Ibovespa futuro sobe acompanhando mercado externo

A quarta-feira amanhece com os investidores globais acompanhando os balanços do Goldman Sachs, Walls Fargo e JP Morgan que dão início a temporada de balanços e que devem definir a performance das Bolsas globais. No Brasil, o Ibovespa deve ter fôlego curto e deve refletir o movimento do mercado externo. Enquanto no cenário cambial, o real tende a se valorizar ante o dólar devido à baixa da moeda americana ante a maioria das moedas de países emergentes e exportadores de commodities. Nos juros, o mercado deve se ajustar de acordo com as falas do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, que reforçou que deve vir outra dose de aumento de 75 pontos-base na Taxa Selic na reunião de maio e que o impacto inflacionário permanece sendo algo temporário. No momento, o índice futuro do Ibovespa está em alta de 0,25% e o dólar futuro está caindo 0,11%.

No mercado externo, os índices futuros das Bolsas de Nova Iorque operam em leve alta, com os investidores atentos aos balanços dos bancos e à espera do Livro Bege. Às 7h22, no mercado futuro, o Dow Jones operava estável e o Nasdaq subia 0,14%, enquanto o S&P 500 tinha alta de 0,10%. O juro da T-note de dois anos subia a 0,161%, enquanto o da T-note de 10 anos avançava a 1,633% e o do T-bond de 30 anos aumentava a 2,311%. Na Europa, as Bolsas operam mistas, com os investidores esperando a divulgação dos dados econômicos da região. Às 7h20, a Bolsa de Londres subia 0,17%, enquanto a de Frankfurt caía 0,11% e a de Paris avançava 0,33%. O euro estava em US$ 1,1955, de US$ 1,1951 no fim da tarde de ontem. A libra era cotada a US$ 1,3771, de US$ 1,3756 no fim da tarde de ontem. Na Ásia, as Bolsas fecharam em alta. O Xangai Composto subiu 0,60%. Em Hong Kong, o Hang Seng se valorizou 1,42%. O sul-coreano Kospi subiu 0,42% em Seul. Na Oceania, o S&P/ASX 200 avançou 0,66% em Sydney. Às 7h20, o dólar estava em 109,02 ienes, de 109,06 ienes no fim da tarde de ontem.

.

Equipe Travelex Bank

Artigos Relacionados

Volume de vendas do varejo restrito regrediu em março

'Recuo foi acima do esperado por nós (-3,4%) e pelo mercado (-5,1%)', diz Felipe Sichel.

Com medidas restritivas, produção industrial foi fraca no mês passado

Para os próximos meses, esperamos alguma recuperação com o auxílio emergencial e melhora gradativa das condições do mercado de trabalho.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Estado do Rio registra 68,8 mil novos MEIs

Alimentação fora do lar foi o segmento com mais abertura de empresas, com 10,4 mil novos microempreendedores.

Volume de vendas do varejo restrito regrediu em março

'Recuo foi acima do esperado por nós (-3,4%) e pelo mercado (-5,1%)', diz Felipe Sichel.

Quase 80% não trabalham totalmente remoto na pandemia

Segundo levantamento sobre adaptação ao modelo de teletrabalho, 49,7% dos entrevistados estiveram na empresa semanalmente.

Tunísia pretende exportar 80 mil toneladas de frutas

País produz pêssegos, nectarinas, damasco, ameixa e estima aumento de 7% na safra de frutas em 2021; grandes importadores são Líbia, França e Itália.

Rio acaba com toque de recolher

Novas medidas têm validade até o dia 20 de maio; medidas podem ser revistas.