IGP-10 varia 0,10% em maio

Queda verificada em abril e maio nos preços de grandes commodities agrícolas e minerais contribuiu para queda da inflação ao produtor.

O Índice Geral de Preços – 10 (IGP-10) variou 0,10% em maio. No mês anterior, o índice havia registrado alta de 2,48%. Com esse resultado, o índice acumula alta de 7,73% no ano e de 12,13% em 12 meses. Em maio de 2021, o índice subira 3,24% no mês e acumulava elevação de 35,91% em 12 meses.

“A queda verificada em abril e maio nos preços de grandes commodities agrícolas (de 0,23% para -1,72%) e minerais (de 0,77% para -3,17%) contribuiu para a queda da inflação ao produtor. O recuo dos preços das commodities já influencia a taxa em 12 meses do grupo matérias-primas brutas (-2,77%). Ainda ao produtor, as taxas de variação dos bens intermediários (de 4,26% para 0,89%) e dos bens finais (de 4,07% para 1,12%) também apresentaram desaceleração, mas a variação acumulada em 12 meses para estes estágios de processamento se mantem em patamar muito elevado, 25,70% e 19,49%, nesta ordem, o que sustenta repasses que chegam gradualmente ao varejo”, afirma André Braz, coordenador dos Índices de Preços.

O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) caiu 0,08% em maio. No mês anterior, o índice havia registrado taxa de 2,81%. Na análise por estágios de processamento, os preços dos bens finais variaram de 4,07% em abril para 1,12% em maio. A principal contribuição para este resultado partiu do subgrupo combustíveis para o consumo, cuja taxa passou de 15,92% para 0,70%. O índice relativo a bens finais (ex), que exclui os subgrupos alimentos in natura e combustíveis para o consumo, variou 1,31% em maio. No mês anterior, a taxa foi de 2,34%.

A taxa do grupo bens intermediários passou de 4,26% em abril para 0,89% em maio. A principal contribuição para este movimento partiu do subgrupo combustíveis e lubrificantes para a produção, cuja taxa passou de 17,65% para -0,59%. O índice de bens intermediários (ex), obtido após a exclusão do subgrupo combustíveis e lubrificantes para a produção, variou 1,19% em maio, após subir 1,88% no mês anterior.

O índice do grupo matérias-primas brutas passou de 0,36% em abril para -2,07% em maio. As principais contribuições para o recuo da taxa partiram dos seguintes itens: minério de ferro (1,07% para -3,66%), milho em grão (-1,52% para -8,49%) e mandioca/aipim (17,05% para -4,94%). Em sentido ascendente, os movimentos mais relevantes ocorreram nos seguintes itens: café em grão (-11,23% para -2,06%), cana-de-açúcar (-0,21% para 1,65%) e suínos (-2,32% para 8,55%).

Também o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) variou 0,54% em maio. Em abril, o índice havia apresentado taxa de 1,67%. Cinco das oito classes de despesa componentes do índice registraram decréscimo em suas taxas de variação: habitação (1,62% para -2,37%), transportes (3,42% para 1,23%), alimentação (1,88% para 1,39%), vestuário (1,24% para 1,03%) e comunicação (-0,05% para -0,11%). As principais contribuições para este movimento partiram dos seguintes itens: tarifa de eletricidade residencial (2,10% para -12,93%), gasolina (7,62% para 1,10%), hortaliças e legumes (13,32% para 4,10%), acessórios do vestuário (1,41% para 0,36%) e mensalidade para internet (-0,20% para -0,58%). Em contrapartida, os grupos educação, leitura e recreação (0,95% para 3,19%), saúde e cuidados pessoais (0,39% para 1,25%) e despesas diversas (0,59% para 0,63%) apresentaram acréscimo em suas taxas de variação. Nestas classes de despesa, as maiores influências partiram dos seguintes itens: passagem aérea (4,73% para 19,29%), medicamentos em geral (0,67% para 4,20%) e serviços bancários (0,68% para 1,16%).

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) variou 0,74% em maio. No mês anterior a taxa foi de 1,17%. Os três grupos componentes do INCC registraram as seguintes variações na passagem de abril para maio: materiais e equipamentos (1,08% para 1,52%), serviços (0,69% para 0,86%) e mão de obra (1,34% para 0,01%).

Já o IPC-S da segunda quadrissemana de maio de 2022 variou 0,41% e acumula alta de 10,17% nos últimos 12 meses. Todas as sete capitais pesquisadas registraram decréscimo em suas taxas de variação.

Leia também:

IGP-DI cai e tem inflação de 0,41% em abril

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Geladeiras devem exibir nova etiqueta de eficiência

Comércio varejista tem prazo até 30 de junho de 2023 para continuar vendendo os produtos com a etiqueta antiga.

Mercado pet deve crescer 14% em 2022

Chile é o país que mais importou produtos pets brasileiros no primeiro trimestre; setor prevê novas exportações neste ano.

FGTS vira moeda do governo para movimentar a economia

Atualização monetária das contas do Fundo não acontece e trabalhador continua no prejuízo.

Últimas Notícias

Geladeiras devem exibir nova etiqueta de eficiência

Comércio varejista tem prazo até 30 de junho de 2023 para continuar vendendo os produtos com a etiqueta antiga.

Mercado pet deve crescer 14% em 2022

Chile é o país que mais importou produtos pets brasileiros no primeiro trimestre; setor prevê novas exportações neste ano.

FGTS vira moeda do governo para movimentar a economia

Atualização monetária das contas do Fundo não acontece e trabalhador continua no prejuízo.

EUA: tiroteio em escola bate maior número em 20 anos

Segundo relatório, houve apenas 23 incidentes com vítimas fatais durante o ano letivo de 2000/2001.

Bebidas Online busca captar R$ 2 milhões com pessoas físicas

Com crescimento projetado de 19% para 2022, startup de delivery de bebidas usará recursos nas áreas de marketing, desenvolvimento de produtos e expansão do time