Com apoio do Sinaval, Petrobras lança Mapa de Estaleiros do Brasil

Mapa vai impulsionar o desenvolvimento da infraestrutura brasileira.

307
Mapa de Estaleiros do Brasil
Mapa de Estaleiros do Brasil (Arte: IBP)

Em evento realizado nesta quinta-feira, no Rio de Janeiro, o Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás (IBP) e a Petrobras, com apoio do Sinaval, lançaram o Mapa de Estaleiros do Brasil, parte da iniciativa integrada entre os setores de petróleo, gás, energia e naval para levar informações abrangentes e atualizadas sobre a infraestrutura dos estaleiros e projetos no país de forma acessível e disponível ao mercado.

Jean Paul Prates, presidente da Petrobras, reforçou que o Mapa dos Estaleiros é um primeiro passo para avançar no debate sobre temas como conteúdo local e da indústria naval brasileira. Nesse contexto, a demanda da Petrobras é um pilar fundamental. O executivo avalia que o Mapa atende a necessidade de apresentar esta infraestrutura dos estaleiros nacionais para o mercado internacional em sinergia com a demanda firme da Petrobras e a implementação de uma política de governo.

“A indústria naval é relevante em escala global, não é antiquada. Noruega e Espanha tiveram ciclos relevantes na indústria naval, bem como os japoneses e coreanos com fortes investimentos em estaleiros. O Brasil está retomando sua posição na rota do crescimento do setor naval”, analisa Jean Paul Prates.

Espaço Publicitáriocnseg
Ariovaldo Rocha no lançamento do Mapa dos Estaleiros do Brasil (foto Sinaval)
Ariovaldo Rocha, presidente do Sinaval

15 estaleiros desativados ou sem demanda no Brasil

O levantamento mapeou 48 estaleiros brasileiros. A constatação é que ao menos seis estão desativados e nove estão ativos, mas atualmente não têm demanda de projetos navais.

Entre os estaleiros ativos, mas sem demanda atualmente, estão os dois maiores do país: Enseada, na Bahia, e o Atlântico Sul, em Pernambuco. Juntos, os dois têm capacidade para processar mais de 200 mil toneladas de aço por ano, ou seja, 40% da capacidade instalada na indústria naval brasileira.

Outro estaleiro de grande porte que está sem demanda é o QGI, no Rio Grande do Sul. O Brasa, no Rio de Janeiro, encontra-se desativado, segundo o IBP.

Pedro Alem, gerente executivo de Áreas Terrestres, Águas Rasas e Política Industrial no IBP, apresentou a ferramenta com os seus objetivos e propósitos. Ele destacou que o mapa é um instrumento vivo e interativo em atualização constante. Pedro Alem mencionou que este é um painel intuitivo com oportunidade para filtrar a pesquisa por estaleiros aptos para produzir FPSO (navio-plataforma que pode produzir, armazenar e transferir petróleo e gás) ou mostrar seus dados, como posição geográfica, capacidade de movimentação de aço e porte.

Ilustração de FPSO
Ilustração de FPSO (Arte: Petrobras)

“Esta é uma ferramenta que permitirá aos armadores, petroleiras e investidores conhecer toda infraestrutura dos estaleiros no Brasil”, ressaltou Pedro Alem.

Investimentos no setor

Jean Paul Prates acrescentou que o plano estratégico da Petrobras contempla R$ 500 bilhões e geração de 280 mil empregos por ano até 2028. Inclui construção de plataformas offshore com módulos até três vezes maior que as atuais, como a P-80 e a P-83. Prates indica que são sete FPSO em fase de estudos e três estaleiros que já estão com elevada demanda neste momento.

O plano de revitalização de ativos da empresa terá foco em 23 plataformas e mais 40 para desmontar. Tem estimativa de encomenda de 200 embarcações de apoio para incrementar a frota a partir de 2028. Devem ser construídos até 38 navios de apoio marítimo mais moderno, com propulsão híbrida e redução de emissões.

Prates ainda anunciou uma rodada de negócios na OTC, em parceria com o IBP, para fornecedores brasileiros alcançarem o mercado global, além de possibilitar o diálogo com investidores e organizar visitas técnicas deles no Brasil para que conheçam a infraestrutura nacional de estaleiros.

O evento, com patrocínio da Triunfo Logística, também contou com a presença de representantes do Fundo da Marinha Mercante (FMM), Abimaq, ANP, Abemi, BNDES, Abespetro, deputado federal Alexandre Lindenmeyer e deputada federal Celia Jordão.

Com Agência Brasil

Matéria atualizada às 18h02 para incluir informações sobre estaleiros desativados ou sem encomendas

Matéria atualizada às 14h02 de 19/4/2024 para corrigir a informação: o estaleiro QGI é do Rio Grande do Sul, não do Rio Grande do Norte, como informou a Agência Brasil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui