Ignorando a OMS, três estados afrouxam isolamento

Mato Grosso, Rondônia e Santa Catarina autoriza mais atividades a retornarem a seu ritmo normal.

Política / 01:14 - 28 de mar de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Em desacordo com as recomendações da comunidade médica internacional, as determinações de isolamento social estão sendo flexibilizadas em alguns estados, como  Mato Grosso, Rondônia e Santa Catarina, onde novas normas preveem a abertura de diversos serviços.  Em Santa Catarina, o plano estratégico anunciado pelo Executivo liberou o retorno de todo o comércio, mas a medida enfrenta resistência do Ministério Público e reclamações de cidadãos.

Em Mato Grosso, novo decreto editado na quinta-feira lista as atividades cujo funcionamento é permitido, entre as quais estão o transporte coletivo e de empregados (desde que custeado pelos empregadores), táxi e aplicativos, velórios com até 20 pessoas, lojas de conveniência, açougues, distribuidoras de gás, agências bancárias e loterias, comércio de peças automotivas e materiais elétricos, oficinas mecânicas, restaurantes em rodovias, call centers, data centers, mercado de capitais e consertos de veículos e equipamentos.

O governador do estado, Mauro Mendes, justificou a flexibilização pelo fato de ser necessário “conter a epidemia e garantir empregos ao mesmo tempo”. “Estamos defendendo o rigor no isolamento social, não o isolamento econômico. É possível trabalhar mantendo as regras sanitárias”, disse Mendes.

Os Ministérios Públicos Estadual, Federal e do Trabalho notificaram o governo requerendo a suspensão do decreto. Os órgãos argumentam que há risco de aumento dos casos de infecção pelo coronavírus e de mortes pela doença, caso não sejam adotadas medidas e muitas das atividades poderiam ser desenvolvidas por teletrabalho.

O governo de Rondônia anunciou também na quinta-feira adequações ao decreto editado no dia 20 de março para “garantir o desenvolvimento do setor produtivo”. A exemplo de Mato Grosso, a nova norma lista os serviços autorizados, entre eles: clínicas, comércio de produtos agropecuários, pet shops, indústrias, obras de construção e reforma, oficinas mecânicas, peças automotivas, manutenção, hotéis, escritórios de contabilidade, lotéricas, materiais de construção e restaurantes à margem de rodovias.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor