Inadimplência avança e alcança mais de 5,5 milhões de MPEs em maio

Para Serasa, serviço tiveram maior participação (51,6% do total); inadimplência no varejo de moda registrou crescimento de 4,81% ante abril.

A inadimplência das micro e pequenas empresas brasileiras mostra uma alta constante desde o começo deste ano e, em maio, alcançou 5.522.375 empreendimentos. De acordo com os dados do Indicador de Inadimplência da Serasa Experian, o setor de serviços foi o mais afetado, com parcela de 51,6%, seguido pelo segmento de comércio, que representa 39,8% do total de inadimplentes.

Para o economista da Serasa Experian, Luiz Rabi, “o cenário de inadimplência do empreendedorismo ainda deve se estender enquanto a economia permanecer instável no país, já que essa situação afeta diretamente o poder de compra dos consumidores e, sendo assim, o fluxo de caixa das empresas”.

Considerando todos os portes, o indicador revelou que 6.136.387 empresas estavam inadimplentes em maio deste ano. Nesse montante, o setor de serviço também liderou, representando 52,7% do total. Em sequência estão os negócios do segmento de comércio (38,1%), indústria (7,9%) e setor primário (0,9%). Dentre os estados brasileiros, aqueles que possuem a maior parcela de empreendimentos com o nome no vermelho são: São Paulo (1.991.348), Minas Gerais (609.770), Rio de Janeiro (542.581), Paraná (390.234) e Rio Grande do Sul (325.770).

Dados da pesquisa do Sebrae em parceria com a Fundação Getúlio Vargas mostraram que entre abril e maio de 2022, a maioria dos pequenos negócios (59%) tem mais de um terço dos custos mensais comprometidos com dívidas e empréstimos.

Já de acordo com o Índice Meu Crediário, pesquisa mensal que mede os níveis de inadimplência em cerca de 200 redes varejistas do país, a inadimplência do crediário no varejo de moda registrou em maio um crescimento de 4,81% em relação ao mês de abril. O levantamento aponta que 10,08% das parcelas do crediário estavam atrasadas entre 61 e 90 dias no encerramento do mês, enquanto o indicador era de 9,59% em abril. Realizado pela fintech Meu Crediário, o levantamento possui um nível de confiança de 95%. O índice de inadimplência de maio de 2022 refere-se às compras realizadas pelos consumidores em fevereiro deste ano e que estão atrasadas entre 61 e 90 dias. Após esse período, o cliente já é considerado inadimplente pelos órgãos de proteção de crédito.

Além da comparação mês a mês, o Índice Meu Crediário aferiu uma alta de 10,19% na inadimplência de maio comparado ao mesmo período do ano passado – quando 9,05% dos carnês estavam atrasados.

“Essa elevação pode ser explicada pelo nível da inflação dos últimos 12 meses, que impacta diretamente no poder dos consumidores honrarem seus compromissos financeiros, além da participação de mais clientes novos na carteira dos lojistas. Esses consumidores novos costumam ter uma inadimplência maior que os clientes tradicionais, o que contribui para o aumento da média geral”, diz o estudo.

Leia também:

Inadimplência recorde atingiu 66,1 milhões de brasileiros em abril

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Vendas financiadas de veículos leves e pesados crescem pouco

Em relação a julho de 2021, no entanto, queda é de 18,8%

Medidas de estímulo aos campos de petróleo e gás na área do pós-sal

Esses campos vêm apresentando declínio constante

Peixes de cultivo: R$ 8 bi com a venda de 841 mil toneladas em 2021

Semana do Pescado 2022 vai movimentar o país em setembro

Últimas Notícias

Fiagros têm captação líquida satisfatória até junho

Esses fundos entraram em operação em agosto de 2021

Vendas financiadas de veículos leves e pesados crescem pouco

Em relação a julho de 2021, no entanto, queda é de 18,8%

Índices influenciaram o mercado nesta semana

Ibovespa encerrou nesta sexta-feira com alta de 2,33%

Petrobras informa sobre venda de direitos minerários de potássio

A Petrobras informa que iniciou a etapa de divulgação da oportunidade (teaser), referente à venda de seus direitos minerários para pesquisa e lavra de...

China aposta no controle da inflação este ano

BPC: condições favoráveis para manter os preços geralmente estáveis