IBP debateu oportunidades para a indústria nacional

61
Jean Paul Prates (Foto: José Cruz/ABr)
Jean Paul Prates (foto de José Cruz, ABr)

O Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás (IBP) debateu as perspectivas da cadeia de fornecedores no “Seminário: oportunidades para a indústria nacional”, realizado ontem em sua sede, com a presença dos presidentes da Petrobras, da Shell, da Transpetro, do o Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore (Sinaval) e da Associação Brasileira das Empresas de Serviços de Petróleo (Abespetro).

O presidente do IBP, Roberto Ardenghy, destacou as oportunidades de crescimento da indústria de óleo e gás para os próximos anos com investimentos previstos nas atividades de exploração e produção de US$ 180 bilhões e a geração de 445 mil empregos.

“Nosso objetivo é buscar como auxiliar a indústria nacional, dentro do contexto da competitividade, em que precisaremos de prazos definidos e a entrega de produtos com a qualidade histórica da nossa indústria. É um mercado de muitos desafios para o futuro, de muita segmentação, de grande competição internacional, que demandará um produto cada vez mais competitivo e descarbonizado”, concluiu.

Já o presidente da Petrobras, Jean Paul Prates, ressaltou a importância da indústria naval e offshore brasileira e a necessidade de desenvolvimento da cadeia produtiva. “Gerar emprego, tecnologia é obrigação de cada país. Nós todos queremos desenvolver o Brasil, retomar a indústria. Não faremos isso sozinhos, mas em parceria, em uma política de Estado”.

Espaço Publicitáriocnseg

O secretário de Estado de energia e economia do mar do Rio de Janeiro, Hugo Leal (PSD-RJ), ressaltou a importância da discussão de políticas essenciais para a indústria nacional e a necessidade de ampliar o mercado de gás natural.

“Essa visão de diálogo cria um ambiente favorável. Precisamos atuar para garantir previsibilidade e segurança jurídica para o setor. Nosso papel enquanto formulador, agente público é ser um mediador e discutir temas importantes. O gás natural, por exemplo, é uma realidade e que precisa ser utilizado, é uma excelente oportunidade para as indústrias”.

Carlos Travassos, diretor de Engenharia, Tecnologia e Inovação da Petrobras, apresentou as oportunidades para a indústria de fornecedores nas atividades de descomissionamento e novos escopos na construção de FPSOs.

“Estamos construindo módulos maiores por conta do aumento da complexidade das unidades de produção de óleo e gás. Isso exigirá uma estratégia de construção diferente, por isso temos de atuar em parceria com a cadeia de fornecedores”.

O CEO da Shell Brasil, Cristiano Pinto da Costa, também ressaltou o potencial do segmento de descomissionamento, destacando o projeto para descomissionar o FPSO Fluminense, o primeiro realizado por uma companhia internacional no Brasil. “O Brasil será um player relevante no segmento de descomissionamento no mundo. Mas temos desafios, como a necessidade de simplificar o marco regulatório e ter previsibilidade com o aprimoramento de pontos sobre requerimentos ambientais e prazos”.

Maurício Almeida, vice-presidente do Sinaval, sindicato que representa estaleiros de diferentes portes, ressaltou a importância de um ambiente de negócios saudável para gerar demanda e competitividade e a parceria com os agentes públicos. “Precisamos entender que a indústria naval precisa de uma política de estado, não de governo, para que os investimentos sejam perenes e movimentem a cadeia produtiva e a economia”

Telmo Ghiorzi, secretário-executivo da Abespetro, enfatizou a necessidade de investimentos contínuos no setor industrial para que o país seja capaz de atrair multinacionais e se tornar referência na cadeia produtiva.

“A nossa industrialização precisa de continuidade, de política de estado e de estabilidade. Acreditamos que a exportação é um diferencial. O que nos tornará competitivos é sermos exportadores de equipamentos e materiais”, avaliou.

Elisa Salomão, chefe do Departamento de Gás, Petróleo e Navegação do BNDES, destacou o papel do banco para o desenvolvimento nacional e novas possibilidades de instrumentos financeiros para o setor naval.

“O banco continuará apoiando a indústria e estamos trabalhando em condições financeiras que podem ser melhoradas dentro do fundo de marinha mercante. Em relação ao descomissionamento, com a BR do Mar foi incluída a possibilidade de outros investimentos para a indústria naval”.

O deputado federal Alexandre Lindenmeyer (PT-RS) elogiou a iniciativa do IBP em reunir os agentes do segmento para discutir melhorias e novas formas de alavancar o desenvolvimento da indústria nacional e apontou alguns temas essenciais para o setor.

“A questão do Repetro no descomissionamento precisa ser analisada, além da importância da qualificação da mão de obra. Penso que o Brasil tem que ser muito mais que exportador de commodities e aproveitar o petróleo para ser um vetor de desenvolvimento da nação”.

Karine Fragoso, gerente de Óleo e Gás da Firjan e diretora geral da Organização Nacional da Indústria do Petróleo (Onip), disse que o país não teve uma política, mas sim uma cláusula de conteúdo local. “Hoje precisamos de uma série de ferramentas que viabilizem o operador produzir mais no Brasil. Queremos ampliar mercado para viabilizar maior participação da indústria nacional, com número maior de atores, trabalhadores nesse mercado”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui