sobre o real), o que vai demandar atuação do BC”, afirmou o operador de câmbio da corretora B&T Marcos Trabbold.

O BC realizou neste pregão leilão de até 40 mil swaps cambiais reversos –equivalentes à compra futura de dólares–, mantendo a atuação mais intensa feita na sexta-feira, depois de passar quase duas semanas mais longe. Vendeu o volume total em um único vencimento, o mais curto, em 1º de agosto deste ano.

Dados do BC mostram que, no dia 29 de abril, o estoque de swaps cambiais tradicionais –correspondentes à venda futura de dólares– foi a US$ 70,653 bilhões, sendo que o final do mês anterior ele estava um pouco acima de US$ 100 bilhões. Com a operação deste pregão, o BC reduziu em mais cerca de US$ 2 bilhões.

Artigos Relacionados

Programa promove inclusão na formação de colegiados

O Programa Diversidade em Conselho, iniciativa criada para aumentar a diversidade nos conselhos brasileiros, divulgou nesta sexta-feira através de seus parceiros - B3, Instituto...

Petrobras começa fase vinculante do Polo Norte Capixaba

A Petrobras, em continuidade ao comunicado divulgado em 29/09/2020, informou o início da fase vinculante referente à venda da totalidade de suas participações em...

Focus Energia pretende levantar R$1 bi em IPO

A comercializadora de eletricidade Focus Energia anunciou realizar uma oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) com previsão de que o valor...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Varejo sente redução no auxílio e alta da inflação

Comércio ficou estável em novembro e quebrou sequência de recuperação.

Senado quer que Pazuello se explique

Pedido de convocação para cobrar ação do Ministério da Saúde no Amazonas.

Lenta recuperação na produção industrial dos EUA

Setor ainda está 3,6% abaixo do nível anterior à pandemia.

Realização de lucros em âmbito global

Bolsas europeias e os índices futuros de NY operam em baixa nesta manhã de sexta-feira.

Desaceleração deve vir no começo do primeiro trimestre

Novo pacote de estímulo fiscal, bem como o avanço da imunização, deve garantir reaceleração em direção ao final do período.