IGP-M acelera na primeira prévia de junho

O Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) variou 1,50%, no primeiro decêndio de junho, taxa superior a apurada em maio, quando o...

O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) variou 1,50%, no primeiro decêndio de junho, taxa superior a apurada em maio, quando o índice havia subido 1,12%.

O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) avançou 2,06%, no primeiro decêndio  de  junho. No mesmo período do mês de maio, o índice ficou em 1,58%. Na análise por estágios de processamento, os preços dos Bens Finais subiram em média 1,98% em junho, após variar 0,04% em maio. Contribuiu para o movimento o subgrupo alimentos in natura, cuja taxa passou de -5,03% para 9,70%. O índice correspondente aos Bens Intermediários variou 2,76%, contra 2,20%, no mês anterior. A principal contribuição para este avanço partiu do subgrupo materiais e componentes para a manufatura, cuja taxa passou de 1,60% para 2,48%.

Mais informações sobre os resultados abaixo. Dados completos no Portal IBRE, no link:

O índice referente as Matérias-Primas Brutas registrou alta de 1,31%, após subir 2,73% no mês anterior. Contribuíram para o recuo da taxa de variação do grupo os seguintes itens: minério de ferro (7,99% para -1,12%), soja (em grão) (5,05% para 0,93%) e cana-de-açúcar (2,09% para -0,20%). Em sentido oposto, vale citar aves (-0,86% para 10,14%), milho (em grão) (1,18% para 4,11%) e laranja (-5,39% para 1,11%).

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) variou 0,54%, no primeiro decêndio de junho, ante 0,21% no mês anterior. Quatro das oito classes de despesa componentes do índice registraram acréscimo em suas taxas de variação, com destaque para o grupo Transportes (-0,41% para 1,16%). Nesta classe de despesa, vale mencionar o comportamento do item gasolina, cuja taxa passou de -0,23% para 4,89%.

Também foram computados acréscimo nas taxas de variação dos grupos Alimentação (-0,07% para 0,61%), Vestuário (0,17% para 1,43%) e Habitação (0,31% para 0,34%). Nestas classes de despesa, as maiores influências observadas partiram dos itens hortaliças e legumes (1,48% para 10,85%), roupas (0,37% para 1,47%) e tarifa de eletricidade residencial (1,18% para 1,35%).

Em contrapartida, os grupos Saúde e Cuidados Pessoais (1,35% para 0,54%), Educação, Leitura e Recreação (0,30% para -0,41%), Comunicação (0,22% para 0,00%) e Despesas Diversas (0,12% para 0,04%) apresentaram decréscimo em suas taxas de variação. Nestas classes de despesa, vale mencionar o comportamento dos seguintes itens: medicamentos em geral (3,21% para 0,53%), salas de espetáculo (1,77% para -1,00%), mensalidade para TV por assinatura (1,86% para -0,22%) e clínica veterinária (0,56% para 0,13%).

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) subiu 0,18%, no primeiro decêndio de junho. No mês anterior, esse índice havia subido 0,38%. O índice relativo a Materiais, Equipamentos e Serviços variou 0,25%. No mês anterior, a taxa foi de 0,47%. O índice que representa o custo da Mão de Obra registrou variação de 0,13%. No mês anterior, este índice variou 0,31%.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Deputados querem venda direta de etanol aos postos

Em audiência pública da Comissão de Minas e Energia, realizada nesta terça-feira, deputados defenderam a aprovação da Medida Provisória 1063/21, que autoriza produtores e...

Lira e Pacheco querem limitar calote de precatório a ‘só’ R$ 49 bi

Mais da metade dos pagamentos ficaria para negociações não determinadas.

Sudeste e Nordeste lideram déficit habitacional

Número de famílias sem casa própria pulou de 5,7 milhões, em 2016, e deve chegar a 6,1 milhões em 2021. 

Últimas Notícias

Queiroga ficará em quarentena em NY

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, não volta por enquanto ao Brasil. O motivo não foi o gesto obsceno que fez com o dedo,...

Startup de inteligência artificial terá acesso ao hub de dados da B3

A 4KST, fintech de inteligência artificial, com foco em eficiência financeira, e a B3 anunciaram nesta terça-feira um acordo com foco em compartilhamento e...

BNDES: R$ 166 milhões para linhas de transmissão da Energisa Tocantins

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aprovou financiamento de R$ 166 milhões para a Energisa Tocantins Transmissora de Energia (Grupo Energisa),...

UE tenta expandir oportunidades no oeste da China

Nos primeiros oito meses de 2021, o volume comercial entre a China e a União Europeia (UE) aumentou 32,4% ano a ano. O volume...

Deputados querem venda direta de etanol aos postos

Em audiência pública da Comissão de Minas e Energia, realizada nesta terça-feira, deputados defenderam a aprovação da Medida Provisória 1063/21, que autoriza produtores e...