Importação de bens de capital cresce 11,4% de janeiro a abril

Transações somaram US$ 10.736 milhões no período, ante US$ 9.637 milhões, registrados do primeiro ao quarto mês de 2020.

As importações de bens de capital totalizaram US$ 10.736 milhões nos quatro primeiros meses de 2021 e registraram avanço de 11,4%, ante o mesmo período do ano anterior, quando o montante chegou a US$ 9.637 milhões, segundo dados do Ministério da Economia, compilados pela Associação Brasileira dos Importadores de Máquinas e Equipamentos Industriais (Abimei).

O avanço nas importações de máquinas e insumos pela indústria neste período sinaliza perspectivas de crescimento nessa atividade nos próximos meses. Segunda a pesquisa, o volume de peças e equipamentos de transporte (subcategoria que se enquadra em bens de capital) teve crescimento de 18,5%, passando de US$ 4 306 milhões, para US$5 100 milhões. Já nas importações classificadas como “exceto equipamentos de transporte” houve alta de 12% entre janeiro e abril de 2021, na comparação com 2020, totalizando US$ 9 626 milhões, ante US$ 8 596 milhões.

De acordo com o presidente-executivo da Abimei, Paulo Castelo Branco, a China é o principal responsável pelo saldo positivo da balança comercial brasileira, tendo em vista que o comércio com os chineses resultou num superávit de US$ 13,7 bilhões para o Brasil.

“Somente no primeiro quadrimestre de 2021, a participação do país nas importações do Brasil foi de 21,8%, confirmando a posição de principal parceiro comercial”, explica.

A indústria de peças e acessórios importou 21% mais bens de capital, passando de US$ 6.531 milhões em 2020 para US$ 7.902 milhões, no mesmo período de 2021. Já a atividade industrial aumentou ainda em 24,6% a compra de bens intermediários, obtendo US$ 40.434 milhões neste ano, ante US$ 32.460 milhões atingidos em 2020.

O especialista explica que o avanço significativo no setor evidencia que esses segmentos enxergaram o poder de minimizar os efeitos causados pela pandemia, repensando a estratégia e comprando mais bens de capital, tanto os que são disponíveis de fabricação nacional, como os com maior tecnologia, importados de vários países do mundo. Desta forma, a capacidade produtiva do mercado nacional aumenta e consegue abastecer o mercado interno local com produtos de alta qualidade, além de preços competitivos, gerando, inclusive, a possibilidade de exportação de produtos para outros países.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Setor público registrou superavit de R$ 358 bi em 2021

O setor público brasileiro registrou um superavit orçamentário de R$ 358 bilhões em 2021, resultado que deriva dos cerca de R$ 6,3 trilhões em...

Informalidade atinge 40,1% da população ocupada

Segundo IBGE, desemprego caiu para 9,8%; rendimento fica estável.

Sudeste teve alta de 5% nas vendas por internet em maio ante abril

Considerando a mesma base de comparação, o faturamento do setor também cresceu: 7%.

Últimas Notícias

Acusações de palhaça e possível ação da CVM fazem ação da TC desabar

Papéis chegaram a recuar mais de 25% no pregão desta quinta-feira.

Aqui, na terra, a coisa está preta

Por Paulo Alonso.

Setor público registrou superavit de R$ 358 bi em 2021

O setor público brasileiro registrou um superavit orçamentário de R$ 358 bilhões em 2021, resultado que deriva dos cerca de R$ 6,3 trilhões em...

Triste realidade

Em cada 4 bairros do Rio, 1 tem milicianos ou traficantes

Pré-candidatura de Ceciliano ao Senado ganha apoio na Região Serrana

Prefeito do PSB vira as costas para candidato do partido.