Importações de sucata ferrosa aumentam; exportações caem em fevereiro

Retomada da produção industrial elevou o consumo interno; empresas de sucata mantêm mercado abastecido.

As importações de sucatas pelas usinas siderúrgicas brasileiras, insumo utilizado na produção de aço, voltaram a crescer em fevereiro, atingindo 63.6967 toneladas, após terem alcançado 35.057 toneladas em janeiro deste ano.

Os números representam um expressivo salto nas importações em relação às pouco mais de 2.300 toneladas nos primeiros dois meses de 2020. Já as exportações tiveram novamente queda expressiva no ano de 2021 e foram de apenas 23.632 toneladas em fevereiro, ante 88.115 toneladas no mesmo mês de 2020, uma redução de 73%.

Conforme o Instituto Nacional das Empresas de Sucata de Ferro e Aço (Inesfa), tanto o aumento das importações como a queda nas exportações se justificam em razão de um consumo aquecido de sucata no Brasil, com a recuperação da produção industrial, principalmente da construção civil, e a consequente maior demanda pelo aço.

“As usinas siderúrgicas estão plenamente abastecidas, com cerca de um mês de estoque nos pátios. As empresas de sucata estão priorizando a oferta no mercado interno e diminuindo o volume das exportações”, afirma Clineu Alvarenga, presidente do Inesfa.

Alvarenga lembra que as siderúrgicas, embora venham reduzindo nos últimos anos o consumo do insumo na produção de aço (25%, contra a média mundial de 33%), há décadas são plenamente abastecidas pelas empresas brasileiras e o volume exportado é apenas o excedente. Mais de 90% da produção de sucata de ferro e aço é destinada ao mercado interno.

“Na verdade, temos um aço hoje cada vez menos verde”, diz Alvarenga.

Com o consumo em alta, as empresas de processamento de sucata permanecem monitorando a demanda local para no momento certo aportar investimentos e incrementar a coleta e o beneficiamento de materiais metálicos.

O presidente do Inesfa esclarece que as importações sempre foram historicamente residuais, e os volumes que chegaram neste início de ano se referem a contratos fechados pelas usinas nos meses de outubro e novembro do ano passado, quando houve uma recuperação acima do esperado da produção industrial.

“Além disso, as importações de sucata ferrosa são uma forma de as usinas siderúrgicas tentarem conter ou forçar baixas de preços no Brasil, que estão somente recuperando perdas de antes da pandemia”, diz Alvarenga.

Leia mais:

Aprovação do Orçamento de 2021 entrará na reta final?

Redução de jornada volta para segurar emprego

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Ômicron se espalha pelo mercado financeiro

Bolsas caem com especulação sobre efeitos da nova variante.

Preços do barril de petróleo desabam com nova variante

Queda de 13% nos EUA e de 11,5% no Reino Unido.

Campos Neto: BC vai rever para baixo crescimento do PIB para 2022

Última conta do BC era de alta de 2,1%.

Últimas Notícias

Mercado corre do risco em momento de estresse

Se tem uma coisa que o mercado é previsível é com relação ao seu comportamento em momentos de estresse é aversão ao risco. “Nessa...

Petrobras: mais prazo de inscrição no novo Marco Legal das Startups

Interessados em participar do primeiro edital da Petrobras baseado no novo Marco Legal das Startups (MSL) poderão inscrever-se até o dia 12 de dezembro....

Canal oficial para investidor pessoa física na B3

A partir desta sexta-feira, a nova área logada do investidor da B3, lançada em junho, passa a ser o canal que centraliza todas as...

Fitch Ratings atualiza metodologia de Rating de Seguros

A Fitch Ratings, agência de classificação de risco, publicou nesta sexta-feira relatório de atualização de sua Metodologia de Rating de Seguros. Segundo a agência,...

STF desbloqueia bens de Lula

Por maioria de três votos a um, a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, nesta sexta-feira, desbloquear os bens do ex-presidente Lula...