Imagem

Porta-vozes habituais do mundo mágico da privatização, as agências de notícias internacionais estão recebendo um duro choque de realidade das teles privatizadas. A DPA – agência noticiosa alemã – por exemplo, responsabiliza a Telemar pelo isolamento dos seus correspondentes no Brasil do resto do mundo. Segundo a DPA,  desde que seu escritório no Rio foi transferido, há seis meses, do Jardim Botânico para Ipanema, seus cinco funcionários contam com apenas duas linhas telefônicas, ambas em funcionamento precário. Desde março, a agência espera, em vão, pela instalação de mais duas linhas. “Como vou explicar para meus superiores em Hamburgo que isso está acontecendo na oitava potência industrial do mundo, às vésperas do terceiro milênio? Não conseguimos nem instalar um fax com dedicação exclusiva!”, esbraveja o chefe da agência no Brasil Emilio Rappold, forçado a um jornalismo investigativo impensável antes da privatização das teles.

Fritura anunciada
O titular ainda nem esquentou a cadeira, mas as apostas em Brasília e na Avenida Paulista já começaram. Afinal, quantos meses Alcides Tápias vai durar no Ministério do Desenvolvimento?

Lions
O economista Marcos Coimbra recebe hoje o prêmio de melhor articulista oferecido pelo Lions Club. A entrega do II Prêmio Lions de Comunicação será às 20h30, na Sala de Cinema da Universidade Estácio de Sá (Rua do Bispo, 83 – Rio Comprido). Marcos Coimbra é professor da Candido Mendes e colaborador fixo da página OPÇÃO BRASIL, do MM, que hoje publica seu artigo.

“Brazil” poliglota
O Brasil tem quatro idiomas. Além do português, que é o oficial, o brasileiros falam espanhol, inglês e francês. A novidade consta do “Relatório da CIA sobre o Brasil” disponível no site da Global Press Brazil (www.globalclipping.com.br). Pelo visto, os arapongas da companhia de espionagem norte-americana devem estar lotados em algum lugar longínquo da Bolívia.

Nefelibata
O quebra-quebra na saída das praias do Rio, no feriado, foi somente um aviso. O verão do PPA promete.

Globalização
“Nem toda integração deve ser aplaudida”, porque o que vale não é a quantidade, mas a qualidade dessa integração, ensinou o ex-ministro Rubens Ricupero, secretário-geral da Unctad, órgão das Nações Unidas para comércio e desenvolvimento. “De 1530 até o fim do século passado, o Brasil estava totalmente integrado ao comércio mundial”, disse, lembrando que se tratava de um esquema baseado no trabalho escravo e no latifúndio, que levam à concentração de renda.

Artigo anteriorBode expiatório
Próximo artigoOxigênio carioca
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Taxa de carbono vai custar quase € 800 mi à Turquia

Os exportadores turcos de produtos com alto consumo de energia, como cimento, aço e alumínio, poderão enfrentar custos adicionais exorbitantes quando as propostas legislativas...

Sonho da casa própria fica mais distante

Contratação de moradias com recursos do FGTS cai ano após ano.

Moeda chinesa na mira dos bancos centrais

Participação como reserva internacional ainda é baixa… por enquanto.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Mercado de TI é alavancado pela pandemia

Tetris IT, empresa que desenvolve projetos de inovação digital, cresceu 300% em 2020.

Ações da ClearSale valorizam mais de 20% na estreia na B3

A ClearSale (ticker CLSA3) concluiu nesta sexta-feira a sua oferta pública inicial (IPO) na B3. A oferta movimentou R$ 1,3 bilhão sendo que, apenas...

Edital da Oferta Permanente inclui 377 blocos

A Agência Nacional de Petróleo e Gás Natural (ANP) publicou nesta sexta-feira nova versão do edital da Oferta Permanente, com a inclusão de 377...

Multa de R$ 500 mil para ‘fake’ sobre eleição

Uma multa de R$ 500 mil, caso repita as manifestações que questionem os últimos pleitos presidenciais realizados no país, faz parte uma ação que...

Bacia de Campos recua com redução drástica de investimentos

A Bacia de Campos, atualmente a segunda maior região produtora de petróleo do Brasil, registrou em junho a sua menor produção média dos últimos...